Conecte-se conosco

Educação

Enem: bom uso do português será diferencial na redação, diz professor

Foto: Ilustração

Publicados

em

A prova de redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deverá ser mais exigente este ano, e os estudantes deverão estar atentos, sobretudo ao uso da língua portuguesa, segundo o coordenador pedagógico do Vetor Vestibulares, Rubens César Carnevale, que foi corretor da redação do Enem por três anos seguidos, de 2014 a 2016.

“O que aparece na correção do Enem é a gramática instrumental. O aluno tem que ser usuário do idioma. Não precisa ser especialista, não tem que saber nomenclatura, mas tem que saber usar”, diz.

Neste domingo (4), os 5,5 milhões inscritos no Enem farão as provas de linguagem, ciências humanas e redação. Terão para isso, o tempo de 5 horas e 30 minutos. O Enem continua no dia 11 de novembro, com as provas de ciências da natureza e matemática.

O rigor da correção, segundo o professor, tem aumentado a cada ano. Em 2018, a previsão é que os corretores estejam mais exigentes, principalmente em relação ao uso da língua portuguesa. Pelo menos duas competências das cinco avaliadas no Enem cobram explicitamente o idioma.

“O Enem tem aperfeiçoado o método de correção. Não tem mais a expectativa de que aconteça o que ocorreu há quatro anos, quando alunos colocavam receitas ou hinos e tiravam nota. A expectativa não é mais essa. O treinamento dos corretores está mais rigoroso. Vai ter treinamento depois da prova. Isso é feito em todas as bancas de vestibular”, afirmou.

Para ir bem na prova, o professor dá algumas dicas, como fazer um rascunho com os principais tópicos que pretende abordar no texto. Além disso, dar atenção ao primeiro parágrafo porque ele vai definir o estilo e a linha de discurso: “O melhor é já causar uma boa primeira impressão”.

Se o tema for polêmico, Carnevale recomenda que os estudantes coloquem a visão contrária para que o avaliador entenda que o autor da dissertação compreende o panorama completo. Apesar disso, ressalta: “O texto deve ter uma conclusão clara e, embora seja possível listar outros pontos de vista na redação, não deve haver dúvida sobre a mensagem que o autor do texto pretende passar”.

Na proposta de intervenção, exigida no texto, o estudante deve deixar claro alguns elementos, primeiro, o agente, que é quem vai tomar a medida; a ação necessária; depois o meio para que seja executada e a finalidade da intervenção. Desde o ano passado, desrespeito aos direitos humanos não é mais motivo para zerar a redação inteira, mas, ainda poderá zerar uma das competências, resultando em perda de 200 pontos.

Capacitação

Em 2018, a correção será de responsabilidade da Fundação Getúlio Vargas (FGV). O preparo dos corretores começou em agosto. Segundo a FGV, todos os supervisores e avaliadores de redação do Enem passaram por uma capacitação a distância por cerca de um mês. A seleção dos melhores foi baseada em uma série de avaliações realizadas ao longo desse curso.

Além da capacitação a distância, os avaliadores também participarão, nos dias 24 e 25 de novembro, de uma capacitação presencial. Antes do início da correção efetiva, eles passam ainda por um pré-teste.

Durante a correção efetiva, que começará no dia 28 de novembro, os supervisores e coordenadores acompanham diariamente o desempenho dos avaliadores por meio de relatórios gerados pelo software de correção, com números em tempo real, para que os alinhamentos ocorram de forma rápida, sem prejuízos aos participantes.

Correção

Os textos serão avaliados por, pelo menos, dois professores, sem que um conheça a nota atribuída pelo outro. A redação será avaliada considerando-se cinco competências. Para cada uma delas, os avaliadores darão uma nota de 0 a 200. A soma desses pontos comporá a nota total de cada avaliador, que pode chegar a 1 mil pontos.

A nota final do participante será a média aritmética das notas totais atribuídas pelos dois avaliadores.

