Conecte-se conosco

Tecnologia

Nubank libera função Débito para todos os clientes

Publicados

em

Foto: Divulgação

A NuConta foi criada pensando em devolver aos brasileiros o controle sobre sua vida financeira. Sem tarifas de manutenção, com transferências (TED) gratuitas e ilimitadas para outros bancos, rendimento automático superior à da poupança e outras funções, ela dá ao usuário total independência financeira.

Mas ainda faltava uma coisa para torná-la completa – e os clientes do Nubank nunca deixaram de pedir por ela: um cartão com a função débito que permitisse usar o saldo da NuConta em transações físicas.

Em dezembro de 2018, foi anunciado o Débito Nubank, que ainda passaria por uma fase de testes. O Nubank criou uma lista de espera para que os interessados no débito demonstrassem seu interesse e, desde que ela foi aberta, mais de 2,5 milhões de pessoas receberam o cartão com a função débito, segundo informações no blog da fintec.

A partir do dia 15 de agosto, todos os clientes poderão pedir, diretamente pelo app Nubank, seu cartão com a função débito ou pedir a função débito, caso já tenham um cartão com o novo modelo.

Segundo nota publicada no blog do Nubank,  nenhum cliente receberá automaticamente um cartão com a função débito; todos os que estiverem interessados na função débito terão pedi-la no no aplicativo.

Para quem já possui o novo modelo de cartão de crédito Nubank, lançado em setembro do ano passado, basta ir em ‘Configurações’, clicar em ‘Pedir função débito’ e pronto! Seu cartão já estará habilitado para ambas as funções.

Se você possui a versão antiga do cartão Nubank ou não é cliente do cartão de crédito Nubank, basta solicitar o novo cartão com a função débito ativada – O Nubank emitirá seu cartão já com a função habilitada.

Confira o que a NuConta oferece:

  • Rendimento de 100% do CDI: maior do que a poupança, mesmo com a cobrança de IR e IOF;
  • Liquidez diária: seu dinheiro pode ser usado ou resgatado a qualquer momento, sem que você perca os rendimentos do período – como acontece na poupança;
  • Pagamento de qualquer boleto, como os de contas de luz, água, telefone e até mesmo os de compras online;
  • Investimento em RDB com proteção FGC: na NuConta, você pode fazer depósitos em títulos de RDB (Recibos de Depósito Financeiro), que oferecem um rendimento de 100% do CDI e liquidez diária – você pode resgatá-lo ou usá-lo a qualquer momento;
  • Transferências instantâneas e ilimitadas entre NuContas através de Código QR, CPF ou agenda de contatos do celular. Se você precisa transferir dinheiro para outra NuConta, o valor cai na hora;
  • Transferências ilimitadas para outros bancos (via TED). Não cobramos nada e nem estipulamos número máximo de transações;
  • Depósitos através de TED, DOC ou boleto. Com o boleto, cliente Nubank fica livre das taxas cobradas por outros bancos na hora de transferir o dinheiro para a NuConta;
  • Acompanhar o rendimento do seu dinheiro direto no app. Nosso lema aqui é transparência. Você não precisa puxar um extrato, ir ao banco ou falar com o gerente para controlar o seu dinheiro;
  • Pagamento da fatura do seu cartão Nubank com a NuConta e ter o limite liberado instantaneamente;
  • Envio de um lembrete de cobrança para amigos que esqueceram de te fazer um pagamento: com Função Cobrar, usuário da NuConta envia todas as suas informações de pagamento em segundos;
  • Integração com a lista de contatos do seu celular: fica mais fácil encontrar seus amigos que têm NuConta e transferir para eles.
  • Cartão com a função Débito que permite o saque de seu saldo da NuConta. Explicamos melhor aqui como ele funciona;
  • Saque com a função Débito. Cobramos uma tarifa de R$ 6,50 por cada saque no Débito – aqui explicamos o porque.

Fonte: Blog Nubank

 

Rate this post

Brasil

Pix deverá ser ampliado para operações internacionais e sem internet

Sistema completa um ano com 7 bilhões de transferências instantâneas.

Publicados

em

©Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Para os próximos anos, o Pix, ferramenta de transferência instantânea de recursos, poderá ser usado em operações sem acesso à internet e em transações internacionais, anunciou nesta terça-feira (16) o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto. As novidades ainda não têm data para entrarem em vigor.

