Conecte-se conosco

Saúde

Circulação de dengue tipo 2 em 19 cidades põe SP em alerta

Publicados

em

Foto: Divulgação

A circulação do sorotipo 2 da dengue em 19 cidades foi detectado em São Paulo e colocou o estado em alerta. Desde 2016, apenas o sorotipo 1 da dengue circulava nos municípios paulistas. Pessoas infectadas por sorotipos diferentes em um período de seis meses a três anos podem ter uma evolução para formas mais grave da doença. De acordo com o governo do estado, foram contabilizados 610 casos de dengue até o dia 15 de janeiro. O número é similar ao verificado no ano passado e, segundo a Secretaria Estadual de Saúde, não representa um quadro preocupante.

“Apesar de não ser ainda a maioria dos casos, ele [dengue tipo 2] está circulando já de maneira mais consistente nos municípios da região de Araçatuba, São José do Rio Preto e um pouco em Ribeirão Preto”, disse o infectologista Marcos Boulos, coordenador de Controle de Doenças da Secretaria Estadual de Saúde.

Dos 645 municípios paulistas, o sorotipo 2 foi detectado em Andradina, Araraquara, Barretos, Bauru, Bebedouro, Catanduva, Espírito Santo do Pinhal, Indiaporã, Ipiguá, Itajobi, Mirassol, Pereira Barreto, Piracicaba, Pirangi, Ribeirão Preto, Santo Antônio de Posse, São José do Rio Preto, Uchoa e Vista Alegre do Alto.

Ele disse que a dengue tipo 2 não é “especialmente pior”. O risco está relacionado à superposição de vírus. “Estava circulando o tipo 1 até agora, e quando circula um tipo e aparece um novo sorotipo do vírus, pode ser 2, 3 ou 4, no caso é o 2, aí pode ter uma evolução para maior gravidade para quem já teve dengue 1”, explicou.

O infectologista esclareceu que não é mais utilizada a nomenclatura dengue hemorrágica, pois nem todos os casos graves de dengue evoluem com hemorragia.

Segundo Boulos, as equipes de saúde das cidades em que a circulação do tipo 2 foi identificada estão sendo orientadas a dar uma assistência mais cuidadosa aos pacientes com suspeita da doença. “Em um caso de dengue no ano passado, quando só circulava o tipo 1, se o paciente estava bem, se tomava líquido pela boca, mandava para casa e, se tivesse alguma coisa, voltaria. Hoje, para fazer isso, eu tenho que ter convicção. Talvez ficar mais tempo com o paciente no hospital para acompanhar a evolução”, explicou.

O infectologista disse que não há uma explicação para o início da circulação do novo sorotipo. “É aleatório. Esses vírus circulam no mundo todo. Quando você tem o Aedes [aegypti], que é o nosso caso, se vem uma pessoa que está com dengue 2 ou 3 e ele é picado pelo vetor, pode replicar esse vírus”, explicou. A melhor forma de prevenção, portanto, independentemente do sorotipo, é evitar a proliferação do mosquito.

De acordo com Boulos, há quatro sorotipos de dengue, sendo que três deles circulam no Brasil. Em São Paulo, neste momento, circulam os sorotipos 1 e 2. “Houve uma detecção do tipo 3 agora na região de Araçatuba, mas um caso só. Então se for causar problema, é daqui 2 ou 3 anos, agora não. Nós não temos o 3”, destacou.

Febre amarela

A Secretaria de Estado da Saúde está reforçando as orientações aos municípios do Vale do Ribeira para a intensificação das estratégias de vacinação contra a febre amarela. A região concentra 12 casos confirmados de febre amarela neste ano, dos quais seis evoluíram para óbitos. O balanço é de 21 de janeiro. As vítimas foram infectadas nos municípios de Eldorado (9 casos, 4 mortes); Jacupiranga (1 morte); Iporanga (1 morte) e Cananeia (1 caso).

Os casos silvestres da doença são transmitidos pelo mosquito Haemagogus e Sabethes. Já no meio urbano, a transmissão se dá pelo mosquito Aedes aegypti. Não há casos de febre amarela urbana no Brasil desde 1942.

O Vale do Ribeira passou a ter recomendação da vacina contra febre amarela há cerca de um ano, mas a cobertura vacinal na região é de 66%, até o momento. Todos os paulistas, que ainda não estão imunizados, tem recomendação para a vacina contra a febre amarela, especialmente os que moram ou visitam áreas com vegetação densa. A vacina está disponível nos postos de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS) e, para proteção efetiva, deve ser tomada pelo menos dez dias antes de viagens ou deslocamentos para áreas de mata.

Balanço

A cobertura vacinal no estado contra febre amarela é de 65%, em média, com variação entre as regiões. Na Baixada Santista, o percentual é similar. No Vale do Ribeira, a cobertura é de 66%. No Vale do Paraíba e Litoral Norte, chega a 85%. Em 2018, foram confirmados 502 casos de febre amarela silvestre, dos quais 175 resultaram em morte. Em 2017, foram 74 casos e 38 mortes.