Caso as notas atribuídas individualmente pelos avaliadores tiverem uma diferença de mais de 100 pontos, ou a nota de qualquer uma das competências tiver uma diferença de mais de 80 pontos, a redação passará por um terceiro avaliador. Nesse caso, a nota final será a média aritmética das duas notas totais que mais se aproximarem.

Se a diferença continuar depois da terceira avaliação, a redação será avaliada por uma banca presencial composta por três professores, que atribuirá a nota final do participante.

Competências

As competências avaliadas nas redações são:

Competência 1: Demonstrar domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa. Competência 2: Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo em prosa.

Competência 3: Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.

Competência 4: Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.

Competência 5: Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado que respeite os direitos humanos.

Redação nota zero

As redações do Enem receberão a nota zero nos seguintes casos:

Fuga total ao tema;

Não obediência à estrutura dissertativo-argumentativa;

Caso tenham até sete linhas, tamanho considerado insuficiente;

Cópia integral de um ou mais textos motivadores da Proposta de Redação e/ou de textos motivadores apresentados no Caderno de Questões;

Impropérios, desenhos e outras formas propositais de anulação, tais como números ou sinais gráficos fora do texto;

Parte deliberadamente desconectada do tema proposto;

Assinatura, nome, apelido ou rubrica fora do local devidamente designado para a assinatura do participante;

Texto predominantemente em língua estrangeira;

Folha de redação em branco, mesmo que haja texto escrito na folha de rascunho.

Mais detalhes e exemplos de redações de edições anteriores podem ser acessadas na Cartilha do Participante.

Fonte: Agência Brasil

Enem: bom uso do português será diferencial na redação, diz professor
Avalie esta postagem
Apoio

Cidades

Em Guarabira: Campus do IFPB divulga edital de convocação da 2ª chamada da lista de espera

Publicados

em

Foto: Divulgação

A Diretoria de Desenvolvimento de Ensino do IFPB – Campus Guarabira, de acordo com as disposições da legislação em vigor faz saber as condições para manifestação de interesse em matrícula dos candidatos pré-classificados por meio da Lista de Espera do Sistema de Seleção Unificada – SiSU 2019.

Ficam convocados os candidatos selecionados nas vagas dos cursos superiores presenciais do IFPB, através dessa chamada, para efetuarem manifestação de interesse em matrícula de acordo com as regras e o cronograma exposto a seguir, tomando-se por base os candidatos inscritos na Lista de Espera do SiSU/MEC.

A matrícula deverá ser realizada obrigatoriamente no Campus ofertante do curso no qual o candidato foi classificado, exclusivamente para o curso/turno escolhido no ato da inscrição.

O(s) candidato(s) convocado(s) deverá (ão) preencher, eletronicamente, todos os itens do Formulário de Pré-matrícula eletrônico através do Portal do Estudante do IFPB e disponível no seguinte endereço eletrônico: https://estudante.ifpb.edu.br/login/ e ao final do preenchimento dos formulários, o candidato será direcionado para impressão o Formulário de Pré-matrícula, para em seguida realizar a entrega da documentação exigida durante o cronograma estipulado neste Edital.

A pré-matrícula ocorrerá dias 08 e 09 de abril de 2019. A confirmação de matrícula está prevista para o dia 16 de abril de 2019.

A relação com os convocados pode ser acessada por meio do link:  https://estudante.ifpb.edu.br/processoseletivo/etapa/411/campus/19/curso/29/

O edital com todas as informações sobre essa convocação pode ser acessado aqui.

Fonte: Portal 25 Horas

Em Guarabira: Campus do IFPB divulga edital de convocação da 2ª chamada da lista de espera
Avalie esta postagem
Continue lendo

Educação

Caravana CoRI 2019 inicia apresentação de ações de internacionalização da UEPB no Câmpus III

Publicados

em

Como parte dos projetos de integração com os alunos e democratização dos serviços oferecidos, a Coordenadoria de Relações Internacionais (CoRI) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) dará início, no dia 1º de abril, às atividades da Caravana CoRI 2019, com visitas a cada câmpus da Instituição. A primeira parada será no Câmpus de Guarabira, onde a Caravana divulgará o calendário de atividades da Coordenadoria para este ano, esclarecendo sobre as oportunidades de internacionalização, bolsas de mobilidade, cursos de idiomas e exames de certificação ofertados.

