Conecte-se conosco

Saúde

Falta de nutricionista dificulta cumprimento de lei sobre merenda diferenciada

Publicados

em

A falta de nutricionistas é o principal empecilho para que escolas ofereçam merenda adequada a estudantes com restrições alimentares, segundo dados do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Leipublicada quinta-feira (29) no Diário Oficial da União dá prazo de 90 dias para que todas as escolas passem a atender às demandas nutricionais diferenciadas.

“A maior preocupação, o ponto crítico é: tem nutricionista? Todo município tem a quantidade adequada, conforme pede resolução que estipula a quantidade mínima por aluno? A resposta é não”, diz o coordenador substituto de Educação e Controle Social do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), Leomir Araujo. Segundo ele, pelo menos 20% do país não está preparado para receber “de forma mínima, quanto mais de forma ideal” a lei.

Pelos dados do FNDE, até 2011, 79% dos municípios tinham nutricionistas cadastrados no Pnae, mas nem sempre em condições adequadas. Ribeirão Corrente (SP) é uma das cidades que têm nutricionista, mas apenas um profissional é responsável por atender às demandas de educação e de saúde. Por resolução do Conselho Federal de Nutricionistas, um profissional deve atender a até 500 alunos. Em Ribeirão Corrente, ele atende a mil estudantes, segundo o secretário de Educação do município, Rodrigo Oliveira.

“Mesmo assim, como somos um município pequeno, temos três ou quatro alunos com restrições alimentares. Eles recebem alimentação separada”, diz o secretário.

Em Breu Branco (PA), a situação é mais preocupante. Segundo a secretária de Educação do município, Melânia Mezzomo, um nutricionista dá conta de 13,2 mil estudantes. Ela diz que, na cidade, o Ministério Público pressiona para que não se ultrapasse os limites da Lei de Responsabilidade Fiscal, segundo a qual a despesa com pessoal não pode ser maior que 60% da receita corrente líquida nos estados e municípios. “Não podemos contratar, não temos concursados e na cidade há dificuldade de encontrar profissionais capacitados”, diz Melânia.

Perguntada se vai conseguir cumprir a nova lei, ela responde: “Não vai ter como atender. Faz o quê? Milagre”. Leomir Araujo explica que a lei não prevê punições, mas ainda deve ser regulamentada e pode haver punição para quem não cumprir a adequação. A alimentação deve atender aos alunso que necessitem de atenção nutricional individualizada em virtude de estado ou de condição de saúde específica. Um cardápio especial deverá ser elaborado com base em recomendações médicas e nutricionais, avaliação nutricional e demandas nutricionais diferenciadas.

Para quem tem filhos nessas condições, a lei é garantia de que as crianças e adolescentes vão ter acesso à alimentação adequada. A professora do departamento de nutrição da Universidade de Brasília Raquel Botelho é mãe de Henrique, alérgico a leite. Hoje, ele está no segundo ano do ensino fundamental. Até o ano passado, ele frequentava escola pública e a mãe tinha que mandar o alimento de casa.

A preocupação, diz a professora, é que muitos pais não têm condições de mandar o alimento de casa. Raquel explica que a presença do nutricionista nesse processo é fundamental. É ele que vai orientar também aqueles que preparam a comida. “Não adianta colocar no cardápio um bolo sem açúcar para atender aos diabéticos se o cozinheiro ou merendeiro nunca fez um bolo sem açúcar, não sabe o que pode substituir”.

 

Agência Brasil

Avalie esta postagem
Apoio
Comentários

Saúde

Ministério da Saúde prepara campanha de vacinação contra sarampo

Publicados

em

Foto: Divulgação / Agência Brasil

O Ministério da Saúde está preparando uma campanha de vacinação contra o sarampo, que deverá ser iniciada em todo o país no dia 10 de junho. A informação foi confirmada pelo próprio ministério.

