Conecte-se conosco

Saúde

ALERTA: Água da chuva acumulada pode causar febre tifoide e leptospirose e sintomas são confundidos com os da dengue

Publicados

em

Nas últimas 24 horas choveu 257 milímetros em João Pessoa, o número corresponde a 100% do volume esperado para o mês de junho. As chuvas intensas representam diversos transtornos à população, mas também significa o surgimento de algumas doenças decorrentes do acúmulo e contato das águas com lixo e esgoto.

O médico infectologista do Hapvida, em João Pessoa, Fernando Chagas elenca algumas doenças que podem ser adquiridas pelo contato com água suja. “Entre as patologias que podem ser adquiridas com essas chuvas intensas são a leptospirose, provocada pela urina do rato; a febre tifoide, causada pela bactéria Salmonella typhi, entre outras”, informa o especialista.

Fernando Chagas

Os principais sintomas de doenças ocasionadas pelo aumento das chuvas são, febre, dor no corpo, náuseas (vontade de vomitar) e, em alguns casos, presença de diarreia. Diante dos sintomas apresentados, Fernando Chagas afirma que é preciso estar atento, pois podem ser confundidos com casos de dengue. “Estamos em um período de acréscimo das ocorrências de dengue e muitos dos sintomas das doenças adquiridas pelo contato com água suja se confunde com os da dengue. Lembrando que a própria água parada das chuvas pode aumentar o risco de proliferação do mosquito Aedes Aegypti. Quadros com febre, dor muscular, dor óssea, tosse, nariz escorrendo são sintomas que auxiliam a diferenciar as doenças”, explica.

Para quem não tem outra opção e precisa ter o contato com água suja as orientações do infectologista são para que “ao chegar em casa, após o contato com a água suja, é preciso lavar a área da pele que teve contato com água e sabão; as roupas devem ser colocadas para secar e só depois direcionadas para lavagem; os sapatos devem secar ao sol para depois fazer limpeza; e o aumento da ingestão de líquidos deve ser realizada para evitar uma possível desidratação”, esclarece o médico.

Fique ligado – O infectologista Fernando Chagas destaca que a leptospirose é uma das doenças que mais merece atenção. “Essa é uma doença esquecida, mas que está próxima e pode matar. Prejudica os rins, pode causar sangramento nos pulmões. É preciso ter cuidado ao pisar em lama ou locais com riscos da doença. São medidas simples, mas que diminuem muito a transmissão das doenças”, conclui.

Assessoria

Rate this post

Manchete

Brasil registra 37 mortes por covid-19 em 24 horas

Número de casos foi de 4.429 no mesmo período.

Publicados

em

Em 24 horas, foram registrados 4.429 novos casos de covid-19 no Brasil. No mesmo período, houve 37  mortes de vítimas do vírus. O Brasil soma desde o início da pandemia 681.437 mortes por covid-19, segundo o boletim epidemiológico divulgado neste domingo (14), pelo Ministério da Saúde. O número total de casos confirmados da doença é de 34.170.286.

Ainda segundo o boletim, 32.993.386 pessoas se recuperaram da doença e 495.463 casos estão em acompanhamento. No levantamento de hoje, não consta atualização dos dados de óbitos em Mato Grosso do Sul, do Distrito Federal, do Maranhão e de Minas Gerais. Já os estados de Mato Grosso, Rio de Janeiro, Roraima, Rio Grande do Norte e Tocantins não atualizaram nem o número de casos nem de morte.

Estados

Segundo os dados disponíveis, São Paulo lidera o número de casos, com 5,97 milhões, seguido por Minas Gerais (3,85 milhões) e Paraná (2,71 milhões). O menor número de casos é registrado no Acre (147,5 mil). Em seguida, aparecem Roraima (173,9 mil) e Amapá (177,7 mil).

Em relação às mortes, de acordo com os dados mais recentes disponíveis, São Paulo apresenta o maior número (173.652), seguido de Rio de Janeiro (75.162) e Minas Gerais (63.257). O menor total de mortes situa-se no Acre (2.025), Amapá (2.155) e Roraima (2.165).

