Conecte-se conosco

Saúde

Você viu? Fisioterapia não oferece riscos para pacientes com câncer de mama

Estudo do Inca mostra benefícios na movimentação de ombros e braços

Publicados

em

Estudo feito pelo Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca) com 461 mulheres operadas de câncer de mama ao longo de um ano confirmou que não há riscos para a realização de exercícios livres, acima do ombro, na rotina do pós-operatório para essas pacientes. Os pesquisadores afirmam que exercícios de ombro são seguros e trazem benefícios para a vida das pacientes. Os resultados do estudo foram publicados na revista Breast Cancer Research and Treatment.

A pesquisa foi conduzida pela fisioterapeuta e doutoranda do Inca, Clarice Gomes Chagas Teodózio, sob orientação da pesquisadora e fisioterapeuta Anke Bergmann e do pesquisador Luiz Cláudio Santos Thuler. 

Anúncio


“Com esse estudo, confirmamos que o movimento acima da altura do ombro, que a gente intitulou como movimento livre, não significa que é completo. Significa que a paciente vai fazer exercícios até o limite do desconforto dela”, disse Erica Alves Nogueira Fabro, responsável pelo Serviço de Fisioterapia do Hospital do Câncer III, do Inca.

Erica Fabro esclareceu que o próprio organismo da paciente vai dar a noção do que é desconfortável para ela. Os exercícios começam no dia seguinte à cirurgia. As fisioterapeutas tiram as pacientes do leito pela manhã e orientam para que elas façam os exercícios várias vezes ao dia, mas com poucas repetições, de modo a manter a lubrificação natural no ombro, para não ter nenhuma restrição futura do movimento.

“Porque, teoricamente, a gente não sabe qual vai ser o seguimento do tratamento. Tem algumas pacientes que vão precisar fazer radioterapia e a nossa preocupação é que elas tenham o movimento completo. A gente não quer atrasar o processo de cura das pacientes, mas adiantar seu retorno à vida normal, ao trabalho, ou seja, fazer as pacientes voltarem às suas atividades do dia a dia e se sentirem independentes”, afirmou a chefe do Serviço de Fisioterapia do Hospital do Câncer III.

Segundo informou a especialista, exercícios na altura do ombro correspondem a 90 graus. Acima, pode ser que uma paciente consiga ir até 120 graus e outra até 180 graus, que seria o movimento completo.

Atividades domésticas

Erica informou que a média é de cinco pacientes operadas por dia no Hospital do Câncer III, de segunda a sexta-feira, o que resulta entre 25 a 28 cirurgias de câncer de mama na unidade, por semana. Antes da pandemia, a média era em torno de sete pacientes por dia.

As pacientes que fazem cirurgia abordando os linfonodos da axila ou retirando a mama toda realizam essa rotina nova com a equipe do Inca. As únicas pacientes que não iniciam exercícios acima do ombro são as que fazem reconstrução mamária e cirurgia plástica. “Essas [pacientes que passaram por reconstrução de mama] a gente não libera imediatamente. Só depois que está cicatrizado. Para essas, a gente mantém 90 graus ainda”. Essas pacientes não fizeram parte da pesquisa e, por isso, a nova rotina não pode ser estendida para elas.

Erica salientou, por outro lado, que não são liberadas ações como varrer, pegar peso, arear panela. “Nenhum movimento brusco nem repetitivo. A gente só quer um movimento para ela ter independência para tomar banho sozinha, fazer a higiene pessoal sozinha, se alimentar sozinha”. Só depois de trinta dias, a equipe de fisioterapia vai liberando aos poucos o retorno das pacientes às atividades domésticas.

O presidente da Sociedade Brasileira de Mastologia Regional Rio de Janeiro (SBM-RJ), Rafael Machado, confirmou que a fisioterapia no pós-operatório e o exercício físico regular diário depois do tratamento dão às mulheres operadas de câncer de mama maior sobrevida e melhor qualidade de vida em comparação a mulheres sedentárias. “É fundamental”, afirmou.

Rafael Machado destacou que o câncer de mama constitui um problema de saúde pública no Brasil. Por isso, ele defende que o tema seja debatido de forma contínua e não somente durante o Outubro Rosa, quando o mundo todo fala da conscientização sobre a doença. De acordo com o Inca, são estimados 66.280 casos novos de câncer de mama para cada ano do triênio 2020-2022. Esse valor corresponde a um risco estimado de 61,61 casos novos a cada 100 mil mulheres.