Neste ano, o ministério já confirmou 83 casos de sarampo no país, sendo 43 deles no Pará, 27 em São Paulo, quatro no Amazonas, três em Santa Catarina, três em Minas Gerais, dois no Rio de Janeiro e um em Roraima. Deste total, 27 são autóctones e todos eles de residentes no Pará. Os demais casos foram importados de outro país ou ainda não foi possível identificar a fonte de infecção. De janeiro a maio do ano passado, o ministério havia notificado 117 casos de sarampo no país, com dois óbitos.

Dos casos importados, 19 deles ocorreram em um surto da doença dentro de um navio de cruzeiro em Santos, no litoral paulista. O mesmo navio também provocou três casos de sarampo em Santa Catarina e um caso no Rio de Janeiro.

O sarampo

O sarampo é uma doença infecciosa, viral e contagiosa, transmitida pela fala, tosse e espirro. Os sintomas da doença são febre alta [acima de 38,5º C], tosse, coriza, conjuntivite e manchas avermelhadas na pele e brancas na mucosa bucal. A vacinação é a única maneira de prevenir a doença. A vacina que protege contra a doença é a tríplice viral, que também protege contra caxumba e rubéola.

As complicações mais comuns do sarampo são infecções respiratórias, otites, doenças diarreicas e doenças neurológicas. As complicações do sarampo podem deixar sequelas, tais como a diminuição da capacidade mental, a cegueira, a surdez e o retardo do crescimento. O agravamento da doença pode levar à morte de crianças e adultos.

Em 2016, o Brasil recebeu da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), o certificado de eliminação da circulação do vírus do sarampo. Em março deste ano, no entanto, o Ministério da Saúde confirmou à Opas um caso de sarampo endêmico ocorrido no Pará, no mês de fevereiro. Com isso, o Brasil perderá a certificação de país livre da doença e precisará iniciar um plano para retomar o título dentro de 12 meses.

Segundo o ministério, o governo federal estabeleceu a cobertura vacinal como meta prioritária da gestão de saúde no país. Nessa agenda de prioridades, o ministério lançou, em abril, o Movimento Vacina Brasil, buscando reverter o quadro de queda das coberturas vacinais no país dos últimos anos.

Fonte: Agência Brasil

Avalie esta postagem
Continue lendo

Saúde

Senado aprova fim de carência de planos de saúde para emergência

Publicados

em

Medida ainda depende da Câmara dos Deputados.

Casos de urgência e emergência de beneficiários de planos de saúde podem ficar fora dos prazos de carência. A mudança está prevista no Projeto de Lei do Senado (PLS) 502/2017, aprovado na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) nesta quarta-feira (15). A iniciativa, da senadora Rose de Freitas (Pode-ES), também reduz para 120 dias o período de carência nas internações hospitalares.

Hoje a legislação define prazo de carência de 24 horas, para atendimentos de urgência e emergência; 300 dias, para parto; e 180 dias, para cirurgias. Apesar dos argumentos das operadoras de que a fixação de períodos de carência proteja as operadoras contra eventuais abusos e fraudes do consumidor, Rose argumenta que essa regra não pode inviabilizar o atendimento de saúde em circunstâncias excepcionais e imprevisíveis, que exijam solução imediata.

O relator, senador Mecias de Jesus (PRB-RR), considerou injustificável o plano de saúde não cobrir um problema de saúde que surja nas primeiras 24 horas do contrato e exija pronta intervenção médica.

“Retirar esse direito do usuário consumidor seria colocar em risco sua vida ou incolumidade física. Evidentemente, não se trata de permitir fraudes ao plano de saúde, que, no momento da contratação, poderá verificar se o potencial consumidor está em situação de urgência ou emergência previamente constituída”, explicou.

Como foi aprovado em caráter terminativo, caso não haja recurso da decisão da CAS, o projeto seguirá direto para a Câmara dos Deputados.