Fonte: Agência Brasil

Rate this post

Saúde

Saúde mobiliza municípios para dia D contra mosquito da dengue, nesta sexta-feira (2)

Publicados

em

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) realiza nesta sexta-feira (2) uma mobilização para conscientizar a população a respeito do combate ao mosquito Aedes aegypt, transmissor da dengue, zika e chikungunya. O marco da ação será no município de Alhandra, às 9h na praça central da cidade, como parte da Semana Estadual de Mobilização para Prevenção das Arboviroses e irá consistir em distribuição de materiais educativos, exposição de amostras das fases do mosquito e esclarecimentos às duvidas da população sobre o terma.

De acordo com o último Boletim Epidemiológico da SES, foram registrados 27.755 casos prováveis de dengue, e referentes à chikungunya foram notificados 18.851 casos prováveis. Para a doença aguda pelo vírus zika foram notificados 618 casos prováveis. Totalizando as três arboviroses, a Paraíba registra 47.224 casos prováveis no ano de 2022. Quando comparado ao Boletim do mês de outubro, percebe-se um aumento de 840 casos novos de chikungunya e dengue.

O levantamento aponta ainda que a faixa etária com maior predominância é entre 20 a 29 anos com 10,4% (5.245) do sexo feminino. Para chikungunya, observa-se que a faixa etária com maior predominância é entre 40 a 49 anos com 7,9% (3.309) do sexo feminino. E para zika, a faixa etária com maior predominância é entre 20 a 29 anos com 16,2% (136) do sexo feminino.
A elevação se deve ao fato de ser o final de um período sazonal de alta de casos, como também a qualificação de informações na base de dados de informações. De acordo com o chefe do Núcleo de Fatores Biológicos e Entomologia do estado, Luiz Almeida, o verão é um período propício para a proliferação dos mosquitos e a população precisa se manter vigilante nos cuidados para evitar a procriação e os focos do Aedes aegypt.

“Os focos do mosquito, na grande maioria, são encontrados dentro de casa, quintais e jardins, por isso é tão importante a população lembrar de verificar se há acúmulo de água em recipientes a céu aberto, pratos e vasos de plantas, bebedouros de animais e até mesmo brinquedos infantis. A mínima quantidade de água parada pode ser o ambiente propício para um foco do mosquito da dengue”, ressalta.

A SES recomenda que, pelo menos uma vez por semana, seja feita uma faxina para eliminar copos descartáveis, tampas de refrigerantes ou outras garrafas, e, em especial, lavar bem a caixa d’água e depois vedar. Não deixar água acumulada em pneus, calhas e vasos; adicionar cloro à água da piscina; deixar garrafas cobertas ou de cabeça para baixo. Também é preciso receber em domicílio o técnico de saúde devidamente credenciado, para que as visitas de rotina sirvam como vigilância.

Secom-PB

Rate this post
Continue lendo

Paraíba

Saúde inicia Campanha Dezembro Vermelho nesta quinta-feira

Publicados

em

Pixabay

A Secretaria de Estado da Saúde (SES), por meio da Gerência Operacional de Condições Crônicas e IST da Paraíba, inicia, nesta quinta-feira (1º), às 9h, a Campanha Dezembro Vermelho, de Prevenção ao HIV/Aids e outras Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST). Este ano, a campanha terá como tema HIV/AIDS: o cuidado começa com a prevenção.  

A abertura será no Restaurante Popular Estadual, em Mangabeira, na Capital, com a oferta de teste rápido de HIV, Sífilis e Hepatites; distribuição de preservativos; conversas com a população sobre o que é o HIV, formas de prevenção e aspectos relacionados à infecção. A ação ocorrerá, pela manhã e à tarde, simultaneamente, em todos os 10 restaurantes populares do estado. Além da Capital, estão localizados nos municípios de Guarabira, Campina Grande, Patos, Sousa, Pombal, Cajazeiras, São Bento, Monteiro e Santa Rita.

“À medida que as pessoas forem chegando para fazer suas refeições, já podem fazer os exames e sair com os resultados. Teremos uma equipe de profissionais da saúde, da própria SES, do Clementino Fraga e de ONG´s oferecendo aos usuários o que há de mais importante nessa luta contra o HIV/Aids que é a prevenção”, antecipou a Gerente Operacional de Condições Crônicas e IST da PB, Ivoneide Lucena.

Novos casos na Paraíba
De acordo com o Banco de Dados, da SES, em 2022, na Paraíba foram registrados 630 novos casos de HIV/AIDS. Na faixa etária entre 20 e 49 novos é a maior incidência, com 538 casos. Ivoneide chama a atenção para a faixa entre 20 e 29 anos, com 211 novos casos.