Campos Neto fez o anúncio em evento especial do BC para celebrar o aniversário de um ano da nova ferramenta. Segundo ele, o Pix ainda não atingiu todo o potencial. “O uso do QR Code [Código QR, versão avançada do código de barras fotografada pelo celular] ainda depende de melhor assimilação da tecnologia pelos usuários”, explicou.

Apesar de algumas novidades do Pix dependerem de desenvolvimentos tecnológicos, o presidente do BC considerou revolucionária a evolução do sistema instantâneo de pagamentos, que funciona 24 horas por dia e permite a transferência de recursos entre contas de instituições financeiras diferentes. “A realidade superou as expectativas. O uso do Pix aumenta mês após mês. A velocidade de adoção é a mais rápida do mundo”, destacou Campos Neto.

Até outubro deste ano, cerca de 7 bilhões de transações foram executadas por meio do sistema, movimentando R$ 4 trilhões. O recorde diário de transações ocorreu no último dia 5 de novembro, com 50.045.289 operações.

O Pix tinha 348,1 milhões de chaves cadastradas por 112,65 milhões de usuários (105,24 milhões de pessoas físicas e 7,41 milhões de pessoas jurídicas), também até outubro deste ano. Ao todo, 62,4% da população acima de 18 anos usou a ferramenta para enviar ou receber dinheiro. No período, havia 762 instituições financeiras cadastradas para operar o Pix e 87 em fase de adesão. Entre essas instituições, estão bancos, financeiras, instituições de pagamento, cooperativas de crédito e fintechs (startups financeiras).

Em 12 meses de funcionamento, o Pix ultrapassou, em número de transações, meios de pagamento tradicionais. A ferramenta superou a Transferência Eletrônica Disponível (TED) e o Documento de Ordem de Crédito (DOC) em janeiro deste ano. Em março, foi a vez de o Pix tomar o lugar dos boletos bancários na preferência por meios de pagamento.

Inclusão

Diretor de Organização do Sistema Financeiro e Resolução do BC, João Manoel Pinho de Mello disse que o crescimento do Pix tem sido proporcionalmente maior em classes mais baixas, com 45,6 milhões de pessoas que estavam fora do sistema financeiro passando a operar pagamentos digitais. Entre as camadas de menor renda, o número de usuários do Pix subiu 131% entre março e outubro deste ano, contra crescimento de 52% no total da população.

Segundo Pinho de Mello, o Pix tem ganhado a adesão de beneficiários de programas sociais. Cerca de 35% dos inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) e de 25% dos beneficiários do Bolsa Família usaram o sistema de pagamentos instantâneos para movimentarem os benefícios.

O Brasil, ressaltou o diretor do BC, passou a ocupar o terceiro lugar entre os países que mais usam pagamentos instantâneos, atrás apenas da Suécia, que adotou o sistema há sete anos, e a Dinamarca, há cinco anos.

Pix Saque e Pix Troco

Até o fim do ano, o Pix ganhará novas funcionalidades. Hoje, entrou em vigor um mecanismo de segurança que agiliza a devolução de recursos a usuários vítimas de fraude ou de problemas operacionais entre as instituições participantes.

No próximo dia 29, passam a funcionar o Pix Saque e o Pix Troco. O primeiro permite que o usuário transfira recursos para uma conta Pix em pontos que ofertarem o serviço e sacar dinheiro em espécie. O segundo permite que o cliente transfira, para a conta de estabelecimentos comerciais, quantias maiores que o valor da compra e saque a diferença em forma de troco.

Ainda neste trimestre, o iniciador de pagamentos, hoje existente para compras com cartão de crédito e débito, deverá ser estendido ao Pix. Por meio dessa ferramenta, o cliente recebe um link com o valor da transação, bastando confirmar os dados e autorizar o pagamento, sem precisar entrar no aplicativo do banco. No caso do Pix, bastará o usuário digitar a senha da conta corrente.

Agência Brasil

Rate this post
Continue lendo

Tecnologia

WhatsApp, Instagram e Facebook começam a funcionar após mais de 6 horas de pane

Mensagem do diretor de tecnologia não esclarece qual é a causa; erro de DNS é uma das possibilidades.

Publicados

em

O Facebook e o Instagram começaram a retomar o funcionamento após mais de 5 horas de pane, para alguns usuários, nesta segunda-feira (4). Os serviços, no entanto, ainda apresentavam instabilidade.

Pouco antes, por volta das 17h, a empresa disse que problemas com a rede estão causando a pane global que deixa também o WhatsApp fora do ar desde o começo da tarde.

