Conecte-se conosco

Saúde

EUA aprovam uso emergencial do antiviral remdesivir no tratamento da Covid-19

Publicados

em

A Administração Federal de Alimentos e Drogas dos EUA (FDA, equivalente à Anvisa no Brasil) autorizou, nesta sexta-feira (1), o uso emergencial do antiviral remdesivir no tratamento da Covid-19.

A autorização de emergência não significa que o medicamento tenha sido aprovado pela FDA. Isso só acontece depois de uma revisão extremamente detalhada dos resultados e garantia de que determinada droga pode tratar com segurança e eficácia uma doença. De qualquer forma, o movimento pode fazer com que o medicamento se torne padrão no tratamento dos pacientes infectados pelo novo coronavírus nos Estados Unidos.

A FDA tem autonomia para emitir uma autorização de emergência para produtos médicos ainda não aprovados, mas que têm potencial para tratar uma doença com risco de morte enquanto não existem outras alternativas aprovadas. Foi exatamente o que aconteceu com o antiviral remdesivir, um medicamento desenvolvido pela farmacêutica Gilead para tratar o Ebola.

O remdesivir é um dos principais remédios usados (e testados) na luta contra a Covid-19. Pesquisas com a droga mostram que a substância bloqueia a atividade do novo coronavírus nas células. Até então, nos EUA, os médicos só podiam usar o medicamento para tratar pacientes com coronavírus após se inscreverem em ensaios clínicos ou através de pedidos individuais à empresa farmacêutica sob política de uso compassivo da FDA.

No início desta semana, o infectologista diretor do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos (NIAID), classificou os recentes resultados de estudos do remdesivir como boas notícias.

Olhar Digital

Saúde

Estudo confirma eficácia da Coronavac na fase 2 dos testes clínicos

Vacina é desenvolvida em parceria com o Instituto Butantan

Publicados

em

A vacina Coronavac se mostrou eficaz e segura, segundo estudo publicado nesta semana pela farmacêutica chinesa Sinovac Life Science. O trabalho analisou o comportamento de 600 voluntários vacinados na China durante a fase 2 dos testes clínicos. A vacina é desenvolvida pela Sinovac Life Science em parceria com o Instituto Butantan.

De acordo com o coordenador dos ensaios clínicos da vacina Coronavac e diretor médico de Pesquisa Clínica do Instituto Butantan, Ricardo Palacios, o produto é muito promissor e eficaz. “Os estudos feitos até agora, na China, demonstraram que mais de 90% dos voluntários que receberam as vacinas tiveram anticorpos capazes de neutralizar o coronavírus, isso é um diferencial”, afirmou.

Segundo Palácios, os testes mostraram que entre duas e quatro semanas a pessoa está imunizada. “Duas semanas após a segunda dose as pessoas têm níveis de anticorpos capazes de neutralizar o vírus da covid-19”, afirmou Palácios, em entrevista à Agência Brasil.

Cada voluntário recebeu duas doses, sendo metade a vacina propriamente dita e a outra metade placebo. De acordo com o que foi identificado nos estudos, não existe nenhuma preocupação com relação  segurança da vacina utilizada nos voluntários. Dentre as principais reações está leve dor no local da aplicação, comum em outros tipos de vacina.

O laboratório asiático já realizou testes em cerca de mil voluntários na China, nas fases 1 e 2. Antes, o modelo experimental aplicado em macacos apresentou resultados expressivos em termos de resposta imune contra o coronavírus.

A farmacêutica forneceu ao Butantan as doses da vacina para a realização de testes clínicos de fase 3, a última fase, em voluntários no Brasil, com o objetivo de demonstrar sua eficácia e segurança. Os testes estão sendo feitos com os profissionais de saúde. Serão 9 mil voluntários da área de saúde em seis estados brasileiros: São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná.

“A vacina é aplicada em voluntários, profissionais de saúde, que estão na alinha de frente nos hospitais e que têm maior risco de contrair a doença, e isso é muito importante`, porque são profissionais que vão cuidar da gente, se ficarmos doentes”, disse Palacios.

Caso a vacina seja aprovada, será realizada a transferência de tecnologia para produção em escala e fornecimento gratuito pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Mas, antes, segundo Palacios, é preciso instalar a estrutura industrial para a produção.

