Conecte-se conosco

Saúde

OMS adverte que nenhum país sairá da pandemia com reforço de vacinação

Diretor-geral, Tedros Adhanom, falou em entrevista coletiva virtual.

Publicados

em

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, advertiu hoje (22) que nenhum país sairá da pandemia da covid-19 com doses de reforço de vacinas.

“Nenhum país poderá sair da pandemia com doses de reforço”, disse ele, que tem se manifestado reiteradamente contra a administração de doses adicionais de vacinas contra a covid-19 quando uma parte da população mundial, os mais pobres, especialmente na África, continua sem receber o imunizante.

Segundo o dirigente da OMS, que falou em entrevista coletiva virtual, os “programas indiscriminados de reforço” da vacinação “tendem a prolongar a pandemia em vez de acabá-la, desviando as doses disponíveis para países que já têm altas taxas de vacinação, dando assim ao vírus mais oportunidade de se espalhar e sofrer mutações”.

A advertência de Tedros Adhanom é feita quando vários países avançam com o reforço da vacinação contra a covid-19 com uma terceira dose. Israel decidiu administrar a quarta dose a pessoas com mais de 60 anos e a profissionais de saúde por causa da variante Ômicron do novo coronavírus, considerada mais contagiosa.

O médico etíope destacou que as doses convencionadas das vacinas contra a covid-19 (duas doses) “continuam eficazes” contra as variantes do SARS-CoV-2, incluindo a Ômicron, e que “a grande maioria das internações e mortes são de pessoas não vacinadas e não de pessoas que não têm doses de reforço”.

Há uma semana, Tedros Adhanom disse que não havia “provas da eficácia das doses de reforço” contra a Ômicron, que se propaga rapidamente, em ritmo sem precedentes.

De acordo com o comitê de peritos da OMS para a política vacinal, pelo menos 126 países deram instruções para a administração de uma dose de reforço ou para uma vacinação suplementar (por exemplo, de crianças), dos quais 120 já iniciaram as campanhas de inoculação com esse propósito. A maioria dos países é rica.

A covid-19 é uma doença respiratória causada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detectado no final de 2019, em Wuhan, cidade do centro da China, e que se disseminou pelo mundo.

Agência Brasil

Rate this post

Saúde

ALERTA: Vacinação infantil despenca no país e epidemias graves ameaçam voltar

Publicados

em

Embora as vacinas sejam aplicadas gratuitamente nos postos de saúde da rede pública, a imunização infantil vem caindo de forma vertiginosa no Brasil e hoje se encontra nos níveis mais baixos dos últimos 30 anos.

Em 2021, em torno de 60% das crianças foram vacinadas contra a hepatite B, o tétano, a difteria e a coqueluche. Contra a tuberculose e a paralisia infantil, perto de 70%. Contra o sarampo, a caxumba e a rubéola, o índice não chegou a 75%. A baixa adesão se repetiu em diversas outras vacinas.

Para que exista a proteção coletiva e o Brasil fique blindado contra as doenças, o recomendável é que entre 90% e 95% das crianças, no mínimo, estejam imunizadas.

A queda generalizada começou em 2015 e atingiu a pior marca em 2021. Até 2014, não havia resistência. Os pais prontamente atendiam às chamadas do Ministério da Saúde e levavam seus filhos aos postos. A cobertura vacinal costumava ficar acima dos 90%, por vezes alcançando os 100%.

Médicos das áreas de pediatria, infectologia, epidemiologia e saúde coletiva temem que, se esse quadro de baixa vacinação for mantido, o país poderá assistir a novas catástrofes sanitárias, com o ressurgimento de epidemias que eram comuns no passado. O infectologista José Cassio de Moraes, professor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, alerta:

— Estamos brincando com fogo. Ao contrário do que muita gente acredita, essas doenças não são benignas. Elas são graves e, dependendo da situação, deixam sequelas e levam à morte.

A meningite e a caxumba, por exemplo, podem causar surdez. O sarampo pode retardar o crescimento e reduzir a capacidade mental. A difteria pode levar os rins à falência. A coqueluche pode provocar lesões cerebrais. Quando a mulher contrai a rubéola na gravidez, o bebê pode nascer com glaucoma, catarata e deformação cardíaca, entre outros problemas, além do risco de aborto.