Estudantes egressos, que já participaram de intercâmbios, também participam da Caravana para que possam fornecer seus relatos, compartilhar experiências e tirar dúvidas dos graduandos. A conversa serve para despertar o interesse dos estudantes e torná-los mais sensíveis e espertos para o exterior e apresentar todas as oportunidades, como os convênios bilaterais, cursos de idiomas, exames de certificação e os editais de mobilidade. Dentre as oportunidades, a CoRI está com o edital do Programa de Mobilidade Internacional (PROMIN) aberto, com total financiamento da Instituição, no qual há vagas específicas para alunos do Centro de Humanidades (CH). As inscrições se encerram no dia 20 de abril.

A Caravana CoRI seguirá com seu cronograma de visitas no dia 2 de abril, no Câmpus de Araruna, no turno da tarde; e no Câmpus de Campina Grande, no dia 4, nos turnos manhã e noite. As datas das visitas nos demais câmpus da UEPB serão confirmadas posteriormente. Outras informações sobre a CoRI e os programas oferecidos podem ser conferidas através das redes sociais Instagram (https://www.instagram.com/cori_uepb/), Facebook (https://www.facebook.com/cori.uepb), pelo e-mail coriuepb@gmail.com, no site http://coordenadorias.uepb.edu.br/cori/ ou pelo telefone (83) 3315-3415.

Caravana CoRI 2019 inicia apresentação de ações de internacionalização da UEPB no Câmpus III
Avalie esta postagem
Continue lendo

Cidades

UEPB Guarabira promove evento para marcar o “Ano Cultural Jackson do Pandeiro”

Publicados

em

Em homenagem ao centenário do “Rei do Ritmo”, comemorado este ano, o Centro de Humanidades (CH) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), localizado no Câmpus III, em Guarabira, realiza no dia 11 de março a acolhida aos feras e adere ao Ano Cultural Jackson do Pandeiro em evento intitulado “O CH no Ritmo Jackson do Pandeiro”.

O evento, organizado pelo Núcleo de Estudos e Pesquisas Afro-Brasileiros e Indígenas (NEABI-Guarabira), Centros Acadêmicos (CAs) e Biblioteca Setorial, contará com palestras, exibição de vídeos e atividades artísticas. Nos períodos da manhã e da noite serão feitas apresentações de pesquisas sob o título “Jackson e a mulher negra” com a graduanda em História, Maria do Carmo da Silva, e as professoras Ivonildes da Silva Fonseca e Flaviana Barbosa.

Na parte da tarde, o doutorando Daniel de Oliveira e o professor Waldeci Ferreira Chagas abordarão a religiosidade e a educação em uma mesa denominada “Jackson do Pandeiro, Educação e Umbanda”. No decorrer do evento será declamado cordel “Centenário de Jackson do Pandeiro”, pelo professor e poeta Vicente Barbosa, performance de Isaías Vicente, exibição de vídeos.

A gastronomia afro-brasileira, especialmente o acarajé, poderá ser degustada ao longo das atividades. A exposição visual “Jackson do Pandeiro: 100 Anos do Rei do Ritmo”, localizada no hall do Auditório, organizada pela Biblioteca Setorial, trará matérias jornalísticas, fotografias, livros e outros materiais concernentes ao artista paraibano.

Confira a programação completa clicando AQUI.

 

Por Severino Lopes/Ascom/UEPB

UEPB Guarabira promove evento para marcar o “Ano Cultural Jackson do Pandeiro”
Avalie esta postagem
Continue lendo
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio

Mais Lidas