“A parte de produção do vírus inativado propriamente dito é um pouco mais complexa, tem as adequações da própria estrutura, mas já começamos com essas adequações de equipamentos para, no término dos estudos, já estarmos com isso planejado”. O passo seguinte será o registro do imunizante pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Agência Brasil

Continue lendo

Saúde

NOVO NORMAL: Guarabira permanece na bandeira amarela e Estado altera normas sobre academias, bares e restaurantes

Publicados

em

Foto: Divulgação/GovPB

O Governo do Estado, através da Secretaria de Saúde, divulgou no último dia 8 de agosto, a quinta avaliação do programa “Novo Normal PB” que classifica a cidade de Guarabira em bandeira amarela, como nas avaliações anteriores.

Com a avaliação podem funcionar, além dos serviços essenciais, hotéis, pousadas, comércio, shopping e serviços em geral; além das escolinhas de esporte sem contato físico (como a natação e o tênis, por exemplo), cumprindo os protocolos de biossegurança estabelecidos pelos órgãos sanitários.

A partir desta nova etapa, a Secretaria Estadual de Saúde fez alterações nas classificações de riscos das atividades permitindo o funcionamento de bares, restaurantes e academias nos municípios que possuem a bandeira amarela, devendo adotar os protocolos estabelecidos pelo Governo.

A SES recomendou ainda que as atividades educacionais de forma presencial não sejam retomadas nesse momento. A recomendação vale também aos municípios mesmo com a bandeira verde, a mais flexível das classificações. No nível superior, somente os cursos da área de saúde, em fase de conclusão (últimos 4 semestres do cursos de medicina e últimos 2 semestres dos demais cursos), podem retornar suas atividades cumprindo normas sanitárias.

O plano de bandeiras indicativas foi desenvolvido pela Secretaria de Saúde do Estado da Paraíba e pela Controladoria Geral do Estado e é baseado em indicadores como a quantidade percentual de novos casos, letalidade (óbitos), ocupação da rede hospitalar da região e percentual de isolamento social.

Fonte: Prefeitura de Guarabira

Continue lendo

Saúde

Agência Brasil explica: como é feita média móvel de casos de covid-19

Publicados

em

Foto: Ilustração

No dia 1º de agosto, o estado do Rio de Janeiro registrou 1.718 novos casos de covid-19. Já no dia 2, o número de novas infecções caiu para 12. Quem olhasse esses dados isoladamente poderia comemorar que a transmissão da doença teve enorme queda. Dias depois, porém, viria um susto: o boletim divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde no dia 5 trouxe 3,7 mil novos casos.

A oscilação nos registros de novos casos se repete semanalmente, explica o pesquisador Americo Cunha, professor do Instituto de Matemática e Estatística da Universidade do Estado do Rio de Janeiro e integrante da equipe que alimenta o portal Covid-19: Observatório Fluminense. O dia 2 de agosto, com 12 novos casos, foi um domingo, assim como o dia 26 de julho, que teve 32 casos, e o dia 12 de julho, que teve apenas nove. Já o dia 5 de agosto, com 3,7 mil, foi uma quarta-feira, mesmo dia da semana que o dia 29 de julho, quando mais de 2 mil casos foram confirmados.

Como saber, então, a velocidade com que a doença está avançando? Para conseguir entender a tendência da pandemia além dessas oscilações entre dias de semana e fins de semana, os pesquisadores calculam a média móvel de casos. Em vez de contabilizar apenas os casos registrados nas últimas 24 horas, essa forma de análise soma os dados mais recentes com os dos seis dias anteriores, dividindo o resultado por sete.

O resultado desse cálculo é uma leitura que leva em conta a influência de todos os dias da semana e pode ser atualizada diariamente, evitando análises precipitadas como a de que a pandemia pode ter freado num domingo e acelerado em uma terça-feira. Ao considerar sempre todos os dias da semana, a média móvel de casos em sete dias pondera o represamento de notificações que ocorre nos fins de semana.