Médico desde 1971, Moraes lembra que o Hospital das Clínicas de São Paulo teve antigamente um andar inteiro destinado à internação de pacientes com paralisia infantil que, para respirar e viver, dependiam dos chamados pulmões de aço. O Hospital Emílio Ribas, também em São Paulo, reservava dois ou três andares para o isolamento dos doentes de difteria.

— O que estamos vendo é a crônica de uma tragédia anunciada — ele acrescenta. — Precisamos agir rápido para que não andemos para trás e voltemos a ser aquele Brasil dos séculos 19 e 20, que era tomado pelas epidemias e mortes.

Os primeiros sinais dessa tragédia são concretos. Em 2016, o Brasil ganhou da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) o certificado de território livre do sarampo. Naquele momento, o país vinha registrando um ou outro caso importado da doença. Logo em seguida, no entanto, o sarampo voltou com força total. Entre 2018 e 2021, o Brasil contabilizou mais de 40 mil doentes, dos quais 40 morreram. A Opas acabou retirando o certificado em 2019.

Outra face do problema é o prejuízo dos cofres públicos e a perturbação da logística vacinal: diante da baixa procura, muitas vacinas são descartadas porque alcançam o prazo de validade sem terem sido aplicadas. 

No início deste mês, a Secretaria de Saúde do Distrito Federal viu-se obrigada a momentaneamente ampliar a faixa etária da vacina contra o HPV (vírus que causa o câncer de colo de útero) para que os frascos não fossem para o lixo. Pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI), devem vacinar-se apenas meninas de 9 a 14 anos e meninos de 9 a 11 anos. O Distrito Federal ampliou a faixa feminina para 45 anos e a masculina, para 26. Só assim, às vésperas de vencer, o estoque desencalhou.

Leia a matéria completa: Clique aqui.

Fonte: Agência Senado

Rate this post
Continue lendo

Saúde

Primeira-dama do Estado visita Núcleo de Apoio à Criança Autista e discute novas parcerias em Monteiro

Publicados

em

Fotos: André Lúcio

A primeira-dama do Estado, Ana Maria Lins, visitou, na manhã deste sábado (21), o Núcleo de Apoio à Criança com Transtorno do Espectro Autista (Natea), localizado em Monteiro, no Cariri paraibano, oportunidade em que discutiu novas parcerias que ampliem o atendimento aos autistas. “Estamos muito felizes com o trabalho de inclusão social que o Natea tem desenvolvido em prol dos autistas e seus familiares”, destacou Ana Maria Lins.

Na oportunidade, Ana Maria Lins ressaltou também que o Governo do Estado está realizando o censo da pessoa com deficiência e que a perspectiva é de construir polos de atendimento especializado para autistas, a partir das demandas de cada região do estado, para que todos tenham o acesso ao atendimento garantido. “Esse tem sido um dos principais compromissos do governador João Azevedo”, lembrou ela.

O Natea de Monteiro, que é vinculado à Associação Paraibana de Inclusão da Pessoa com Deficiência (APIPCD), atende a 117 crianças do Cariri Ocidental paraibano, através de uma equipe multidisciplinar formada por psicólogos, psicopedagogos, educadores físicos e colaboradores de apoio e cuidadores desde 2019. 

Investimentos – De 2020 a 2022, o Natea recebeu pouco mais de um milhão de reais em investimentos do Governo da Paraíba, por meio de convênios e projetos, para a execução e melhoria dos atendimentos, favorecendo assistência terapêutica, educacional, clínico e assistencial.

Com isso, para 2023, o Natea já oficializou o projeto de expandir a atenção também para pacientes do Cariri Oriental e cidades circunvizinhas. “Nosso esforço tem sido grande para atender a demanda dos 16 municípios do Cariri Ocidental”, afirmou o gestor do Natea, Geraldo Souza, que também é presidente da APIPCD, lembrando que a oferta de atendimento ao autista ainda é pequena e que, com o apoio dos poderes públicos e da sociedade, essa união de forças pode mudar a realidade de muitas famílias paraibanas que convivem com o autismo.

Para a dona de casa Vânia da Silva, moradora de Monteiro, o trabalho no Natea tem sido de fundamental importância para o desenvolvimento do seu filho Brian, de cinco anos. “Aqui somos muito bem acolhidos, meu filho recebe atendimento com qualidade e amor e eu recebo orientação de como cuidar dele”, afirmou Vânia da Silva, dizendo-se grata pelos avanços conquistados no desenvolvimento motor e social de Brian. 