Novos tratamentos

Os novos tratamentos para câncer de mama incluem as chamadas drogas-alvo – direcionadas a subtipos tumorais específicos. Esses medicamentos permitem fazer a chamada oncologia de precisão, que resulta em tratamentos individualizados para a paciente, frente ao subtipo tumoral que ela tem.

O presidente da SBM-RJ defendeu também que a abordagem às pacientes com câncer de mama deve ser multidisciplinar, envolvendo desde ginecologista, mastologista, psicólogo, fisioterapeuta, nutricionista, entre outros profissionais.

Agência Brasil

Rate this post
Anúncio


Apoio

Saúde

Primeira-dama da Paraíba conhece Hospital da Mulher e destaca importância da obra na saúde da população feminina

Publicados

em

Fotos: José Marques/Secom-PB

A primeira-dama da Paraíba, Ana Maria Lins, conheceu, no fim da manhã desta sexta-feira (1°), em João Pessoa, a obra de construção do Hospital da Mulher. Localizada no bairro de Cruz das Armas, em João Pessoa, a unidade hospitalar suprirá uma lacuna existente há décadas na atenção à saúde da mulher no Estado, oferecendo obstetrícia e prevenção a outras doenças, com foco na oncologia — os investimentos são da ordem de R$ 120 milhões.

Durante a visita, juntamente com o governador em exercício Lucas Ribeiro, Ana Maria Lins ressaltou a importância do equipamento para as mulheres paraibanas, com atendimento de casos de alta complexidade, urgência e emergência, além  de ser uma maternidade, com um novo modelo de atenção ao parto, nascimento e à saúde da criança com a implementação de uma rede de atenção que garanta acesso, acolhimento e resolutividade, reduzindo, assim, a mortalidade materna e neonatal.

Anúncio


A primeira-dama do Estado comentou que a unidade atenderá as especialidades de obstetrícia, ginecologia, mastologia e irá disponibilizar um centro diagnóstico e de imagem de alta resolução, passando a cuidar da saúde integral da mulher em todos os ciclos da vida, tanto na assistência hospitalar como também na ambulatorial, com serviços de prevenção e orientação integrais. E que também serão oferecidos serviços de urgência e emergência 24h, serviço de referência ao Atendimento de Vítimas de Violência Sexual, com consultórios exclusivos por perfil da paciente e ambulatório de egressa do pré-natal de alto risco.

A segunda-dama Camila Mariz, que também participou da visita ao hospital externou sentimento de gratidão pela obra que será entregue em breve à população paraibana. “É muito gratificante estar neste time conduzido pelo governador João Azevêdo e por Lucas Ribeiro. O Hospital da Mulher será também o hospital da família, onde as mães da Paraíba vão ter toda a assistência na hora de dar à luz, seus bebês vão ter todo um acompanhamento. Além disso, a mulher paraibana vai ter acesso também à prevenção”, disse.

A superintendente da Suplan, Simone Guimarães, falou do caráter humano da obra. “É mais uma obra que foi pensada visando à humanização, principalmente porque se destina à população feminina, a nós mulheres. Particularmente, estou muito feliz por essa grande obra que nós, que fazemos o Governo da Paraíba, vamos ter o prazer de entregar muito em breve”, comentou.

A secretária de Estado da Mulher e Diversidade Humana, Lídia Moura, outra auxiliar presente na visita, externou alegria por uma obra destinada às mulheres. “Esse equipamento não fazia parte do plano de governo do governador João Azevêdo, mesmo assim ele está entregando para a população paraibana um equipamento tão importante, que representa algo muito valioso para nós, mulheres: o acolhimento. Fico muito feliz por, com o Hospital da Mulher, ser fortalecido  mais um direito da mulher, que é o acesso à saúde”, comentou.

Também participaram da visita às obras do Hospital da Mulher a secretária-executiva da Saúde, Renata Nóbrega; a senadora Daniella Ribeiro; o diretor-técnico da Suplan, Luiz Rabelo, entre outros auxiliares da gestão estadual e autoridades.

Atendimento humanizado — Com mais de 14 mil metros quadrados de área construída, o Hospital da Mulher será referência na saúde da população feminina da Paraíba e vem suprir uma lacuna histórica. Serão investidos mais de R$ 120 milhões, entre a construção do prédio e os equipamentos necessários para o funcionamento.

O grande objetivo da unidade é oferecer à mulher acesso a serviços qualificados, assim como demais níveis de atenção à saúde da mulher, com urgência e emergência — tudo em conformidade com o que está instituído na Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (MS/2004).

O Hospital da Mulher terá, ainda, ambulatório, banco de leite humano, centro de imagem, centro de parto normal, centro cirúrgico obstétrico, Unidade de Terapia Intensiva (adulto e neonatal), unidade de cuidado intermediário (adulto, convencional e canguru). Ao todo, são 203 leitos.

