Conecte-se conosco

Brasil

Auxílio emergencial pode ser renovado se pandemia continuar, diz Guedes

PEC aprovada em 2020 permite extensão do benefício, diz ministro

Publicados

em

Foto: © Washington Costa/Ascom/ME

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o governo pode prorrogar o auxílio emergencial, caso a pandemia da covid-19 se agrave no país e o programa de imunização não atinja níveis suficientes para a maior parte da população. Pelo prazo atual, o benefício será pago até julho.

Segundo o ministro, já existe uma proposta de emenda à Constituição (PEC) aprovada no ano passado, que permite o aumento de gastos para cobrir as necessidades de combate e reflexos da pandemia e, por meio dela, é possível estender o pagamento, como foi feito para este ano.

“Se Deus quiser, teremos dias melhores à frente e vamos celebrar também o fim dessa doença, mas o auxílio emergencial é uma arma que nós temos e pode, sim, ser renovado. Se, ao contrário do que esperamos, se a doença continuar fustigando, e as mortes continuam elevadas, a vacina, por alguma razão não está chegando, tem que renovar, vamos ter que renovar”, afirmou Guedes, ao participar hoje (27) do encontro Diálogos com a Indústria, realizado em um hotel de Brasília, pela Coalizão Indústria, que conta com a Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB) e congrega 15 entidades.

Apesar disso, não é com esta possibilidade que o governo está trabalhando neste momento, disse o ministro. “Não é a nossa expectativa hoje. A expectativa é que está avançando a imunização, mas vamos observar. O auxílio é uma ferramenta para uma camada de proteção e, sim, que tem que ser renovado. Hoje achamos que, se a vacinação em massa progride, pode ser que não seja necessário [ampliar o pagamento do auxílio]”, afirmou.

Para Guedes, a resposta para se vai haver ou não a prorrogação do auxílio emergencial é a pandemia e o ritmo de vacinação. “Se nós tivermos vencendo o combate, a vacinação em massa e, mais, até o final de julho, tivermos vacinado 60%, 70% da população e com 100% da população idosa vacinada, onde está a maior parte da incidência de óbitos. Se nós atingirmos o controle da pandemia através da imunização, porque antes era a ideia de imunização de rebanho, não se falava em vacina, nunca se falou em vacina, teste em massa, quando a doença chegou, depois é que foram se desenvolvendo estes armamentos adicionais. Desenvolveu-se a vacina e começou a busca pela vacina”, informou, acrescentando que, além dos percentuais mais elevados de vacinação, vai ser considerada a queda nos casos de óbitos com retorno aos níveis registrados no fim da primeira onda entre 100 e 300 por dia.

“Hoje é fácil dizer que o governo não viu isso e aquilo. Na verdade, o Brasil inteiro foi para as eleições. Se a classe política achasse que a doença estava aí, firme e forte ainda, ela tinha adiado as eleições. Havia uma convicção de que a doença estava arrefecendo. Aconteceram as eleições, depois vieram as festas de fim de ano, as festas dos mais jovens”, destacou.

Guedes comentou que, embora o programa anterior para a liberação do auxílio emergencial tivesse prazo para terminar em 31 de dezembro de 2020, algumas parcelas ainda seriam pagas nos dois primeiros meses deste ano. “A economia ainda estava relativamente protegida por dois meses. Dois meses e meio depois, então, entraram os nossos programas de novo.”

Segundo o ministro, o cálculo da primeira fase do auxílio tinha sido feito com base em expectativas do Ministério da Saúde sobre a evolução da pandemia logo no começo dos casos no Brasil. O cenário, no entanto, não se confirmou, e veio a segunda onda e a necessidade de novos auxílios.

De acordo com Guedes, aí entrou o timing político que foi o processo eleitoral das presidências da Câmara dos Deputados e do Senado. “Existia o protocolo, que era uma PEC que já renovava, já tinha cláusula de calamidade pública. Era apertar o botão e disparava tudo outra vez, era o nosso aprendizado. Só que havia um processo político. Quem dá o timing das coisas que acontecem é a política. Estava vindo uma eleição com disputa forte de quem seria o presidente da Câmara e o presidente do Senado. Então, acabamos esperando”, disse Guedes. Após a eleição de Arthur Lira (PP-AL) na Câmara e Rodrigo Pacheco (DEM-MG) no Senado, Guedes reuniu-se com os dois no Ministério da Economia, e o assunto era auxílio emergencial e vacina.

Agência Brasil

Rate this post

Brasil

Vaticano intervém no Mosteiro de São Bento após acusações de assédio sexual feitas por jovens

O jovem ouvido tinha 16 anos quando ingressou nos cursos de canto gregoriano e arte do mosteiro.

Publicados

em

Foto: Reprodução

O tradicional Mosteiro de São Bento, em São Paulo, está sob intervenção do Vaticano. O motivo: acusações feitas por dois jovens que teriam sofrido assédio sexual de religiosos quando ainda eram menores de idade.

Na semana em que começam a vigorar regras mais rígidas contra abuso sexual e acobertamento de assediadores na igreja católica, o Fantástico traz os detalhes da investigação de assédio e uma entrevista com um dos jovens que denunciaram os religiosos. 

O jovem ouvido — e que não vai ser identificado — tinha 16 anos quando ingressou nos cursos de canto gregoriano e arte do mosteiro. Ele tinha planos de seguir uma vida religiosa.

“Você vai para um lugar onde acha que é um lugar que existe a presença de Deus, e você conhece mais a face do demônio”, diz.

Rafael Bartoletti, conhecido como Irmão Hugo, é acusado pelos dois jovens de assédio. O outro rapaz, que trabalhava de alfaiate no mosteiro, entregou uma série de mensagens enviadas pelo religioso à polícia. O entrevistado pelo Fantástico disse que a tentativa de abuso ocorreu em uma sala de música.