Já o aposentado Aleonilton Ferreira, pai de João Victor, de nove anos, a atenção que a equipe do Natea tem dispensado para seu filho tem sido comemorada por toda a família e amigos que se alegram com o comportamento da criança. “Antes do Natea, não tinha quem aguentasse esse menino. Mas hoje, a realidade é outra. Ele tem interagido e aprendido com mais facilidade. É outra criança!”, ressaltou o aposentado, durante a visita da primeira-dama Ana Maria Lins.

A visita da primeira-dama da Paraíba à Natea em Monteiro contou com a presença da equipe multidisciplinar do Núcleo, bem como da direção e alguns pais de crianças e adolescentes com autismo. Na ocasião, o gestor do Natea, Geraldo Souza, também apresentou as instalações físicas do local e alguns profissionais puderam descrever um pouco do trabalho que têm desenvolvido, além da participação dos pais de usuários, que se dispuseram a dar depoimentos de gratidão pelo apoio recebido.

Secom-PB

Rate this post
Continue lendo

Saúde

Opera Paraíba tem calendário de cirurgias eletivas em todas as regiões do estado

Confira as datas das regiões de Belém, Guarabira e demais cidades.

Publicados

em

Foto: Pixabay

O Opera Paraíba vai realizar, do dia 20 a 22 deste mês, no Hospital Regional de Patos, mais uma ação itinerante do programa, com a oferta de cirurgias gerais, de catarata e uma caravana de exames de imagem para diagnóstico de câncer mama, que será feita por meio da Rede Cuidar. A iniciativa do Governo do Estado vem interiorizando as ações de saúde e facilitando o acesso do usuário aos serviços.

“Nós já tiramos da fila de espera por uma cirurgia quase 20 mil paraibanos, e nossas ações continuam sendo expandidas com a inclusão de mais hospitais da rede ao programa, aquisição de equipamentos de ponta e ampliação das especialidades atendidas,” destacou o governador João Azevedo.

O calendário do Opera Paraíba também contempla o Hospital Regional de Itabaiana, de 23 a 25, com um mutirão de cirurgias de catarata. Já do dia 26 a 28, as cirurgias oftalmológicas acontecem no Hospital Regional de Belém, no Brejo paraibano.

Ainda na região do Brejo, o programa vai até a cidade de Guarabira, onde vai oferecer à população do município e cidades vizinhas cirurgias gerais, de catarata, e também uma caravana de exames de imagem para diagnóstico de câncer mama, assim como em Patos, através da Rede Cuidar. Os procedimentos vão acontecer de 27 a 29 de maio.

No mesmo período em que o programa acontecerá em Guarabira, também estará presente na cidade de Cajazeiras, no alto sertão. No Hospital Regional, o Opera Paraíba vai contemplar os usuários com cirurgias de hérnia e vesícula, oftalmológicas, e ainda a realização de exames de mamografia e ultrassom mamária, para o rastreio do câncer de mama.

A agricultora Marialba Mendes foi operada de  catarata no último fim de semana, em Taperoá. Ela saiu do centro cirúrgico emocionada. “Eu estou chorando, mas é de alegria, porque era muito difícil a gente conseguir uma cirurgia. Agora com o Opera Paraíba, a gente tem direito a ter saúde,” disse.

As cirurgias também ocorrem de forma permanente no Hospital de Clínicas, em Campina Grande, e nos finais de semana, no Hospital Edson Ramalho, em João Pessoa, no Hospital Geral de Queimadas, e no Hospital Geral de Mamanguape. 

Além das cirurgias gerais, agora o programa também conta com a realização de cirurgias ortopédicas, que acontecem no Hospital de Trauma de João Pessoa e também no Hospital de Clínicas.

Esse ano o programa já realizou mais de 5 mil procedimentos, sendo mais de 2 mil cirurgias só de catarata. 

“O Opera Paraíba está presente em todas as regiões do estado levando saúde e dignidade ao povo paraibano. Com a interiorização do programa, agora o paciente realiza a cirurgia que necessita de forma rápida e sem fazer grandes deslocamentos. Esse é o SUS que funciona,” pontuou o secretário executivo de saúde, Jhony Bezerra.

Secom-PB

Rate this post
Continue lendo
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio

Mais Lidas