Conecte-se conosco

Saúde

Junho Vermelho: campanha destaca a importância da doação de sangue

Foto: Ilustração

Publicados

em

O mês de junho é tipicamente o período que as temperaturas começam a cair, propiciando aumento da incidência de infecções respiratórias, além da temporada de provas em universidades, escolas e do início das férias escolares. Por isso é o período em que se costuma registrar quedas significativas nos estoques dos bancos de sangue, públicos e privados. Para destacar a importância da doação de sangue nesse momento do ano, começou no último sábado (1º) a campanha Junho Vermelho.

A campanha iluminará com a cor vermelha, durante todo o mês, instituições públicas e privadas, prédios históricos e monumentos em diferentes localidades do país. Serão feitas ações especiais durante a semana do Dia Mundial do Doador de Sangue, que é comemorado no dia 14 de junho. Lançada no estado de São Paulo, a campanha Junho Vermelho ganhou status de lei estadual em 15 de março de 2017 (nº 16.386) e passou a ser promovida em todo o país.

Segundo a fundadora do Eu Dou Sangue, Debi Aronis, a ideia de criar o movimento veio depois de seu pai precisar de sangue devido a uma doença delicada e de perceber que o período estava com estoques baixos nos hemocentros e hospitais. “Somente aqueles que enfrentam uma dificuldade e precisam da doação para que familiares ou amigos possam sobreviver sabem da importância desse ato. É um pequeno gesto, individual e gratuito, mas com consequências expressivas”.

Debi explicou que o fato de as pessoas estarem menos propensas a sair de casa não diminui, e por vezes até aumenta, a rotina dos hospitais que atendem desde vítimas de acidentes de trânsito e da violência urbana até os portadores de doenças que requerem transfusões sanguíneas como câncer, anemia falciforme e outras patologias, incluindo os procedimentos cirúrgicos de alta complexidade, como transplantes e cirurgias cardíacas. “É importante ressaltar que a demanda de sangue permanece inalterada, apesar da redução da oferta nos estoques dos hemocentros”.

De acordo com uma pesquisa feita em 2017 pelo Eu Dou Sangue em parceria com o Instituto Datafolha, cerca de 92% dos brasileiros disseram não ter doado sangue entre junho de 2016 e junho de 2017.  De acordo com o levantamento, além do recesso e do clima mais frio, feriados e dias chuvosos também impactam negativamente os hemocentros, que costumam registrar queda de 30% em seus estoques no período.

Os dados também mostraram que 39% dos brasileiros admitem não saber qual é seu tipo de sangue. O estudo, que ouviu 2.771 entrevistados em todo o país, mostrou que o desconhecimento é maior entre os homens (44%) do que entre as mulheres (35%). Assim como a maioria dos jovens (52%), na faixa dos 16 aos 24 anos, também desconhecem esse aspecto de seu próprio corpo.

A recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS) é de que cada país tenha, entre 3% e 5% de sua população doadora de sangue frequente. No Brasil, o índice fica em 1,8%, enquanto em alguns países da Europa, cerca de 7%.

Fonte: Agência Brasil

Avalie esta postagem
Apoio

Saúde

ALERTA: Água da chuva acumulada pode causar febre tifoide e leptospirose e sintomas são confundidos com os da dengue

Publicados

em

Nas últimas 24 horas choveu 257 milímetros em João Pessoa, o número corresponde a 100% do volume esperado para o mês de junho. As chuvas intensas representam diversos transtornos à população, mas também significa o surgimento de algumas doenças decorrentes do acúmulo e contato das águas com lixo e esgoto.

O médico infectologista do Hapvida, em João Pessoa, Fernando Chagas elenca algumas doenças que podem ser adquiridas pelo contato com água suja. “Entre as patologias que podem ser adquiridas com essas chuvas intensas são a leptospirose, provocada pela urina do rato; a febre tifoide, causada pela bactéria Salmonella typhi, entre outras”, informa o especialista.

Fernando Chagas

Os principais sintomas de doenças ocasionadas pelo aumento das chuvas são, febre, dor no corpo, náuseas (vontade de vomitar) e, em alguns casos, presença de diarreia. Diante dos sintomas apresentados, Fernando Chagas afirma que é preciso estar atento, pois podem ser confundidos com casos de dengue. “Estamos em um período de acréscimo das ocorrências de dengue e muitos dos sintomas das doenças adquiridas pelo contato com água suja se confunde com os da dengue. Lembrando que a própria água parada das chuvas pode aumentar o risco de proliferação do mosquito Aedes Aegypti. Quadros com febre, dor muscular, dor óssea, tosse, nariz escorrendo são sintomas que auxiliam a diferenciar as doenças”, explica.