“A irregularidade no processo de aquisição desses dados faz com que eles sejam muito oscilatórios, que eles desçam todo fim de semana e subam todo início de semana, independentemente se você está tendo queda ou não no número total de casos”, explica o pesquisador Americo Cunha. “A média móvel vem para suavizar isso e remover essa tendência de oscilação que atrapalha na análise. É uma ferramenta que consegue filtrar os dados para dar uma melhor visão do comportamento de tendência”.

A queda de registros nos fins de semana tem a ver com a redução de pessoal disponível para preenchê-los, seja por redução de equipes ou por fechamento de unidades de saúde ou setores responsáveis por informar os dados às autoridades sanitárias. Esses profissionais retornam na segunda-feira e atualizam as planilhas, não apenas com os casos daquele dia, mas com os que aguardavam para serem preenchidos.

Cunha aconselha que os cidadãos interessados em acompanhar os dados sobre a pandemia devem prestar atenção principalmente na média móvel do número de novas mortes. “O número de mortes é sempre mais confiável, porque a subnotificação das mortes é consideravelmente menor. A média móvel do número de mortes é o indicador mais confiável”, recomenda o pesquisador, que explica que, mesmo com atraso, o número de mortes da doença tende a ser conhecido.

“Exceto um indigente ou uma morte violenta, toda morte vai ser registrada em algum momento pela família ou pelas autoridades. Em algum momento, pode ser em dois dias ou em 90 dias, você vai saber todas as mortes que ocorreram em um dia e, pelo menos, a causa nominal delas [a que foi registrada]”, explica ele, que compara: “Com relação ao número de casos, por outro lado, tem muita gente que teve a doença, não sabe que teve e nunca vai saber, porque você não vai fazer testes retroativos em massa na população para saber todos os casos que aconteceram”.

O pesquisador alerta, no entanto, que os dados em nível nacional não são a melhor forma de entender se o momento é o de flexibilizar os cuidados ou endurecê-los. “Não tem uma epidemia no Brasil, mas centenas de epidemias em paralelo. Talvez milhares”, destaca. “Aquela média nacional não é representativa de todos os lugares, é só um compilado das realidades locais. Você tem que se preocupar muito mais com a curva da sua cidade e do seu estado do que com a curva do Brasil”.

Epidemiologista do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde da Fundação Oswaldo Cruz, Diego Xavier faz parte da equipe que elabora a plataforma Monitora Covid-19, que disponibiliza dados e análises para a população. Ele destaca que a média móvel é um indicador importante por ser de fácil entendimento e permitir a divulgação diária dos dados, mantendo a população mobilizada em relação às medidas de prevenção.

“Não basta ter um modelo estatístico sofisticado se você não consegue comunicar os efeitos dele”, afirma. “A população precisa saber de forma dinâmica o que está acontecendo, senão a gente não consegue mobilizar para tomar os cuidados devidos. É o dado que vai impulsionar esse discurso. Se a gente não tem o dado, como vamos comunicar à população sobre o tamanho do problema?”

Xavier lamenta, que mesmo diante das informações disponíveis, muitas pessoas desacreditem da importância da prevenção. “No começo da pandemia havia uma sensibilização maior da população. Se formos lembrar de Brumadinho, hoje estamos tendo quatro, cinco Brumadinhos, às vezes, por dia, e isso não está mais chocando as pessoas. As pessoas estão cansadas”, lembra ele, citando a tragédia que deixou mais de 250 mortos no ano passado após o rompimento de uma barragem no município mineiro.

O pesquisador sugere que uma boa forma de avaliar a evolução da pandemia é comparar a média móvel de novas mortes em sete dias com o mesmo dado de 14 dias antes para considerar o tempo médio de incubação da doença. Por exemplo: a média de novos óbitos calculada entre 06/08, 05/08, 04/08, 03/08, 02/08, 01/08 e 31/07 comparada com a média de casos obtida com a soma dos dias 23/07, 22/07, 21/07, 20/07, 19/07, 18/07 e 17/07, dividida por sete.

“Tudo o que a gente faz hoje demora até 14 dias para ter um resultado. Se fizer um lockdown hoje, daqui a 14 dias, em média, vai começar a haver uma redução de casos”

Fonte: Agência Brasil

Continue lendo
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio

Mais Lidas