Conecte-se conosco

Brasil

Religiosos pedem liberdade e respeito em caminhada no Rio

Fotos: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Publicados

em

A Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa chegou hoje (15) à sua décima segunda edição, reunindo na Praia de Copacabana representantes de todos os segmentos religiosos. Este ano, o evento contou com a participação de pastores afro-americanos da Igreja Luther King, de Atlanta, Estados Unidos, e de Arabá Agbaye Olu Isese de Ilè Ifè, considerado o sacerdote supremo de Ifá na Nigéria.

A caminhada é organizada pela Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR) e o Centro de Articulação de Populações Marginalizadas (CEAP) e levou a mensagem de “respeito à democracia, ao Estado laico, aos direitos humanos e às liberdades”. Segundo disse à Agência Brasil o babalaiô Ivanir dos Santos, presidente da CCIR e conselheiro do CEAP, o Brasil está vivendo um momento muito ruim, onde cresceu a intolerância religiosa, o racismo, a homofobia, “que são uma ameaça à diversidade”.

Essa é a maior mensagem do evento, que pretende levar às autoridades o pleito de que sejam tomadas medidas contra os ataques que os templos do candomblé sofrem nas comunidades carentes do estado e do país. “A nossa esperança também está nessa direção. E acordar a sociedade, que precisa se posicionar, dizer que não aceita isso, que está junto conosco em um momento como esse”.

Novo desenho

Ivanir dos Santos destacou que o evento deste domingo tem um desenho diferente dos anteriores porque “a maçonaria se mobilizou, os escoteiros estão trazendo uma delegação grande”. Além disso, as escolas de samba Estação Primeira de Mangueira e Grande Rio também têm representantes, uma vez que o enredo das duas gremiações tem a ver com intolerância. “Todo mundo envolvido”.

Também aderiram setores populares, como a cultura. Outra novidade deste ano foi que adeptos do candomblé usaram cocares de penas na abertura da caminhada, remetendo aos animais da Amazônia que devem ser preservados. “Porque, para nós, a natureza é sagrada. Somos religiões que reverenciamos a natureza”, disse o babalaiô.

12ª Caminhada Nacional em Defesa da Liberdade Religiosa, na orla de Copacabana, zona sul da cidade.

União

Na avaliação de Patricia Carvalho, da organização budista Brahma Kumaris, a principal lição que a caminhada dá é mostrar, através de ações concretas, que é necessário ir além das diferenças e eleger e trabalhar por aquilo que todas as religiões têm em comum, que são os valores humanos, entre os quais a paz, a liberdade e a união. “Porque afinal de contas, a religião, na prática, é isso. É ir além dos dogmas, da filosofia, das diferenças, e juntar as mãos e trabalhar por aquilo que todos nós temos em comum”.

O pastor evangélico Vitor Louredo, da Igreja GAE – Missões, observou que o país está vivendo um momento crítico em relação à intolerância religiosa, principalmente contra as religiões de matriz africana, que vêm sofrendo ataques. “É importante essa luta para que o respeito e o amor prevaleçam na sociedade, que é o que tem faltado”. De acordo com Louredo, tem muita onda de intolerância vinda de evangélicos.

Por isso, afirmou que sua participação é também para mostrar que nem todos os evangélicos abraçam esses ataques. “Muitos evangélicos ainda estão lutando pelo amor, pelo respeito; são contra essa onda. Acho que o Estado laico e o direito religioso não são só para o outro. São para mim também. Ao mesmo tempo que eu não gostaria de ser perseguido, também não quero que outros sejam perseguidos”. Deixou claro que o seu direito termina quando começa o direito do outro. “Não posso querer só liberdade para mim e não querer do outro; querer só privilégios, porque eu não gostaria que fosse o contrário”.

Todos iguais

Uma das faixas carregadas pelos religiosos deixava bem claro: “Somos todos iguais perante Cristo”. O diácono Nelson Águia levou a mensagem do cardeal do Rio de Janeiro, Dom Orani Tempesta, para a caminhada, cuja importância disse ser muito grande. “Porque hoje nós temos, mais do que nunca, no passado, agora, no presente, nós temos que nos respeitar. Cada um tem o direito de seguir a religião que quer, do modo que quer e se relacionar com Deus como quer. Deus é Deus e se manifesta da maneira que quer, onde ele quer e com quem ele quer”.

