Saúde

O Novembro azul chega ao fim, mas a prevenção precisa continuar

O Novembro Azul chega ao fim, mas isso não quer dizer que a prevenção ao câncer de próstata terminou, afinal continua sendo o mais recorrente entre os homens, perdendo apenas para o de pele. Apesar de muitos homens já terem consciência da necessidade de se cuidar, alguns ainda enfrentam tabus em relação a exames. De acordo com o urologista do Hapvida Saúde, Osório Abath, este é um dos principais fatores da mortalidade em decorrência do câncer de próstata. “O preconceito dos homens em relação ao exame de toque é grande, mas ele continua sendo o meio mais eficaz na descoberta do tumor”, explica.

O diagnóstico precoce é a principal arma para garantir que os homens tenham quase 100% de chance de cura. Por ser uma doença silenciosa, o médico recomenda que os exames devem ser feitos regularmente a partir dos 40 anos, para homens com caso de câncer de próstata na família, e a partir dos 45 para quem não tem.

É importante lembrar que outros cuidados diários com a saúde são importantes para a prevenção de doenças, não só como o câncer, mas a hipertensão e diabetes. Uma alimentação balanceada e atividade física regular, que pode ajudar aliviar o estresse, são pequenas atitudes diárias, que podem ser usadas em prol da saúde.

Um dos grandes medos dos homens que são diagnosticados com câncer de próstata é a impotência, mas o urologista alerta que ter vergonha da própria condição, só irá fazer atrasar o tratamento. “Após a descoberta do tumor, é preciso fazer o exame de PSA (Antígeno Prostático Específico) e, posteriormente, a biópsia, que confirmará ou não a doença. O tratamento deste câncer pode ser feito através de radioterapia, que queimará o tumor, ou cirurgia, com retirada da próstata. Depois desse procedimento cerca de 20% dos homens podem ter incontinência urinária ou impotência, mas isso pode ser resolvido com uma prótese peniana”, afirma Osório.

Por Luana Ferreira/Pautacom




Mais Lidas

Topo