 

Agência Brasil

 

Avalie esta postagem
Continue lendo

Saúde

Maternidade: Mulher precisa de no mínimo sete consultas ao longo da gestação

Publicados

em

A indicação do “positivo” em um exame que identifica a gestação traz uma série de mudanças para vida de uma família e, principalmente, para vida da mulher que durante nove meses de gestação estará formando um novo ser dentro de si. Diante desse cenário, vale ressaltar que o que a futura mamãe faz ou deixa de fazer durante este período tem um grande impacto na saúde do bebê. Por isso, é importante que a mulher passe por um acompanhamento que estabeleça cuidados com a alimentação, pele, exames e consultas de rotina.

Alexandre Almeida

Tudo isso é garantido por meio do pré-natal que, conforme explica o coordenador da Neonatologia e Pediatra do Hospital Hapvida, em João Pessoa, Alexandre Almeida, nada mais é que “uma assistência médica, de enfermagem e muitas vezes multidisciplinar, prestada a gestantes durante os nove meses de gestação, visando o monitoramento e cuidado da saúde da mãe e do bebê”. O Ministério da Saúde recomenda no mínimo sete consultas ao longo dos nove meses de gestação para que assim se obtenha um pré-natal adequado.

De acordo com o Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM), divulgado em 2018 pela Federação Estadual de Indústrias, um terço das gestantes brasileiras que tiveram bebê em 2016 não teve acesso ao pré-natal adequado. Esse número equivale a 1 milhão dos partos realizados naquele ano.

Diante desses números, o neonatologista explica que o pré-natal precisa ser iniciado a partir do descobrimento da gravidez. “A realização do pré-natal é indispensável para que haja um monitoramento da saúde, para informações, prevenção e tratamento de possíveis doenças. Além disso, é fundamental para os cuidados com a mãe e o bebê”, afirma o médico.

Apesar de os cuidados serem, de certo modo, simples, o médico alerta que a mulher que deixa de realizar o pré-natal está sujeita a viver as consequências dessa falta de rotina médica que vai desde a falta de informações importantes a graves doenças. “A gestante que deixa de fazer o pré-natal pode sofrer com a falta de informação adequada, perda de monitoramento e intervenção precoce nos problemas, agravo de doenças preexistente, falta de vacinação, não prevenção de doenças, trabalho de parto prematuro, transmissão vertical de doenças e riscos de graves problemas para gestantes e bebês”, finaliza o médico.

Exames – O coordenador de neonatologia elenca alguns dos exames que são imprescindíveis para a fase do pré-natal. “A lista é grande, mas basicamente temos exames como hemograma, glicemia, tipagem sanguínea, sorologias, ultrassonografias, sumário de urina, urocultura, exame de fezes, bacterioscopia e citologia oncótica. Porém, como nenhuma gestação é um padrão existem alguns exames que se tornam específicos de acordo com o histórico de cada gestante”, ressalta Alexandre.

Além dos exames de rotina, as gestantes precisam estar atentas à qualidade da alimentação ingerida nessa fase. “Comer saudável é a regra, observando uma dieta que promova a curva de ganho de peso adequado para mãe e o feto. Suplementação de vitamina e dieta balanceada são ajustadas por médico, enfermeiros e nutricionistas. Lembrando que é preciso evitar o consumo de álcool”, alerta o especialista.

Cuidados com a pele – Os cuidados devem ser estendidos também com a pele. Afinal, essa é uma fase em que a aparência física da mulher muda bastante. Nesse contexto o médico explica que um aliado das gestantes deve ser o protetor solar. “Ele serve para evitar e prevenir manchas na pele e melasma, tão comuns no período gestacional”, explica Alexandre.

Outros cuidados com a pele são os que têm o intuito de prevenir estrias, celulites e varizes. Nesse quesito, a recomendação é buscar manter o peso adequado. Exercícios físicos só devem ser praticados sob recomendação médica e o uso de hidratantes e limpeza de pele são liberados. Porém, alguns tratamentos para cabelo podem ser contraindicados por obstetras.

Assessoria

Avalie esta postagem
Continue lendo
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio

Mais Lidas