Manchete

Assentamento paraibano exporta algodão colorido para a Europa

Agricultores do Assentamento Campos, no município de Salgado de São Félix, no Agreste paraibano, viram na retomada da cultura do algodão, que até a década de 1980 era a principal atividade da região, a chance de conquistar novos mercados e uma nova fonte de renda. Desde 2015, o algodão produzido no assentamento, que é cultivado de forma manual e orgânica e já nasce colorido, é exportado para a Europa, onde é transformado em artigos de cama, mesa e banho e em peças de vestuário. A expectativa para este ano é de que a produção das 35 famílias que trabalham com a cultura no assentamento chegue a aproximadamente 60 toneladas de plumas de algodão nas cores verde e rubi.
Na última sexta-feira (16), as famílias do assentamento, a cerca de 95 quilômetros de João Pessoa, receberam, pela primeira vez, a visita do embaixador regional para a América Latina da Textile Exchange, Sílvio Moraes. A organização não-governamental que ele representa atua no fortalecimento da cultura do algodão orgânico para a indústria têxtil através da construção de elos entre produtores e compradores.
A revitalização da cultura do algodão no Assentamento Campos começou há três anos com o assentado João Lourenço, de 52 anos. Sua família, assim como as outras do assentamento, era posseira da antiga Fazenda Campos, onde existia uma grande plantação de algodão branco até a década de 1980, quando a praga do bicudo-do-algodoeiro (Anthonomus grandis) provocou o declínio da cultura no Semiárido nordestino, que já foi a maior área de produção algodoeira do país.
Foi com o objetivo de aumentar a renda da família que João Lourenço procurou a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural da Paraíba (Emater/PB)-Gestão Unificada, que forneceu as sementes de algodão orgânico das variedades BRS Rubi e BRS Verde. As variedades de algodão colorido são fruto de mais de 20 anos de melhoramento genético convencional, cruzando-se plantas de algodão entre si, conduzido pela Emprapa Algodão. As pesquisas resultaram em cinco variedades com tonalidades que vão do verde-claro aos marrons claro, escuro e avermelhado.
Em cerca de três anos, o sucesso da experiência iniciada pela família de João Lourenço conquistou outras famílias do Assentamento Campos. Atualmente, o grupo de produtores reúne 35 famílias. Cada uma delas possui um lote com uma média de 20 hectares e vai plantar um ou dois hectares de algodão consorciado. “No começo, o povo aqui achava que eu era louco. Eles me perguntavam onde eu iria vender o algodão”, revelou João Lourenço.
As primeiras plumas de algodão colhidas pela família de João Lourenço foram comercializadas ainda em 2015 para os Estados Unidos com o apoio da Emater/PB-Gestão Unificada. No mesmo ano, o coordenador do Projeto Brasil da Organic Cotton Colours, Diógenes Fernandes, visitou o assentamento e começou a organizar um grupo de agricultores para aumentar a produção de algodão.
Desde 2016, toda a produção de algodão colorido orgânico do assentamento é vendida à Organic Cotton Colours, uma empresa sediada na região da Catalunha, na Espanha, que trabalha com algodão orgânico há mais de 25 anos e comercializa o algodão colorido produzido no Assentamento Campos no mercado europeu.
De acordo com a Embrapa Algodão, sediada em Campina Grande, a Paraíba já chegou a produzir cerca de 700 mil toneladas de algodão por ano. A cultura sofreu forte declínio a partir da década de 1980 devido à praga do bicudo, ao elevado endividamento dos produtores rurais, que perderam safras por questões climáticas, e à concorrência com outros países produtores.

Fonte de renda

Em 2017, os assentados do Assentamento Campos receberam R$ 9 por quilo de pluma. Os agricultores também lucraram com a venda das sementes de algodão, comercializadas por R$ 1,50 o quilo.
Para João Lourenço, o plantio de algodão consorciado com outras culturas garante produção diversificada e renda extra. “Vale muito a pena porque é mais um reforço na nossa renda, pra gente comprar roupas, calçados. Se a gente estivesse plantando só milho e feijão não tinha como”, disse. “É ótimo o plantio de forma consorciada porque primeiro colhemos o feijão, depois o milho e, por último, o algodão”, explicou o agricultor assentado.
O técnico em agroecologia Moisés Batista de Oliveira, 32 anos, também vive com a família no Assentamento Campos. Ele nunca havia trabalhado com algodão até 2016, quando plantou dois hectares após o sucesso da experiência iniciada por João Lourenço, que hoje representa o grupo produtor de algodão do assentamento. Moisés viu no algodão uma forma de incrementar a renda da família, que produz ainda milho e feijão-verde. “O algodão orgânico é vantagem para o agricultor familiar porque a gente já tem comprador certo e também aprende mais sobre a agroecologia”, afirmou o agricultor.
A Organic Cotton Colours está orientando os produtores do Assentamento Campos para, até o final do ano, obter a certificação orgânica participativa do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para o algodão produzido pelas famílias da comunidade.
Segundo Diógenes Fernandes, a Organic Cotton Colours possui uma demanda de pelo menos outras 40 toneladas de algodão branco, verde e rubi. Atualmente, a empresa também trabalha com o algodão produzido por grandes produtores da Índia. Mas, ele explicou que o objetivo da Organic Cotton Colours é adquirir todo o seu algodão do Brasil e assim valorizar a agricultura familiar.