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico – 14/08/2022/Divulgação Ministério da Saúde

Vacinação

De acordo com os últimos dados divulgados, foram aplicadas 471,8 milhões de doses de vacinas contra a covid-19, sendo 178,7 milhões com a primeira dose e 159,8 milhões com a segunda dose. A dose única foi aplicada em 4,9 milhões de pessoas. Outras 104,4 milhões já receberam a primeira dose de reforço, e 18,9 milhões receberam a segunda dose de reforço.

Agência Brasil

Rate this post
Continue lendo

Saúde

Anvisa analisa cinco pedidos para diagnóstico da varíola dos macacos

Todos os pedidos de registro já tiveram a análise iniciada.

Publicados

em

Imagem: ilustração/Pixabay

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou, nesta quinta-feira (11), o balanço dos pedidos de registro de produtos para o diagnóstico de varíola dos macacos. No total, foram cinco pedidos e todos já tiveram sua análise iniciada.

Segundo a agência, os dois primeiros produtos foram Viasure Monkeypox Virus Real Time PCR Detection Kit, fabricado na Espanha pela empresa CerTest Biotec, e Monkeypox Virus Nucleic Acid Detection Kit, fabricado na China pela empresa Shanghai BioGerm Medical Technology. Ambos são ensaios moleculares, passaram pela avaliação do corpo técnico da Anvisa e aguardam complementação de informações por parte das empresas solicitantes para continuidade da análise.

O terceiro produto, que teve o pedido de registro submetido no dia 8 de agosto, também é um ensaio molecular e corresponde ao Standard M10 MPX/OPX, que tem como fabricante legal a empresa nacional Eco Diagnóstica, mas que tem parte da sua produção ocorrendo em outro país. A análise técnica da documentação está em curso.

Os pedidos mais recentes deram entrada na quarta-feira (10). Um deles, o Monkeypox Virus Antigen Rapid Test, o primeiro pedido relacionado a teste rápido para detecção de antígeno, fabricado pela empresa chinesa Shanghai BioGerm Medical Technology, e o produto Kit Molecular Monkeypox (MPXV) Bio-Manguinhos, fabricado no Brasil pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos Bio-Manguinhos.

Em nota, a Anvisa destacou que a prioridade é “a avaliação de todos os pedidos de registro de produtos para diagnóstico in vitro que possam ser utilizados como recurso para o enfrentamento da monkeypox [varíola dos macacos, em inglês]”.

Agência Brasil

Rate this post
Continue lendo

Alerta

Saúde eleva para nível máximo risco da varíola dos macacos

Publicados

em

Pixabay

O Ministério da Saúde elevou para o nível máximo de emergência, o alerta para o risco da varíola dos macacos, também conhecida como monkeypox.

A classificação é para todo o território nacional e significa que a doença é considerada grave.

De acordo com o ministério da saúde, a decisão veio após o aumento da capacidade de transmissão da doença, do agravamento dos casos confirmados, da vulnerabilidade da população e da indisponibilidade de medidas preventivas como vacinas e possíveis tratamentos.

Os níveis de emergência variam de 1 ao 3 e estão detalhados no Plano de Contingência Nacional para MONKEYPOX publicado pelo Ministério da Saúde. O documento traz orientações para prevenção e tratamento tanto para a população quanto para as secretarias de saúde dos estados. Também padroniza os procedimentos a serem adotados diante da doença, como um protocolo de classificação para definir casos suspeitos, prováveis confirmados e descartados.

A transmissão da doença entre humanos ocorre principalmente por meio de contato pessoal com lesões de pele ou fluidos corporais de uma pessoa infectada ou objetos recentemente contaminados, tais como toalhas e roupas de cama.

De acordo com o Plano de contingência do governo, o tratamento dos casos é por meio de suporte clínico como medicamentos para dor e cuidados de higiene na área afetada. A maioria dos casos apresenta sintomas leves e moderados. Em casos graves, com comprometimento pulmonar, a pessoa pode precisar de oxigênio.

No Brasil, até 5 de agosto já haviam sido confirmados mais de dois mil casos, 1.962 suspeitos e um óbito. São Paulo lidera o número de casos no país, com mais de 1,5 mil registros confirmados.

Rádio Agência Nacional

Rate this post
Continue lendo
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio

Mais Lidas