O diácono da igreja católica destacou que nenhuma religião é proprietária de Deus. “Ele é compartilhado por todos”. Recomendou que se deve ver sempre o que o outro tem de bom, e não aquilo que tem de ruim. “Nós temos que construir pontes e não elevar barreiras. É importante que essa manifestação hoje aqui possa mostrar à sociedade o que as religiões pensam e que querem caminhar juntas. Nós queremos respeito por parte da sociedade, por parte da política, por parte do governo, do Estado. Nós queremos respeitar e sermos respeitados”, disse.

Na avaliação da pastora da igreja luterana Luzmarina Garcia, a importância dessa caminhada é enorme. “Porque, na verdade, nós estamos vivendo uma situação de tanta violência religiosa que precisamos dar um testemunho positivo de que é possível conviver, é possível se respeitar e entender que as diferenças fazem parte de uma sociedade democrática e que tem muitas religiões, como a sociedade brasileira”. Luzmarina considerou que o evento dá o testemunho positivo de que, todo mundo junto, se faz uma sociedade melhor.

Agência Brasil

Brasil

Covid-19: Brasil tem mil novas mortes e total chega a 21.048

País registra 330.890 casos; 135.430 pessoas estão recuperadas

Publicados

em

O Brasil registrou 1.001 novas mortes, chegando ao total de 21.048. O resultado representou um aumento de 4,9% em relação a ontem(21), quando foram contabilizados 20.047 mil falecimentos por covid-19. Os números foram divulgados no balanço do Ministério da Saúde divulgado hoje (22).

A letalidade (número de mortes por casos confirmados) ficou em 6,4%. Já a letalidade (número de mortes pela população) foi de 10.

Foram registradas 20.803 novas pessoas infectadas com o novo coronavírus, somando 330.890. O resultado marcou um acréscimo de 6,7% em relação a ontem, quando o número de pessoas infectadas estava em 310.087.

Do total de casos confirmados, 174.412 (52,7%) estão em acompanhamento e 135.430 (40,9%) foram recuperados. Há ainda 3.552 óbitos sendo analisados.

São Paulo se mantém como epicentro da pandemia no país, concentrando o maior número de falecimentos (5.773). O estado é seguido pelo Rio de Janeiro (3.657), Ceará (2.251), Pernambuco (2.057) e Pará (1.937).

Além disso, foram registradas mortes no Amazonas (1.669), Maranhão (693), Bahia (399), Espírito Santo (397), Alagoas (280), Paraíba (248), Minas Gerais (201), Rio Grande do Norte (181), Rio Grande do Sul (172), Amapá (157), Paraná (146), Rondônia (106), Santa Catarina (100), Piauí (93), Goiás (93), Distrito Federal (90), Roraima (83), Sergipe (82), Acre (80), Tocantins (49), Mato Grosso (37) e Mato Grosso do Sul (17).

Já em número de casos confirmados, o ranking tem São Paulo (76.871), Ceará (34.573), Rio de Janeiro (33.589), Amazonas (27.038) e Pernambuco (25.760). Entre as unidades da federação com mais pessoas infectadas estão ainda Pará (21.469), Maranhão (17.212), Bahia (12.557), Espírito Santo (9.520) e Paraíba (6.882).

Boletim epidemiológico covid-19

Boletim epidemiológico covid-19 – Ministério da Saúde


Comparação internacional

Na comparação absoluta, de acordo com o mapa da universidade dos Estados Unidos Johns Hopkins, o Brasil passou a Rússia (326.448) e agora ocupa a segunda posição no número de casos confirmados, atrás apenas dos Estados Unidos (1,596 milhão). Já em número de mortes o país segue na sexta colocação, atrás de França (28.218), Espanha (28.628), Itália (32.616), Reino Unido (36.475) e Estados Unidos (95.847).

Como o Brasil possui uma população maior que parte destes países, na avaliação de indicadores proporcionais, a posição no ranking desce. De acordo com o Ministério da Saúde, até ontem o país era o 55º em incidência de caso (número de caso em relação à população) e o 28º em mortalidade (quantidade de falecimentos em relação à população).

Agência Brasil

Continue lendo

Brasil

Covid-19: Brasil passa dos mil óbitos em 24 horas

Foram registradas 1.179 mortes em 24 horas; o número de confirmações também deu um salto no mesmo período, com 17.408 casos

Publicados

em

Foram registradas 1.179 mortes de ontem para hoje; o número de confirmações também deu um salto no mesmo período, com 17.408 casos

O Ministério da Saúde atualizou, na noite desta terça-feira (19), os dados sobre a pandemia do novo coronavírus no país. Até o momento, são 17.971 óbitos registrados e 271.628 casos confirmados.