“Ele aproveitou, fechou a porta e trancou. Veio na minha direção e começou a me forçar pra baixo. Com o objetivo de um ato de sexo oral. Eu tirei a mão dele. Fiquei um pouco nervoso, falei que queria sair de lá, queria voltar para onde estavam os outros meninos. E ele falou: ‘Calma’. E aí abriu a porta e me levou de volta”, relembra.

Depois de mais de um ano de investigação, em junho do ano passado, quatro religiosos foram acusados de abuso sexual pelo Ministério Público. Um deles morreu de Covid em dezembro de 2020, mas os outros seguem respondendo processo. Eles foram ouvidos pela polícia e negam o crime.

Em nota, o Mosteiro de São Bento manifesta repúdio e intolerância a eventuais desvios de conduta de quaisquer de seus membros. Informa que os denunciados foram afastados e respondem não só perante a lei civil, mas também à Justiça eclesiástica.

Os monges manifestam tristeza, solidariedade e pedem perdão por eventual má-conduta desses ex-membros às supostas vítimas e a seus familiares.

D’ O Fantástico/Rede Globo com ClickPB

Rate this post
Continue lendo

Brasil

Sirius: acelerador da ciência brasileira

Publicados

em

Um super microscópio. É assim que a comunidade científica define o Sirius, laboratório desenvolvido no Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais, localizado em Campinas, São Paulo.

O Caminhos da Reportagem vai até Campinas para mostrar como esta radiação otimizada em aceleradores de partículas ajuda a enxergar, em meio digital, a estrutura de matérias, como proteínas e até átomos, como se fosse uma poderosa lupa.

Ficha técnica:

Roteiro e Reportagem: Dimas Soldi Roteiro e Apresentação: Adrielen Alves Edição de texto: Adrielen Alves e Cintia Vargas Produção: Carol Oliveira Imagens: William Sales Auxílio Técnico: Jone Ferreira Edição de Imagens: André Eustáquio e Jerson Portela Arte: Abimael Lira e Silvino Carneiro

TVBrasil

Rate this post
Continue lendo

Brasil

Governador do Ceará se diz contra Réveillon e Carnaval na pandemia: “onde não houver controle, não pode haver festa”

Publicados

em

Foto: Reprodução

O governador Camilo Santana (PT) disse, neste domingo (21), que é contra a realização de “grandes festas de réveillon e carnaval” neste momento, em razão dos riscos que a Covid-19 ainda representa. Com uma série de publicações nas redes sociais, Camilo disse, ainda, que é necessário ter “absoluto controle” para a realização de eventos festivos.

“Sobre a realização de grandes festas de réveillon e carnaval, minha posição é contrária neste momento. Eventos festivos, com grandes aglomerações e bebida, necessitariam de absoluto controle, com todas as pessoas comprovadamente vacinadas, como vem ocorrendo nos estádios, além dos protocolos sanitários seguidos, para minimizar os riscos de contágio”, disse o governador.

O governador também fez um alerta devido ao aumento dos casos de Covid-19 no mundo.

“Onde não houver controle, não pode haver festa. Está ocorrendo novo aumento dos casos de Covid em várias partes do mundo, principalmente em áreas menos vacinadas, e lutarei com todas as forças para que não ocorra o mesmo no Ceará. Nossa prioridade absoluta continuará sendo salvar vidas, além de buscarmos fortalecer a economia. Mas, para isso, precisamos controlar completamente a pandemia. E isso só ocorrerá com a vacinação em massa. Uma nova onda de Covid seria terrível para todos”.
Camilo Santana afirmou que, quanto a realização de grandes eventos festivos no Ceará, o assunto será levado ao comitê da pandemia formado por órgãos oficiais do estado, que deve analisar os dados epidemiológicos e os números da vacinação, além das propostas apresentadas para a realização de festas.

“O cearense pode ter certeza que qualquer medida só será tomada com muito critério e sempre seguindo a ciência. Disso não abrirei mão jamais”, pontuou o governador.

Confira o balanço do primeiro evento-teste com público no Ceará após a pandemia, no último mês de setembro:

Capacidade do público em eventos
O comitê da pandemia já elaborou um plano para ampliar a capacidade do público em eventos sociais no estado do Ceará. Segundo o cronograma, até o fim do ano, o estado deve permitir a realização de eventos com até cinco mil pessoas em ambientes abertos.

Atualmente, eventos sociais podem receber até duas mil pessoas em locais abertos e até 1,2 mil pessoas em ambientes fechados. A partir do dia 1º de dezembro, será permitida a realização de eventos de grande porte com até 3 mil pessoas em ambientes abertos, e 2 mil em locais fechados. Já a partir de 16 de dezembro, amplia-se a capacidade do público em eventos de grande porte para 5 mil pessoas em ambientes abertos, e 2,5 mil em locais fechados.

Atualmente, para entrar em eventos, restaurantes e bares, é necessário apresentar o passaporte da vacinação, documento que comprova que a pessoa recebeu as duas doses do imunizante contra a Covid-19, ou a dose única da Janssen.

O passaporte sanitário pode ser apresentado por meio físico (cartão de vacinação) ou por meio digital, pelo Ceará APP, ou pela plataforma Saúde Digital, ou pelo ConecteSUS ou outra ferramenta destinada para esta comprovação.

Vale ressaltar que, a partir desta segunda-feira (22), os estabelecimentos que forem flagrados não exigindo dos clientes o passaporte da vacina, poderá ser multado e ainda ter o estabelecimento interditado.

Por G1 Ceará

Rate this post
Continue lendo
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio

Mais Lidas