Conecte-se conosco

Saúde

Doenças erradicadas voltam a assustar; veja os desafios da vacinação

Publicados

em

Doenças já erradicadas no Brasil voltaram a ser motivo de preocupação entre autoridades sanitárias e profissionais de saúde. Baixas coberturas vacinais, de acordo com o próprio Ministério da Saúde, acendem “uma luz vermelha” no país. No Amazonas e em Roraima, com o surto de sarampo, há cerca de 500 casos confirmados e mais de 1,5 mil em investigação. No outro extremo do país, o Rio Grande do Sul também confirmou seis casos da doença este ano. Em 2016, o Brasil recebeu da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) o certificado de eliminação da circulação do vírus.

Em junho, países do Mercosul fizeram um acordo para evitar a reintrodução de doenças já eliminadas na região das Américas, incluindo o sarampo, a poliomielite e a rubéola. Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai e Chile se comprometeram a reforçar ações de saúde nas fronteiras e a fornecer assistência aos migrantes numa tentativa de manter baixa a transmissão de casos. No último dia 8, a Opas enviou alerta aos países após a detecção de um caso da doença na Venezuela. Dados do governo federal mostram que 312 municípios brasileiros estão com cobertura vacinal contra pólio abaixo de 50%.

A OMS destaca que o o índice de imunização da segunda dose da vacina contra o sarampo na Europa é de menos de 95%
A cobertura vacinal contra pólio está abaixo de 50% em 312 municípios OMS/ONU/Divulgação

O grupo de doenças pode voltar a circular no Brasil caso a cobertura vacinal, sobretudo entre crianças, não aumente. O alerta é da Sociedade Brasileira de Imunizações (Sbim), que defende uma taxa de imunização de 95% do público-alvo. Em entrevista à Agência Brasil, a presidente da entidade, Isabella Ballalai, explicou que uma série de fatores compromete o sucesso da imunização no país, incluindo a falta de conhecimento sobre  de doenças consideradas erradicadas, a divulgação de fake news via redes sociais e os horários limitados de funcionamento de postos de saúde.

Agência Brasil: Quais os desafios da vacinação no Brasil atualmente?
Isabella Ballalai: Estamos falando de doenças como sarampo, pólio, difteria e tétano. São vacinas básicas, mas que, muitas vezes, as pessoas acabam negligenciando. Não vacinam, atrasam, dizem “depois eu vou”. Juntamos isso com a não valorização dessas doenças, consideradas extintas e que, portanto, não se vê por aí. Juntamos também o dia a dia mesmo. Os postos de saúde no Brasil, em sua maioria, abrem de segunda a sexta e fecham para almoço. As famílias estão trabalhando. Isso tudo impacta na adesão.

Agência Brasil: Houve muita procura por vacina após os casos de febre amarela detectados no Brasil. Como isso se encaixa nesse contexto?
Isabella Ballalai: Com febre a amarela, a gente viveu uma situação diferente. Minas Gerais sempre foi área de vacinação rotineira – antes mesmo dessa epidemia. É preciso reforçar que não foi surto, foi uma epidemia. E, se as pessoas não se vacinarem, em dezembro agora, começa tudo de novo. Tínhamos baixa cobertura. As crianças até estavam vacinadas, mas os adultos não estavam. Aí, surge o desafio de fazer o adulto entender que ele também precisa tomar vacina. Por que não conseguimos vacinar todo mundo? Em época de epidemia, temos corre-corre, fila, discussão. De repente, com o fim dos casos, sumiu todo mundo. Sendo que pelo menos metade da população ficou sem se vacinar.

Agência Brasil: Como resumir os desafios da vacinação no Brasil?
Isabella Ballalai: A dificuldade de imunização no país é multifatorial – depende do tipo de vacina, da faixa etária em questão. Entre 20% a 30% dos adolescentes, por exemplo, se vacinaram contra a meningite. Só. As pessoas não imaginam a dificuldade que é levar um adolescente a uma sala de vacinação. No geral, o que a gente percebe é que, quando o povo tem medo da doença, procura a vacina. Brasileiro não tem medo da vacina, tem medo da doença. E só procura a vacina quando tem surto na televisão. Um exemplo foi a epidemia de gripe em 2016. Tínhamos filas de seis horas em clínicas privadas. A meta de vacinação ficou acima do necessário, passou de 100%. O que aconteceu com aquele mito de que as pessoas não se vacinam porque têm medo de pegar gripe? As pessoas tiveram medo da doença, viram a doença, acreditaram na doença.