Para quem não tem outra opção e precisa ter o contato com água suja as orientações do infectologista são para que “ao chegar em casa, após o contato com a água suja, é preciso lavar a área da pele que teve contato com água e sabão; as roupas devem ser colocadas para secar e só depois direcionadas para lavagem; os sapatos devem secar ao sol para depois fazer limpeza; e o aumento da ingestão de líquidos deve ser realizada para evitar uma possível desidratação”, esclarece o médico.

Fique ligado – O infectologista Fernando Chagas destaca que a leptospirose é uma das doenças que mais merece atenção. “Essa é uma doença esquecida, mas que está próxima e pode matar. Prejudica os rins, pode causar sangramento nos pulmões. É preciso ter cuidado ao pisar em lama ou locais com riscos da doença. São medidas simples, mas que diminuem muito a transmissão das doenças”, conclui.

Assessoria

Avalie esta postagem
Continue lendo

Brasil

Pessoa com deficiência terá prioridade de embarque em transporte, decide CI

Publicados

em

A Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) deu parecer favorável ao Projeto de Lei do Senado (PLS) 466/2011, que estabelece prioridade de atendimento às pessoas com deficiência no embarque e desembarque nos meios de transportes coletivos. A votação foi realizada nesta terça-feira (11).

O projeto altera a Lei 10.048, de 2000, para determinar que a pessoa com deficiência tenha essa prioridade no transporte coletivo aéreo, terrestre ou aquaviário. As empresas que não cumprirem a determinação estarão sujeitas ao pagamento de multa.

O autor do projeto, senador Humberto Costa (PT-PE), ressalta que, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), aproximadamente 27 milhões de pessoas têm algum tipo de deficiência e enfrentam, a todo o momento, obstáculos na busca por uma vida social digna e dificuldades de acesso a serviços de saúde, escola, emprego, transporte público, entre outros.

O projeto foi relatado pelo senador Zequinha Marinho (PSC-PA), favorável à aprovação do texto, com emendas. Na opinião do parlamentar, o valor da multa deve ser entre R$ 500 a R$ 2.500 e não entre R$ 2.500 e R$ 5 mil, como no texto inicial. A intenção dele foi deixar os valores em conformidade com a Lei 10.048, que regula o atendimento prioritário a gestantes e lactantes, pessoas com mais de 60 anos, pessoas com deficiência, com obesidade, e pessoas com crianças de colo.

Em outra emenda, Zequinha Marinho também sugeriu que a proposta se estenda aos idosos.

—  Os idosos também sofrem com baixa mobilidade e muitas vezes têm dificuldades de acessar os meios de transporte quando precisam disputar espaço com os demais passageiros — disse.

Depois de passar pela CI, a proposição ainda será analisada pela Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH), em decisão terminativa.

Agência Senado

Avalie esta postagem
Continue lendo

Saúde

Governo suspende a venda de 51 planos de saúde no Brasil

Publicados

em

Pixabay

Agência Nacional de Saúde divulgou a lista na manhã desta sexta-feira (7).

A ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) determinou, nesta sexta-feira (7), a suspensão temporária da venda de 51 planos de saúde de 11 operadoras, devido à reclamação recebida de consumidores. A suspensão começa a valer a partir de 14 de junho de 2019.

Atualmente, os planos atingidos atendem cerca de 600 mil beneficiários, que terão a assistência regular garantida, segundo informou a agência por meio de nota.

De acordo com a ANS, os 51 planos de saúde “não poderão ser vendidos ou receber novos clientes em todo o país”. A medida é resultado do Programa de Monitoramento da Garantia de Atendimento, que acompanha o desempenho do setor e atua na proteção dos beneficiários.

A ANS, no entanto, liberou a comercialização de 27 planos de saúde de 10 operadoras que tinham sido suspensos em ciclos anteriores. Esses planos liberados, paralelamente à suspensão, podem voltar a ser vendidos a novos clientes a partir de 14 de junho de 2019.

Ainda segundo a agência, os planos suspensos só podem voltar a comercializar quando as melhorias necessárias para o atendimento dos consumidores forem comprovadas.

“Ao proibir temporariamente a comercialização dos planos que estão sendo alvo de reclamações, a ANS obriga as operadoras se esforçarem para garantir o acesso do beneficiário aos serviços que foram contratados. Somente com a adequação do atendimento, as operadoras poderão receber novos clientes”, explica o diretor de Normas e Habilitação dos Produtos, Rogério Scarabel.

Fonte: R7

Avalie esta postagem
Continue lendo
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio

Mais Lidas