Saúde

Dengue volta a matar na Paraíba

Uma menina de quatro anos de idade, que morava no Sítio Pintado, em Mogeiro, no Agreste paraibano, morreu no último domingo, por volta das 9h30, com suspeita de dengue hemorrágica depois de ser internada no Hospital Regional de Trauma e Emergência de Campina Grande. O laudo médico aponta “síndrome do choque de dengue” como causa da morte, mas a confirmação oficial por parte da Secretaria Estadual de Saúde só pode ser feita depois do resultado do exame, que está sendo feito no Laboratório Central em João Pessoa.

Segundo a diretora técnica do hospital, Noadja Cardoso, a criança chegou ao hospital na madrugada da sexta-feira com um quadro grave e apresentava sintomas, como febre, dor abdominal, vômito e desidratação. “Ela foi direto para a UTI, fizemos todos os exames necessários e prestamos o atendimento correto, mas infelizmente, o estado dela era muito grave”, disse Noadja, que também é pediatra.

O primeiro exame de sangue constatou que a quantidade de plaquetas da menina estava normal (143 mil), mas no segundo exame, feito horas após, as plaquetas já tinham caído para 80 mil. “No dia seguinte, outro exame detectou que as plaquetas estavam em 69 mil”, disse Noadja. A quantidade normal de plaquetas deve variar de 150 mil a 450 mil.

Se a causa da morte da criança for confirmada como dengue hemorrágica, subirá para seis o número de vítimas da doença na Paraíba. Até agora, a Secretaria de Saúde do Estado confirmou a morte de quatro crianças com dengue hemorrágica e de uma idosa de 90 anos de idade, que teve dengue clássica. A primeira vítima foi um menino de quatro anos de idade, que morava em Cuité e morreu no dia 9 de abril no Hospital Universitário Alcides Carneiro, em Campina Grande.

No dia 20 de abril, uma idosa de 90 anos de idade, que estava internada no Hospital João XXIII, em Campina, morreu em decorrência de complicações de uma dengue clássica. Seis dias depois, a secretaria confirmou a terceira morte por dengue hemorrágica: a de um menino de cinco anos de idade, da cidade de Guarabira, no Brejo paraibano, que estava internado no Hospital de Traumas de João Pessoa.

A quarta morte foi registrada no dia 18 de maio: a de uma menina de 4 anos, do município de Serra Redonda, que estava internada no Hospital Regional de Urgência e Emergência de Campina Grande. Dois dias depois, a Secretaria de Saúde confirmou a morte de uma menina de oito anos de idade, que morava em Barra de Santa Rosa.
De janeiro até ontem, o Hospital Regional de Emergência e Trauma de Campina Grande registrou 305 casos suspeitos de dengue, sendo 225 da forma clássica e 80 hemorrágica. No mesmo período do ano passado, foram notificados 128 casos de suspeita de dengue clássica e nenhum da forma hemorrágica.

NA UTI

Uma menina de 4 anos de idade, do bairro Monte Santo, em Campina Grande, está internada na UTI do hospital com sintomas de dengue hemorrágica. A tia da menina, Sônia Araújo, conta que a criança começou a apresentar os primeiros sintomas na última quinta-feira. “Ela veio ao hospital, fez uns exames e voltou para casa, mas a situação só foi piorando no final de semana. No domingo, a trouxemos de novo ao hospital e foi então que decidiram interná-la”, contou. No mesmo hospital, outra criança de 11 anos, de Serra Redonda, está internada com sintomas de dengue clássica.

Paula Brito – Jornal da Paraíba




Click para Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Lidas

Topo