Conecte-se conosco

Variedades

Guarabira ganha destaque internacional em programa sobre discos-voadores no History Channel

Publicados

em

A cidade de Guarabira, no brejo paraibano, vai virar destaque em uma série internacional original do canal History. No dia 7 de dezembro, às 23h20, relatos de aparições de objetos voadores não identificados vão ganhar o mundo em “De carona com os OVNIs”, apresentado por Fred Morsch.

A Rainha do Brejo, aliás, é velha conhecida dos ufologistas. A revista Superinteressante, por exemplo, publicou em 2016 que Guarabira é parada obrigatória para quem quer ver ETs – ou ser abduzido por eles. “Dizem os ufólogos que a cidade, vista do alto, tem o formato de um disco. E que, por isso, no passado teria sido um local de pouso de óvnis. Depois de diversos casos,inclusive o de uma enorme sombra triangular pairando sobre Guarabira, em 1996, a maioria dos moradores se oferece para dar informações e guiar turistas curiosos”.

Além dos chamados “hot spots” (saiba mais abaixo), Guarabira também levará às telas o relato de alguns moradores que vivenciaram experiências com os OVNIs. O episódio, contudo, ainda não tem data divulgada para ser exibido.

Confira a informações oficiais sobre a série:

Hot Spots é o nome dado aos locais em que foram relatadas, ao longo de décadas, manifestações diversas, como , abduções, ataques com luzes, desenhos enigmáticos em plantações (os chamados crop circles) e até avistamentos. O Brasil é um dos países com a maior concentração de Hot Spots do mundo. De norte a sul do país, esses locais de intensa atividade ufológica se tornaram roteiros para um tipo diferente de turismo. A nova série original do HISTORY, De Carona Com os Óvnis, acompanha o mochileiro ufológico Fred Morsch em uma viagem a esses Hot Spots. Curioso e interessado, Fred está determinado a apresentar ao público os notórios acontecimentos envolvendo extraterrestres, trazendo à tona as evidências existentes.

De Carona Com os Óvnis, coprodução do HISTORY com a Clip Produtora, faz uma busca pelos céus e estradas brasileiros e apresenta entrevistas com moradores, personagens reais e testemunhas de eventos inexplicáveis, comentados por especialistas do fenômeno UFO. Entre os lugares visitados estão Itapoá (SC), Chapada Diamantina (BA), Peruíbe (SP), Quixadá (CE), São Thomé das Letras (MG), Chapada dos Veadeiros (GO), Ilha de Colares (PA) e Minas do Camaquã (RS).

O mochileiro ufológico pesquisará documentos e provas materiais, analisando artefatos e supostos indícios de vida extraterrestre. Além disso, fará vigílias noturnas, preparado para receber sinais vindos das estrelas. Conseguirá ver um óvni? E fazer contato com seres alienígenas? A única certeza da série De Carona Com os Óvnis é que Fred visitará os locais mais “quentes” do Brasil e pedirá carona a qualquer veículo intergaláctico que aparecer em seu caminho.

As gravações foram realizadas de setembro de 2017 a janeiro deste ano, em locais lindos, porém, de difícil acesso. “A equipe percorreu o Brasil do Rio Grande do Sul ao Pará e teve de lidar com muitas dificuldades: um assalto à mão armada no primeiro dia, muitas viagens por estradas de terra, e até um diagnóstico de câncer, já superado. Mas tudo foi compensado com os depoimentos impressionantes que conseguimos captar e quando a produção avistou óvnis na Chapada Diamantina e em Minas do Camaquã”, conta o produtor executivo Leo Sassen.

Na estreia, dia 7 de dezembro, o HISTORY exibe dois episódios:

Em A estrada Cornelsen e os olhos do dragão, o mochileiro ufológico investiga o caso da neblina alienígena e do chupa-cabras, em Itapoá (SC) e Campina Grande do Sul (PR). Um curto trecho de estrada coberto por uma densa neblina na divisa de Santa Catarina com o Paraná. Fenômeno que precede o surgimento de naves triangulares e panes elétricas nos carros da região. Seria a mesma neblina relatada durante a longa caçada ao chupa-cabras no início dos anos 90? Estaria uma coisa ligada à outra? Tarefa para o mochileiro Fred tentar desvendar, assim que refizer as pegadas de um obcecado pesquisador que, ao longo de meses, reuniu incríveis provas da estranha criatura responsável por vitimar centenas de animais em chácaras de três estados do país.

