Conecte-se conosco

Brejo/Agreste

Fórum de assentados denuncia que violência migrou da cidade para o campo

Publicados

em

Uma comissão de 20 agricultores ligados ao Fórum dos Assentados dos Municípios de Areia, Pilões, Serraria e Remígio procurou a Superintendência Regional do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária na Paraíba (Incra/PB), na quarta-feira (4), para denunciar o aumento dos casos de furtos, de roubos e de violência doméstica na zona rural da região do Brejo paraibano. Representando os 12 assentamentos ligados ao Fórum, assentados, acompanhados de lideranças políticas e de representantes do Serviço de Educação Popular (Sedup), entregaram uma carta de reivindicações ao superintendente da autarquia no estado, Rinaldo Maranhão.

O documento foi resultado do seminário “Segurança pública no campo: ameaças e desafios que refletem na agricultura familiar”, realizado no Assentamento Socorro, no município de Areia, em dezembro de 2017, que contou com a participação de agricultores assentados, representantes de movimentos sociais do campo e de entidades e instituições como sindicatos rurais, o Polo Sindical da Borborema, a Delegacia Móvel da Mulher do Estado da Paraíba, a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Humano (SEDH), a Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e a Universidade Federal de Campina Grande (UFCG).
Uma das representantes do Fórum é a mestre em Pedagogia Conceição Cristina Pereira da Silva, que vive no Assentamento Socorro, em Areia, e se graduou em Pedagogia na Universidade Estadual de Pernambuco (UPE) através do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera). Segundo ela, assim como nas grandes cidades, é grande o clima de insegurança nas áreas rurais da Paraíba.
“Estamos perdendo nossos bens e nossa tranquilidade devido à falta de segurança pública no campo e à falta de efetivação de algumas políticas públicas”, afirmou Cristina da Silva, que também integra o Fórum Estadual de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres do Campo e da Floresta do Estado da Paraíba, criado em 2015.
Um dos principais interesses dos bandidos, conforme os representantes do Fórum, são os motores usados para a irrigação das lavouras.
“A violência da cidade grande está migrando para o campo e vem causando muitos prejuízos aos agricultores familiares. Precisamos buscar, em conjunto com os órgãos da área de segurança, implementar medidas que devolvam a tranquilidade aos nossos agricultores”, afirmou Rinaldo Maranhão.
Para discutir a efetivação de políticas públicas de segurança aplicáveis à zona rural do estado, ficou acordado, durante a reunião na Superintendência do Incra/PB, que a autarquia entrará em contato com a Secretaria da Segurança e da Defesa Social da Paraíba (Seds) para agendar um encontro com a participação de representantes do Incra e da comissão do Fórum dos Assentados dos municípios de Areia, Pilões, Serraria e Remígio.

 

Sem delegacias da mulher no interior
Cristina da Silva destacou ainda que a violência também tem crescido dentro das casas das famílias assentadas na Paraíba. Segundo ela, as agricultoras enfrentam ainda mais dificuldades para denunciar seus agressores, que, em sua maioria, são seus próprios companheiros, devido à cultura do machismo e à inexistência de delegacias de polícia especializadas no atendimento às mulheres na grande maioria dos municípios do interior da Paraíba.
“Temos relatos de mulheres assentadas que foram vítimas de violências domésticas praticadas por seus companheiros e que se sentiram violentadas mais uma vez devido ao péssimo atendimento que receberam nas delegacias não especializadas, que geralmente não atendem de forma adequada as mulheres que sofrem com este tipo de violência”, afirmou Cristina da Silva.
Ela ressaltou que o Fórum dos Assentados dos municípios de Areia, Pilões, Serraria e Remígio já possui uma parceria com a Seds e com a Secretaria de Estado da Mulher e da Diversidade Humana (Semdh) para a promoção de palestras sobre violência doméstica e para a orientação acerca dos procedimentos que devem ser adotados nos casos concretos.
Assessoria

Brejo/Agreste

Bananeiras e Solânea entram em colapso no abastecimento de água e contas serão suspensas

Publicados

em

Foto: Reprodução

A Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa) comunica aos clientes de Solânea e Bananeiras que essa será a última semana de abastecimento de água nas cidades, em virtude do esvaziamento da barragem de Canafístula.