Agência Brasil: Por que é tão difícil tratar da prevenção de doenças?
Isabella Ballalai: Já perdi as contas de quantas vezes vi pais de família que vacinam seus filhos e não se vacinam. Prevenção é uma coisa complicada. No tempo em que usar cinto de segurança não era obrigatório, a pessoa só usava quando perdia alguém em um acidente de trânsito. É mais ou menos isso que acontece com as vacinas. E olha que é prevista a obrigatoriedade da imunização no Estatuto da Criança e do Adolescente. É direito da criança e do adolescente a vacina. Os pais são provedores, não podem negar esse direito. Mas é complexo. Temos um cenário de grande evasão escolar no Brasil. A escola, por exemplo, não vai impedir uma criança de estudar porque não está com as vacinas em dia. Pode denunciar no conselho tutelar, mas impedir não vai. É um cenário bem diferente da realidade norte-americana. Os Estados Unidos não têm problema de evasão escolar e proíbem a criança de frequentar a escola se não estiver com as vacinas em dia.

Agência Brasil: Outros países também enfrentam dificuldades na imunização. Há similaridades com o cenário no Brasil?
Isabella Ballalai: Europa e América do Norte têm problemas graves de cobertura vacinal. São taxas que ficam em torno de 30% a 40% do público-alvo. Um problemão. Quando a gente fala de baixa cobertura vacinal no Brasil, é algo em torno de 70% a 80%. Parece bom quando comparado à realidade de outros países. Mas, para manter as doenças erradicadas, a gente precisa atingir nossas metas. E, especificamente entre menores de 1 ou 2 anos, a meta é 95% de cobertura vacinal. Funciona assim: tivemos, recentemente, casos de sarampo em Porto Alegre. Uma jovem não vacinada pegou a doença em Manaus. Se ela, mesmo não vacinada, tivesse ido a Manaus e encontrado crianças vacinadas, não teríamos o surto que tivemos no Sul. É o que chamamos de proteção coletiva. Cobertura vacinal é sinônimo de ação coletiva. E as pessoas estão cada vez mais individualizadas para se engajar numa ação coletiva.

Agência Brasil

Avalie esta postagem
Apoio

Cidades

Fogueiras e fogos de artifício podem prejudicar a visão

Publicados

em

Os cuidados devem ser redobrados ao assistir os fogos de artifício.

A temporada de festas juninas traz, além de música caipira, comidas e bebidas típicas, muita fogueira e fogos de artifício. Não há quem não goste de apreciar os espetáculos pirotécnicos ou de se esquentar na beira da fogueira. No entanto, brincar com fogo exige cuidados para evitar acidentes graves, não só com queimaduras no corpo, como também na região dos olhos. As informações são do Portal Correio.

“A irritação por causa da fumaça pode desenvolver uma conjuntivite ou, em casos mais graves, uma ceratite”, explica o oftalmologista Hilton Medeiros (FOTO), da Clínica de Olhos Dr. João Eugênio. Segundo o médico, não é recomendado ficar muito próximo das fogueiras nem olhar fixamente para o fogo por longo tempo.

Os cuidados devem ser redobrados ao assistir os fogos de artifício, pois os fragmentos liberados durante as explosões podem perfurar o globo ocular, causando transtornos oculares ou comprometimento da visão. “Quando o dano ocorre nas pálpebras, pode haver deformidades sérias, com retração, perda de tecido e ressecamento, comprometendo a superfície ocular”, explica o especialista.

Casos mais graves

Mesmo queimaduras leves podem atingir a córnea e causar a diminuição da sua transparência, comprometendo seriamente a visão. Casos mais graves, com opacidade total da córnea, podem resultar em cegueira e, em algumas situações, é necessário fazer o transplante da córnea para restabelecer a visão.

Se a pólvora entrar em contato com os olhos, a orientação é lavar abundantemente com água corrente ou soro fisiológico sem esfregar. Não utilize colírio ou pomada por conta própria, muito menos coloque gelo no local afetado. Óculos de sol ou de grau e lentes de contato não protegem os olhos dos fogos de artifício, ao contrário, costumam agravar a situação.