Em seguida, no também inédito A base alienígena, chega a vez de investigar o caso da mineração extraterrestre e a base alienígena, na Chapada Diamantina (BA). Será que o mochileiro ufológico vai ter o encontro que tanto busca, face a face com os Greys da “Base Alienígena” em plena montanha sagrada para os garimpeiros da Chapada Diamantina? Será que ele irá ignorar os alertas de perigo do famoso Guia do lugar, Chiquinho de Igatu? Assim como os conselhos do ufólogo Paulo Gusmão, sobre a presença de extraterrestres hostis que soltam gases tóxicos e radiação na direção de visitantes humanos indesejados?

Fonte: ParlamentoPB

Apoio

Brasil

Portal do MEC tira dúvidas sobre carteira de estudante digital

Publicados

em

Foto: Divulgação

O Ministério da Educação (MEC) lançou nesta segunda (16) o portal da ID Estudantil, que traz informações para estudantes de todo o país sobre a nova carteira digital gratuita. Os estudantes poderão adquirir o documento nas lojas Google Play e Apple Store a partir de dezembro.

O documento permitirá o pagamento de meia-entrada em shows, apresentações de teatro e outros eventos culturais, sem que isso gere um custo extra. O site traz também uma contagem regressiva para a emissão da nova carteirinha estudantil.

A carteirinha digital poderá ser emitida pelo MEC; pela Associação Nacional de Pós-Graduandos; pela União Nacional dos Estudantes (UNE); pela União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes); por entidades estudantis estaduais, municipais e distritais; diretórios centrais dos estudantes; centros e diretórios acadêmicos e outras entidades de ensino e associações representativas dos estudantes.

O estudante que solicitar a carteira digital terá que consentir com o compartilhamento dos dados cadastrais e pessoais com o MEC para subsidiar o Sistema Educacional Brasileiro — o novo banco de dados nacional dos alunos, a ser criado e mantido pela pasta.

O ministério poderá usar essas informações apenas para formulação, implementação, execução, avaliação e monitoramento de políticas públicas. O sigilo dos dados pessoais deve ser garantido sempre que possível.

emissão da carteira digital está prevista em medida provisória (MP) que dispõe sobre o pagamento de meia-entrada publicada no último dia 9, no Diário Oficial da União.

Fonte: Agência Brasil

Continue lendo

Cultura

Colégio da Luz abre inscrições para o Auto do Natal Luz 2019

Publicados

em

Foto: brejo.com

Estão abertas as inscrições para as oficinas teatrais do Auto do Natal Luz 2019, realizado pelo Colégio da Luz. Os interessados devem fazer a inscrição de 15 a 30 de setembro, na recepção da escola. As vagas são limitadas! Participe!

O Auto do Natal do CENSL é um dos maiores espetáculos natalinos da Paraíba, já incluído no calendário de eventos do Estado.

O Colégio da Luz fica localizado na Rua Doutor Sales, 166, Centro, Guarabira, PB. Site: www.colegiodaluz.com.br. Siga o Colégio da Luz nas redes sociais. Facebook.com/colegiodaluz e Instagram.com/colegiodaluz

Continue lendo

Brasil

Religiosos pedem liberdade e respeito em caminhada no Rio

Publicados

em

Fotos: Tânia Rêgo/Agência Brasil

A Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa chegou hoje (15) à sua décima segunda edição, reunindo na Praia de Copacabana representantes de todos os segmentos religiosos. Este ano, o evento contou com a participação de pastores afro-americanos da Igreja Luther King, de Atlanta, Estados Unidos, e de Arabá Agbaye Olu Isese de Ilè Ifè, considerado o sacerdote supremo de Ifá na Nigéria.

A caminhada é organizada pela Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR) e o Centro de Articulação de Populações Marginalizadas (CEAP) e levou a mensagem de “respeito à democracia, ao Estado laico, aos direitos humanos e às liberdades”. Segundo disse à Agência Brasil o babalaiô Ivanir dos Santos, presidente da CCIR e conselheiro do CEAP, o Brasil está vivendo um momento muito ruim, onde cresceu a intolerância religiosa, o racismo, a homofobia, “que são uma ameaça à diversidade”.