O manancial está com apenas 2,16% de sua capacidade, de acordo com o registro feito pela Aesa, no dia 03/09/2021. Diante desse cenário, a empresa informa, mais uma vez, o colapso do abastecimento dessas cidades a partir do mês de setembro de 2021.

Comunica ainda que o faturamento será suspenso a partir deste mês de setembro.

Por fim, a companhia está buscando alternativas de apoiar às prefeituras no enfrentamento à crise, como perfuração de poços, doação de reservatórios e distribuição de água por meio de carros pipas.

Blog do Felipe Silva

Continue lendo

Brejo/Agreste

Ex-gestora do FMS de Alagoa Grande, citada em denúncia do MPPB emite Nota Pública

Confira a NOTA PÚBLICA na íntegra

Publicados

em

Nesta segunda-feira (06), foi publicado nas redes sociais uma NOTA PÚBLICA assinada em nome da ex-gestora do Fundo Municipal de Saúde de Alagoa Grande, Emanuelle da Costa Chaves Trindade, citada em denúncia do Ministério Público de Alagoa Grande na operação Papel Timbrado.

De acordo com o MPPB, a Operação Papel Timbrado foi deflagrada em 2014 com o objetivo de desmantelar organização criminosa composta, notadamente, por empresários (com apoio de auxiliares técnicos [engenheiros e contadores], colaboradores e “laranjas”) e operadores que haviam criado (e vinham se utilizando) empresas “fantasmas” e “de fachada” para fraudar licitações públicas e desviar os recursos delas provenientes.

Confira abaixo a NOTA na íntegra.

Da redação Brejo.com

Continue lendo

Brejo/Agreste

Guarabira poderá ganhar empresa que oferecerá 350 vagas de empregos

Publicados

em

O secretário Chefe do Governo do Estado da Paraíba, Roberto Paulino recebeu, em audiência no Palácio da Redenção na quinta-feira (2), o diretor da Empresa Atacadão Almirante, Edeilson Silva. O empresário, segundo Paulino, pretende instalar um centro de distribuição na cidade de Guarabira e oferecer 350 empregos diretos.

O diretor da empresa, segundo o secretário, solicitou ocupar o prédio onde estava instalada a Fábrica da Alpargatas, próximo ao Parque do Poeta, na saída de Guarabira para Pirpirituba. O empresário procurou Roberto Paulino para ele fizesse a intermediação da pauta com o governador João Azevêdo.

Depois do encontro, Paulino disse que vai levar o assunto ao governador, discutir a questão com os diretores da Cinep (Companhia de Desenvolvimento da Paraíba) e tentar viabilizar a concessão do prédio onde funcionava a Alpargatas em Guarabira.

O secretário Chefe do Governo revelou ainda já ter discutido o assunto com o deputado estadual Raniery Paulino, que se mostrou muito interessado em levar a pauta ao governador João Azevêdo, sobretudo por se tratar de empreendimento gerador de empregos para a Rainha do Brejo paraibano.

Nas décadas de 80/90, Roberto Paulino, através do governador José Maranhão, foi quem viabilizou a instalação da Alpargatas em Guarabira. Como a fábrica deixou de funcionar na cidade, houve um grande prejuízo em termos de emprego e renda.

Em resposta ao contato feito pela editoria de Fato a Fato, o secretário Chefe do Governo do Estado da Paraíba afirmou que “o momento é de dá as mãos, somar esforços e lutar pela vinda dessa empresa (Atacadão Almirante) para Guarabira. Roberto Paulino disse acreditar na sensibilidade do governador a respeito do assunto.

Do FatoaFato

Continue lendo
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio

Mais Lidas