A mensagem sobre “problemas com a rede” foi postada no Twitter pelo diretor de tecnologia da empresa (CTO, na sigla em inglês), Mike Schroepfer que não informou o que causou essa falha. O Facebook também é o dono do WhatsApp e do Instagram.

WhatsApp, Facebook e Instagram estão fora do ar desde o começo da tarde desta segunda, em todo o mundo. A pane atinge tanto os aplicativos no celular como os sites dessas redes.

Num primeiro momento, os perfis das 3 redes postaram no Twitter que estavam investigando as causas da falha, sem apontar para nenhum caminho.

“Estamos cientes de que algumas pessoas estão enfrentando problemas com o WhatsApp no momento. Estamos trabalhando para que as coisas voltem ao normal e enviaremos uma atualização assim que possível”, diz a mensagem no perfil do programa de mensagens.

Os três aplicativos também enfrentaram instabilidade em junho passado durante cerca de 2h30. Na ocasião, o Facebook afirmou que a falha foi causada por um ajuste de configuração.

Erro de DNS é provável
Especialistas em internet divulgaram diversas possibilidades para a falha, mas a mais provável é relacionada a um erro de DNS. Isso porque, ao entrar acessar o endereço de qualquer uma das 3 redes, aparece a mensagem “DNS_PROBE_FINISHED_NXDOMAIN”.

O DNS é a “agenda de contatos” da internet. É ele que registra os números (endereços de IP) associados aos “nomes de domínio” (como “globo.com”).

A internet só funciona com números, então essa “agenda” cumpre o objetivo de permitir consultas (chamadas de “resoluções de domínio”) para que qualquer pessoa possa saber o número de IP do site que pretende acessar. Se acontece uma falha, o acesso à página fica indisponível porque não é possível encontrar o caminho certo para chegar nela.

Erro 5xx
Para algumas pessoas que tentaram acessar Facebook, Instagram e WhatsApp, apareceu um “Erro 500” ou “Erro 5XX”. Esse tipo de mensagem geralmente indica uma dificuldade do computador do usuário se comunicar com o servidor do site ou aplicativo.

Domínio do Facebook
As “investigações” nas redes também fizeram circular a mensagem de que o Facebook teria perdido o seu domínio, “facebook.com”.

Porém, a empresa ainda é a proprietária desse endereço. Segundo o site “Who.is”, que indica os donos de domínio, o Facebook ficará com o endereço ao menos até 29 de março de 2030.

O domínio “whatsapp.com” seguirá com o aplicativo de mensagens ao menos até 4 de junho de 2030, enquanto o “instagram.com” vale, no mínimo, até 4 de setembro de 2030.

Instabilidade em outras redes
Outros serviços que podem servir com alternativa para os aplicativos que estão fora do ar também registraram instabilidade, provavelmente por causa do grande número de pessoas que foram buscá-los ao mesmo tempo.

Houve reclamações sobre o Telegram, o TikTok e também sobre o serviço de operadoras de telefonia.

O Twitter passou a ser o meio de comunicação inclusive das redes concorrentes. E brincou com a situação, postando: “”Oi literalmente todo mundo”.

ClickPB

Rate this post
Continue lendo

Tecnologia

WhatsApp e Facebook dizem que trabalham para “que as coisas voltem ao normal” após queda das redes sociais

O WhatsApp, Instagram e Facebook enfrentam uma nova instabilidade, nesta segunda-feira (4), em várias partes do mundo.

Publicados

em

O WhatsApp e o Facebook se manifestaram através do Twitter para dizer que estão cientes da queda das redes sociais para seu público e que estão buscando resolver o problema. O WhatsApp, Instagram e Facebook enfrentam uma nova instabilidade, nesta segunda-feira (4), em várias partes do mundo.

Na Paraíba, muitas pessoas já estão baixando o Telegram, aplicativo de mensagem semelhante ao WhatsApp para poder se comunicar enquanto o ‘Zap’ não funciona.

No Twitter, o WhatsApp declarou que “estamos cientes de que algumas pessoas estão enfrentando problemas com o WhatsApp no momento. Estamos trabalhando para que as coisas voltem ao normal e enviaremos uma atualização aqui assim que possível. Obrigado pela sua paciência!”

Já o Facebook informou em mensagem semelhante que “estamos cientes de que algumas pessoas estão tendo problemas para acessar nossos aplicativos e produtos. Estamos trabalhando para que as coisas voltem ao normal o mais rápido possível e pedimos desculpas por qualquer inconveniente.”

ClickPB

Rate this post
Continue lendo
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio

Mais Lidas