Essa é a maior mensagem do evento, que pretende levar às autoridades o pleito de que sejam tomadas medidas contra os ataques que os templos do candomblé sofrem nas comunidades carentes do estado e do país. “A nossa esperança também está nessa direção. E acordar a sociedade, que precisa se posicionar, dizer que não aceita isso, que está junto conosco em um momento como esse”.

Novo desenho

Ivanir dos Santos destacou que o evento deste domingo tem um desenho diferente dos anteriores porque “a maçonaria se mobilizou, os escoteiros estão trazendo uma delegação grande”. Além disso, as escolas de samba Estação Primeira de Mangueira e Grande Rio também têm representantes, uma vez que o enredo das duas gremiações tem a ver com intolerância. “Todo mundo envolvido”.

Também aderiram setores populares, como a cultura. Outra novidade deste ano foi que adeptos do candomblé usaram cocares de penas na abertura da caminhada, remetendo aos animais da Amazônia que devem ser preservados. “Porque, para nós, a natureza é sagrada. Somos religiões que reverenciamos a natureza”, disse o babalaiô.

12ª Caminhada Nacional em Defesa da Liberdade Religiosa, na orla de Copacabana, zona sul da cidade.

União

Na avaliação de Patricia Carvalho, da organização budista Brahma Kumaris, a principal lição que a caminhada dá é mostrar, através de ações concretas, que é necessário ir além das diferenças e eleger e trabalhar por aquilo que todas as religiões têm em comum, que são os valores humanos, entre os quais a paz, a liberdade e a união. “Porque afinal de contas, a religião, na prática, é isso. É ir além dos dogmas, da filosofia, das diferenças, e juntar as mãos e trabalhar por aquilo que todos nós temos em comum”.

O pastor evangélico Vitor Louredo, da Igreja GAE – Missões, observou que o país está vivendo um momento crítico em relação à intolerância religiosa, principalmente contra as religiões de matriz africana, que vêm sofrendo ataques. “É importante essa luta para que o respeito e o amor prevaleçam na sociedade, que é o que tem faltado”. De acordo com Louredo, tem muita onda de intolerância vinda de evangélicos.

Por isso, afirmou que sua participação é também para mostrar que nem todos os evangélicos abraçam esses ataques. “Muitos evangélicos ainda estão lutando pelo amor, pelo respeito; são contra essa onda. Acho que o Estado laico e o direito religioso não são só para o outro. São para mim também. Ao mesmo tempo que eu não gostaria de ser perseguido, também não quero que outros sejam perseguidos”. Deixou claro que o seu direito termina quando começa o direito do outro. “Não posso querer só liberdade para mim e não querer do outro; querer só privilégios, porque eu não gostaria que fosse o contrário”.

Todos iguais

Uma das faixas carregadas pelos religiosos deixava bem claro: “Somos todos iguais perante Cristo”. O diácono Nelson Águia levou a mensagem do cardeal do Rio de Janeiro, Dom Orani Tempesta, para a caminhada, cuja importância disse ser muito grande. “Porque hoje nós temos, mais do que nunca, no passado, agora, no presente, nós temos que nos respeitar. Cada um tem o direito de seguir a religião que quer, do modo que quer e se relacionar com Deus como quer. Deus é Deus e se manifesta da maneira que quer, onde ele quer e com quem ele quer”.

O diácono da igreja católica destacou que nenhuma religião é proprietária de Deus. “Ele é compartilhado por todos”. Recomendou que se deve ver sempre o que o outro tem de bom, e não aquilo que tem de ruim. “Nós temos que construir pontes e não elevar barreiras. É importante que essa manifestação hoje aqui possa mostrar à sociedade o que as religiões pensam e que querem caminhar juntas. Nós queremos respeito por parte da sociedade, por parte da política, por parte do governo, do Estado. Nós queremos respeitar e sermos respeitados”, disse.

Na avaliação da pastora da igreja luterana Luzmarina Garcia, a importância dessa caminhada é enorme. “Porque, na verdade, nós estamos vivendo uma situação de tanta violência religiosa que precisamos dar um testemunho positivo de que é possível conviver, é possível se respeitar e entender que as diferenças fazem parte de uma sociedade democrática e que tem muitas religiões, como a sociedade brasileira”. Luzmarina considerou que o evento dá o testemunho positivo de que, todo mundo junto, se faz uma sociedade melhor.

Agência Brasil

Continue lendo

Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio

Mais Lidas