Todos os casos que envolvem queimadura ocular precisam ser analisados e tratados por um especialista, pois a área é muito sensível e requer cuidados imediatos.

Fonte: Pbvale

Avalie esta postagem
Continue lendo

Saúde

Acaba exigência de reavaliação pericial a aposentados por HIV/Aids

Publicados

em

Pedro França/Agência Senado

Portadores de HIV/Aids aposentados por invalidez estão dispensados de reavaliação pericial. A regra está prevista na Lei 13.847, publicada nesta sexta-feira (21) no Diário Oficial da União.

A norma foi promulgada pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, depois que o Congresso rejeitou, no dia 11 de junho de 2019, o veto total (VET 11/2019) ao Projeto de Lei do Senado (PLS) 188/2017, aprovado em abril.

O texto foi proposto pela Articulação Nacional de Saúde e Direitos Humanos, uma entidade que luta por direitos das pessoas que vivem com HIV/Aids. Apresentado pelo senador Paulo Paim (PT-RS), o projeto foi aprovado na forma de um substitutivo do senador Romário (Podemos-RJ).

O argumento da proposta é de que que a pessoa aposentada por invalidez já passou por diversos períodos de auxílio-doença, o que atesta a degradação de sua saúde e a irreversibilidade dessa condição.

Agência Senado

Avalie esta postagem
Continue lendo

Saúde

Hemocentro altera horário de atendimento aos doadores de sangue no feriadão

Publicados

em

O Hemocentro da Paraíba vai alterar o horário de atendimento aos doadores de sangue nos feriados de Corpus Christi e de São João.  Nesta quinta-feira (20), feriado de Corpus Christi, não haverá atendimento ao doador de sangue. Na sexta-feira (21), a instituição retomará as atividades normais, das 7h até as 17h30, e no sábado (22), das 7h às 17h. Já no São João, o Hemocentro estará fechado na segunda-feira (24), devido ao feriado local, e voltará às atividades normais na terça-feira (25).

Para doar sangue é preciso atender critérios estabelecidos pelo Ministério da Saúde. Podem fazer a doação pessoas que estejam em boas condições de saúde, com idade entre 16 a 69 anos, sendo que o limite de idade para a primeira doação é de 60 anos e doadores com idade de 16 a 17 anos precisam estar acompanhados do responsável legal (pai ou mãe).

Também é necessário pesar acima de 50 kg; ter repousado no mínimo 6 horas na noite antes da doação; e estar bem alimentado, evitando alimentos gordurosos nas 3 horas que antecedem a doação; outros critérios serão avaliados pela equipe da triagem clínica.

No dia da doação também é preciso apresentar um documento original com foto, emitido por órgão oficial, sendo aceito a carteira de identidade (RG), carteira profissional e carteira de motorista.

A coordenadora de Ações Estratégicas do Hemocentro da Paraíba, Elaine Farias de Santana, lembra a importância da doação regular de sangue. “Precisamos que as pessoas contribuam fazendo sua doação periodicamente. Homens podem doar até 4 vezes no ano, respeitando o intervalo mínimo de 60 dias entre as doações e as mulheres podem doar até 3 vezes ao ano, com intervalo de pelo menos 90 dias”, ressaltou.

Ela explica ainda que o Hemocentro garante os estoques de sangue de mais de 30 unidades de saúde de João Pessoa e região Metropolitana. O sangue é essencial para os atendimentos de urgência, realização de cirurgias de grande porte e tratamento de pessoas com doenças crônicas, como a Doença Falciforme e a Talassemia, além de doenças oncológicas variadas que, frequentemente, necessitam de transfusão. Apenas uma doação pode beneficiar até quatro pessoas.

Confira o cronograma de funcionamento do Hemocentro

•    DIA: 20/06 (quinta-feira): FECHADO
•    DIA: 21/06 (sexta-feira): Das 7h às 17h30
•    DIA: 22/06 (sábado): Das 7h às 17h
•    DIA: 24/06 (segunda-feira): FECHADO

Fonte: Secom-PB

Avalie esta postagem
Continue lendo
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio

Mais Lidas