Produção sustentável

O plantio de algodão no Assentamento Campos é feito em consórcio com outras culturas, como milho, feijão e gergelim, mantendo uma proporção de 50% do campo plantado com algodão, que não recebe agrotóxicos nem insumos químicos. A produção é de, em média, uma tonelada de algodão por hectare. A diversificação garante o equilíbrio ambiental, o melhor aproveitamento da terra e a diversidade de alimentos – umas das principais características da agricultura familiar.
Para combater pragas e doenças nas plantas, os agricultores assentados utilizam defensivos naturais produzidos à base de angico e de Nim (Azadirachta indica) – que, segundo a Embrapa, é uma árvore de múltiplo uso pertencente à família das meliáceas com origem provável na Índia e em Mianmar.
O algodão produzido no Assentamento Campos é beneficiado em uma miniusina de beneficiamento de algodão com o uso de uma descaroçadeira com capacidade para beneficiar até duas toneladas de algodão por dia. A máquina separa a semente da fibra e foi instalada pela Embrapa em uma miniusina que funciona desde 2001 em outro assentamento paraibano produtor de algodão orgânico colorido, o Assentamento Margarida Maria Alves, em Juarez Távora, também na região do Agreste.
O transporte do algodão do Assentamento Campos para a miniusina do Assentamento Margarida Maria Alves é feito pela Organic Cotton Colours, que também é responsável pela sacaria, pelo beneficiamento e pelo pagamento dos impostos.
As plumas de algodão são transformadas em tecidos usados na confecção de roupas, toalhas e lençóis. Os agricultores ficam com todas as sementes do cultivo para replantar ou para alimentar os animais. Cada família tem seu próprio banco de sementes.
Além de não usar agrotóxicos, que contaminam o solo e as águas, a cultura do algodão orgânico colorido contribui ainda com a redução da quantidade de resíduos industriais resultantes do tingimento dos tecidos fabricados a partir do algodão, gerando uma economia de água no processo industrial de acabamento da malha e reduzindo a agressão ao meio ambiente e o risco de alergias.
De acordo com Sílvio Moraes, apenas 0,1% do algodão brasileiro é produzido de forma orgânica. “Embora as plantações de algodão convencional representem apenas 4% da produção agrícola mundial, elas são responsáveis pelo consumo de cerca de 25% da produção de agrotóxicos do mundo”, afirmou.
Ele disse ainda que, atualmente, a região do Cerrado brasileiro é a maior produtora de algodão no Brasil. O algodão produzido no Centro-Oeste é, segundo ele, cultivado por grandes produtores, que utilizam agrotóxicos em larga escala para manter as plantações livres das pragas.
“Nosso grande desafio é aumentar o número de produtores orgânicos. Daí o grande potencial dos assentamentos da reforma agrária, onde os agricultores já estão reunidos em grupos”, afirmou Sílvio Moraes.
Visitantes do exterior
A produção de algodão orgânico colorido do Assentamento Campos e de outras áreas da reforma agrária na Paraíba, como o Assentamento Margarida Maria Alves, em Juarez Távora, também na região do Agreste, vem chamando a atenção de entidades do Brasil e do exterior. A maior parte dos visistantes chega à comunidade através da Organic Cotton Colours.
“O nosso objetivo é fortalecer a agricultura familiar e a agroecologia. Por isso, cada família só planta no máximo dois hectares de algodão. Queremos manter a diversidade da agricultura familiar”, afirmou Diógenes Fernandes.
Em 2016, o Assentamento Campos recebeu a visita de 40 empresários do Peru. O assentamento também já recebeu visitas de pessoas de outros estados brasileiros, como a Bahia, e de países como a Holanda e o Japão.
“Desde quando as plantas começam a crescer até a colheita, que acontece a partir de agosto, quase todo dia tem gente aqui, querendo conhecer os campos de algodão”, contou João Lourenço.
A Fazenda Campos foi transformada em área de reforma agrária 1998 pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária na Paraíba (Incra/PB). O Assentamento Campos possui aproximadamente 3.571 hectares, onde vivem e produzem 130 famílias de trabalhadores rurais, que se dedicam principalmente, além do plantio do algodão, ao plantio de feijão, milho, fava, batata-doce e macaxeira, ao cultivo de hortaliças e à criação de animais de pequeno porte, como cabras e galinhas.
Assessoria/INCRA



Mais Lidas

Topo