Secom

Rate this post
Anúncio


Continue lendo

Saúde

Opera Paraíba realiza 60 cirurgias pediátricas de otorrinolaringologia

Publicados

em

Foto: Arquivo/Secom-PB/ilustração

O Programa Opera Paraíba, iniciativa do Governo do Estado, para reduzir o tempo de espera por cirurgias eletivas e agilizar o atendimento da população, realizou 60 cirurgias pediátricas no Hospital de Clínicas de Campina Grande. A ação ocorreu nesse fim de semana (24 e 25). Os procedimentos incluíram desde a remoção de amígdalas e adenoides, até correções de problemas nasais. 

Entre as 60 crianças beneficiadas com esta edição do programa, está Geyslla de Souza, de 5 anos, da cidade de Aroeiras. Daiane de Souza Gomes, mãe da menina, conta que a filha tinha várias crises de garganta, por mês, e vivia no antibiótico e indo a hospitais. Agora, ela está confiante com o resultado da cirurgia e espera que filha leve uma vida normal como qualquer outra criança. “Eu espero uma qualidade de vida melhor, que ela possa desfrutar de muitas coisas geladas, como sorvete, picolé, que ela gosta muito”, comemora.

Anúncio


Para o diretor-geral do Hospital de Clínicas, Thyago Morais, o Governo da Paraíba, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES), vem fortalecendo o atendimento pediátrico para atender à demanda da população. “Recebemos as crianças com atividades com atenção especial para que não seja um processo traumático. Com as cirurgias, as crianças que antes não podiam brincar, agora podem ter uma infância tranquila”. 

Igor da Silva Costa , pai de Williany Thaynara, da cidade de Guarabira, conta que a filha vivia na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) tomando antibiótico por conta das crises. “Agora, ela vai ter mais liberdade, vai poder tomar um sorvete, vai ficar livre de tantos antibióticos”, conta o pai.

O Opera Paraíba é um programa do Governo do Estado que já atendeu mais de 90 mil pessoas com cirurgias de baixa, média e alta complexidade. Para ser atendido, o usuário deve procurar as Secretarias de Saúde de cada município ou fazer o cadastro acessando a página operaparaiba.pb.gov.br.

Secom

Rate this post
Anúncio


Continue lendo

Saúde

Governo da Paraíba avança na pactuação de parceria na gestão dos Hospitais Universitários

Publicados

em

Foto: Secom-PB

secretário de Saúde da Paraíba, Jhony Bezerra, participou, nessa quarta-feira (21), da reunião com a presidência do Conselho de Secretários Municipais de Saúde (Cosems-PB), superintendências dos Hospitais Universitários da Paraíba (HU) e vice-presidência da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), para avançar nas tratativas da parceria do Governo do Estado nos contratos já vigentes com os municípios de João Pessoa, Campina Grande e Cajazeiras. O objetivo da pactuação é ampliar a oferta de serviços das unidades de saúde, melhorando a assistência da média e alta complexidade.

De acordo com o gestor, o Governo da Paraíba liberou R$ 30 milhões para investir nos Hospitais Universitários. Ele explica que o recurso está sendo pactuado com a Ebserh para ser utilizado na contratação de procedimentos e serviços nessas unidades, que não fazem parte dos contratos atuais com os municípios de João Pessoa, Campina Grande e Cajazeiras. Durante a agenda dessa quarta, foi discutido quais procedimentos podem ser pactuados pelo Estado.

Anúncio


“O Governo do Estado agora passará a ser um parceiro desses contratos de gestão que já existem. Dos R$ 30 milhões investidos, serão aportados R$ 6 milhões para o HU de Cajazeiras, R$ 12 milhões para o HU de Campina Grande e mais R$ 12 milhões para o HU de João Pessoa”, pontuou.

O vice-presidente da Ebserh, Daniel Beltrammi, frisou que esse é um passo importante para o Sistema Único de Saúde da Paraíba. “Respeitando as contratualizações existentes, vamos ter um suplemento estadual, por meio de uma interveniência, para que os Hospitais Universitários possam cuidar mais e melhor dos paraibanos e paraibanas”, destacou.

A agenda ocorreu na sede da SES, em João Pessoa. Para o próximo encontro, ficou encaminhada a definição dos procedimentos que poderão ser contratualizados pelo Governo da Paraíba. A previsão é que os contratos sejam assinados já em março.

Fonte: Secom-PB

Rate this post
Anúncio


Continue lendo
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio

Mais Lidas