Em 24 horas, o país registra 1.179 óbitos em decorrência da doença, esse é o maior número até então. No mesmo período, foram confirmados 17.408 novos casos. Ainda segundo a atualização da pasta, há 146.863 pessoas em acompanhamento. Até o momento, 106.794 se recuperaram.

Com o aumento no número de ocorrências, o Brasil agora é o 3º país com mais casos confirmados de Covid-19 no mundo, ultrapassando Reino Unido, Espanha e Itália, ficando atrás agora somente da Rússia e Estados Unidos, de acordo com o ranking da Universidade Johns Hopkins

Reprodução

Atualização de casos do novo coronavírus no Brasil (19/05/2020). Foto: Ministério da Saúde

Quarentena estendida

A fim de conter o avanço da doença, o governo de São Paulo ampliou a quarentena no estado até dia 31 de maio. Seguindo o anúncio do governador, o prefeito Bruno Covas afirmou que o período de isolamento também será estendido na capital pelo mesmo período. 

Situação no mundo

O novo coronavírus já infectou mais de 4,8 milhões de pessoas em todo o mundo, um marco alcançado apenas seis meses após ter surgido na cidade chinesa de Wuhan. O número de mortos pela Covid-19 alcançou a marca de 321 mil mundialmente. Mais de 1,8 milhão de pessoas se recuperaram da doença.

Impacto regulatório

A InteliGov, startup de monitoramento parlamentar, criou um site de monitoramento automático e parametrizado do Diário Oficial da União e do Legislativo (federal, estadual e municipal) em tempos de crise. Nele, é possível ver todas as menções à Covid-19 no Diário Oficial da União (DOU).

Pioneira na automação do monitoramento de informações governamentais, a InteliGov usa sua tecnologia para atualizar automaticamente as informações a cada hora, no caso do DOU, e diariamente, quanto às iniciativas do Legislativo.

Todo material disponível é gratuito, e dividido em duas categorias: ‘publicações na imprensa oficial’ e ‘proposições legislativas’.

Olhar Digital

Continue lendo

Brasil

Ministro da Cidadania descarta Auxílio Emergencial até o fim do ano

Lorenzoni também revelou que o presidente Jair Bolsonaro deve manter o general Eduardo Pazuello como ministro interino da Saúde

Publicados

em

Foto: Reprodução/Google

Em entrevista ao programa Arapuan Verdade, da Rádio Arapuan FM, o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, falou sobre as ações do Governo Federal de combate à pandemia do Coronavírus.

Onyx também defendeu o equilíbrio entre a saúde e a economia e fez críticas a gestores que tomaram medidas que prejudicaram empregos em todo o país.

“Tem que buscar o equilíbrio e não fazer como milhares de prefeitos fizeram no Brasil que queriam fechar as cidades. São simplistas e eu acho que são irresponsáveis”, disparou.

O ministro citou ainda medidas de enfrentamento ao Coronavírus para ajudar os municípios paraibanos e afirmou que o Governo federal não pretende estender o Auxílio Emergencial até o fim do ano.

“O Auxílio foi calculado por três meses porque no histórico das epidemias no século XX, elas duram em média doze semanas entre o surgimento, a disseminação e a queda. Em vários lugares do Brasil nós já passamos do pico e já estamos na queda. Mas como o Brasil é um país continental e nós temos o Norte/Nordeste em fase de expansão, parece que a doença dura mais. Então até o presente momento nós temos isso”, explicou o ministro.
Lorenzoni também revelou que o presidente Jair Bolsonaro deve manter o general Eduardo Pazuello como ministro interino da Saúde.

De acordo com ele, Bolsonaro não tem pressa para indicar um sucessor de Teich e vai refletir sobre um futuro nome para a pasta.

“O general Pazuello vai surpreender o Brasil. É um grande gestor. O presidente não tem pressa nenhuma e ele vai ter um bom tempo pra fazer uma boa reflexão e vai escolher bem como escolheu sempre a maioria dos ministros”, afirmou Onyx.

Clique AQUI e ouça entrevista

Do Polêmica Paraíba

Continue lendo
Apoio

Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio

Mais Lidas