Conecte-se conosco

Cidades

Paraíba teve maior volume de chuvas dos últimos 5 anos em 2018, diz Aesa

Foto: Ilustração

Publicados

em

O volume de chuvas registrado na Paraíba em 2018 foi o maior dos últimos 5 anos, segundo os dados da Agência Executiva de Gestão das Águas da Paraíba (Aesa). Segundo os dados divulgados, em 2018 as chuvas somaram 154,8 mil milímetros. Esse foi o maior volume desde 2014, quando foram registrados 164,3 mil milímetros.

No ranking dos últimos 10 anos, o ano de 2018 ficou na 4ª posição. Nessa última década, os anos com maiores volumes foram: 1º 2011; 2º 2009; e 3 º 2014. Ainda nesses últimos 10 anos acompanhados pela Aesa, 2012 foi que teve menos chuvas.

O cálculo feito pelo G1 soma o total de chuvas de todas as estações monitoradas pela Aesa nos 223 municípios da Paraíba.

Segundo a meteorologista da Aesa, Marle Bandeira, a grande variação registrada nos volumes de chuvas é uma característica do semiárido. “Mais de 80% da Paraíba é comporta de semiárido. Então a variação é muito grande sempre. Isso ocorre tanto de um dia para o outro, como naturalmente entre os anos”, disse ela.

Apesar de a variação ser comum, a meteorologista explica também que existem fenômenos e condições que acabam influenciando nas chuvas. “Tivemos fenômenos como El Ñino, as condições do oceano Atlântico. Por exemplo é importante que no Atlântico Norte esteja mais frio e no Atlântico Sul esteja mais quente. Além de outras condições do Oceano Pacífico. Então é muito complexo pensar em uma “fórmula de chuvas” pra o estado”, explicou Marle.

Ainda de acordo com Marle Bandeira é importante destacar que o volume total de chuvas não indica diretamente que um ano foi mais seco que o outro, tendo em vista, que é importante entender que o estado tem regiões diferentes.

“É comum chover no Litoral, mas no Cariri, por exemplo, as chuvas podem ter volumes menores, mas que são importantes para a população. Se a gente tiver um ano de muitas chuvas no Litoral e no Sertão chover menos, teremos um ano seco. Mas se as chuvas no Sertão forem acima da média e no Litoral ficaram abaixo, teremos um ano bom de chuvas”, disse ela.

Volumes de chuvas na Paraíba na última década (fonte: Aesa)

  • 2009 – 265.125,9
  • 2010 – 154.506
  • 2011 – 275.297,4
  • 2012 – 112.514,7
  • 2013 – 153.503,5
  • 2014 – 164.351,4
  • 2015 – 137.043,1
  • 2016 – 146.106,8
  • 2017 – 148.274
  • 2018 – 154.845,1

Fonte: G1 PB com Aesa

Cidades

Seguro-desemprego é reajustado em 3,43%

Publicados

em

Foto: Divulgação

O empregado demitido sem justa causa terá o seguro-desemprego corrigido em 3,43%, correspondente à inflação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) no ano passado, informou hoje (18) o Ministério da Economia.

A parcela máxima passará de R$ 1.677,74 para R$ 1.735,29. A mínima, que acompanha o valor do salário mínimo, foi reajustada de R$ 954 para R$ 998. Os novos valores serão pagos para as parcelas emitidas a partir de 11 de janeiro e para os novos benefícios.

Atualmente, o trabalhador dispensado sem justa causa pode receber de três a cinco parcelas do seguro-desemprego conforme o tempo trabalhado e o número de pedidos do benefício. A parcela é calculada com base na média das três últimas remunerações do trabalhador antes da demissão. Caso o trabalhador tenha ficado menos que três meses no emprego, o cálculo segue a média do salário em dois meses ou em apenas um mês, dependendo do caso.

Quem ganhava mais que R$ 2.551,96 recebe o valor máximo de R$ 1.735,29. Quem ganha até R$ 1.531,02 tem direito a 80% do salário médio ou ao salário mínimo, prevalecendo o maior valor. Para remunerações de R$ 1.531,03 a R$ 2.551,96, o seguro-desemprego corresponde a R$ 1.224,82 mais 50% do que exceder R$ 1.531,02.

O beneficiário não pode exercer atividade remunerada, informal ou formal, enquanto recebe o seguro. O trabalhador é obrigado a devolver as parcelas recebidas indevidamente, caso saque o benefício e tenha alguma ocupação.

O trabalhador demitido pode pedir o seguro-desemprego pela internet, no portal Emprega Brasil. É necessário ter em mãos as guias entregues pelo ex-empregador ao homologar a demissão, o termo de rescisão, a carteira de trabalho, o extrato do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), a identificação do Programa de Integração Social (PIS) ou do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep), Cadastro de Pessoa Física (CPF) e documento de identificação com foto.

Fonte: Agência Brasil

Continue lendo

Cidades

Moradora do Multirão em Guarabira é encontrada

Publicados

em

Foto: Divulgação

A moradora do bairro Multião em Guarabira, Daniele Félix Gondin de 27 anos, segundo informações, foi encontrada e já está em sua casa com seus familiares. Conforme publicado em matéria anterior ela estava desaparecida há 16 dias e o pai, seu Derivado foi até a delegacia de Polícia Civil para registrar o desaparecimento da filha.

Para saber mais, confira na matéria anterior: https://brejo.com/2019/01/17/guarabirense-esta-desaparecida-ha-mais-de-15-dias-familiares-estao-desesperados/

Continue lendo

Cidades

Detran-PB renova alerta à população sobre falso site do Programa de Habilitação Social

Publicados

em

Foto: Divulgação

O Departamento Estadual de Trânsito (Detran-PB) volta a alertar a população sobre a continuidade do golpe envolvendo um site falso, supostamente relacionado ao Programa Habilitação Social. O site, hospedado nos endereços social.cnh-e.net, cnhsocial.net.br e nossofgts.club/cadastro/cnhsocial/confirmado/?f9, utiliza um layout semelhante ao oficial, disponibilizando inclusive a ficha de inscrição para os interessados.

O Detran avisa mais uma vez que o site oficial do Programa Habilitação Social (PHS) no Estado da Paraíba é o www.habilitacaosocial.pb.gov.br e as inscrições são gratuitas, sendo feitas exclusivamente nesse endereço. Além disso, todo o procedimento é livre de cobranças, não tendo custo algum para o usuário. O órgão lembra ainda que não envia nenhum tipo de boleto por correio, e-mail ou mensagem.

De acordo com o corregedor do Detran-PB, Valberto Lira, golpes desse tipo prejudicam muitas pessoas pelo fato de se assemelharem com as características dos sistemas originais. “Algumas pessoas já nos procuraram por terem sido prejudicadas por essa prática. Em busca de se beneficiar, os criminosos reproduzem com bastante semelhança o site original, levando o usuário a crer que é um procedimento seguro”, explicou.

O corregedor frisou ainda que é importante que os usuários se mantenham informados de programas desse tipo somente por meio das fontes oficiais. “Quando as inscrições do programa são abertas, o Detran faz uma ampla divulgação, inclusive com a publicação do edital em Diário Oficial”, completou.

Fonte: Portal Midia

Continue lendo
Apoio

Mais Lidas