“O nosso objetivo é fazer com que essa juventude que, cada vez mais, está adquirindo o vírus, caso tenha passado por uma situação de risco, tendo  relação sexual desprotegida, faça o teste rápido o quanto antes. Pois, quando dá reagente, posteriormente, fará a carga viral, e só aí que vai saber se tem HIV ou AIDS. Daí a importância de se fazer logo, pois, depois de um mês, o vírus já se reproduz no organismo, mas, ainda não baixou a imunidade. Se demorar muito, a imunidade baixa o que pode causar a Aids e, muitas vezes, abrir espaço para doenças oportunistas”, explicou.

Mandala da prevenção combinada – O cuidado começa com a prevenção combinada que associa diferentes métodos (ações) de prevenção ao HIV, mostrando a importância da prevenção das IST e das hepatites virais, tanto para a prevenção do HIV, quanto para a saúde integral das pessoas.

As seguintes ações integram a mandala: testagem regular para o HIV e outras IST e Hepatites Virais (HV); Profilaxia Pós-Exposição (PEP); Profilaxia Pré-Exposição (PrEP); prevenir a transmissão vertical; imunizar para HPV e Hepatite B; redução de danos; diagnosticar e tratar as pessoas com IST e HV; usar preservativo masculino, feminino e gel lubrificante e tratar todas as pessoas vivendo com HIV/Aids.

Óbitos – Em 2022, foram registrados 119 óbitos na Paraíba. Os três municípios com a maior quantidade de óbitos são: João Pessoa, com 29; Santa Rita, com 14 e Campina Grande, com dez.

Programação – De acordo com a programação do Dezembro Vermelho, no próximo domingo (04), pela manhã, terá oferta dos testes rápidos, conversas e distribuição de preservativos, no Busto de Tamandaré, na praia do Cabo Branco. No mesmo local, tarde e noite, terá a mesma ação na Parada LGBTQIAP + de João Pessoa.

Na sexta-feira (9), pela manhã, terá testagem rápida na Igreja Evangélica (Assembleia de Deus), no Bairro dos Novais, na Avenida José Bonifácio, nº 672.

No terça-feira (13), pela manhã, terá o Seminário Integrado de Condições Crônicas da Paraíba, no Espaço Cultural, para técnicos das Gerências Regionais de Saúde, Atenção Primária e Vigilância dos 41 municípios prioritários.

Secom-PB

Rate this post
Continue lendo

Saúde

Paraíba registra 1.902 casos e cinco mortes por Covid-19 neste domingo

Paraíba totaliza 669.717 casos confirmados da doença, que estão distribuídos por todos os 223 municípios.

Publicados

em

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) registrou, neste domingo (27), 1.902 casos de covid-19. Entre os casos confirmados, 19 (0,10%) são moderados ou graves e 1.883 (99%) são leves. Agora, a Paraíba totaliza 669.717 casos confirmados da doença, que estão distribuídos por todos os 223 municípios.

* O sistema e-SUS Notifica passou por instabilidade nos últimos dias e o número de casos deste boletim é resultado do acúmulo de casos que não foram divulgados nos relatórios anteriores.

Óbitos

Foram confirmados 5 óbitos na última atualização. As vítimas são 3 mulheres e 2 homens com idades entre 56 e 89 anos, residentes dos municípios de João Pessoa (2), Campina Grande (1), Santa Rita (2). Hipertensão e diabetes foram as comorbidades mais frequentes. Com isso, o estado totaliza com 10.439 mortes.

* Dados oficiais preliminares (fonte: SI-PNI, e-SUS Notifica, Sivep Gripe e SIM) extraídos às 10h, do dia 27/11/2022, sujeitos à alteração por parte dos municípios.

Cobertura Vacinal

Fazendo um recorte para a primeira dose de reforço na população com 12 anos ou mais, o estado contabiliza 62,79% do público vacinado.

Em relação ao segundo reforço nos indivíduos com idade a partir de 30 anos, a Paraíba tem 21,46% de cobertura na população contemplada.

Ocupação de leitos Covid-19

A ocupação total de leitos de UTI (adulto, pediátrico e obstétrico), em todo estado, é de 36%. Fazendo um recorte apenas dos leitos de UTI para adultos na Região Metropolitana de João Pessoa, a taxa de ocupação chega a 52%. Em Campina Grande, estão ocupados 20% dos leitos de UTI adulto e no sertão, 0% dos leitos de UTI para adultos. De acordo com o Centro Estadual de Regulação Hospitalar, 10 pacientes foram internados nas últimas 24h. Ao todo 126 pacientes estão internos nas unidades de referência pra Covid-19.

Os dados epidemiológicos com informações sobre todos os municípios estão disponíveis no site da Secretaria de Saúde da Paraíba.

ClickPB

Rate this post
Continue lendo
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio

Mais Lidas