Conecte-se conosco

Saúde

Hospital universitário do Rio ganha centro de reabilitação pós-covid-19

Inicialmente serão atendidos no local 50 pacientes por semana

Publicados

em

Foto: Reprodução

O Hospital Universitário Pedro Ernesto (Hupe), vinculado à Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), ganhou um centro de reabilitação multidisciplinar pós-covid-19, que atenderá, por semana, a cerca de 300 pacientes. Inicialmente, serão atendidos 50 pacientes por semana.

Segundo o coordenador de Assistência Médica do hospital, Rui de Teófilo e Figueiredo Filho, o centro foi criado para atender à demanda de pacientes que permanecem com alguns sintomas após a recuperação inicial da doença, o que é bem comum de acontecer. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que em torno de 10% dos pacientes apresentam, em algum momento, sintomatologia crônica após a recuperação inicial do quadro de infecção.

“E o que a gente vê na prática é que, quando são considerados só os pacientes que ficam mais tempo em unidade intensiva ou que ficam intubados por longo período, essa estatística cresce ainda mais”, afirmou o médico. Para o governador fluminense, Cláudio Castro, o tratamento das pessoas impactadas com sequelas da covid-19 é “mais um desafio de saúde pública”. O centro tem a missão de atender melhor a população. “Estamos aprendendo com a pandemia e adequando os serviços”, afirmou Castro.

O centro de reabilitação do Hupe vai funcionar de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. A equipe reúne clínicos, pneumologistas, cardiologistas, neurologistas, fisioterapeutas, enfermeiros, assistente social, psicólogos, entre outros profissionais. Rui Figueiredo Filho informou que a marcação é feita por meio do Sistema de Regulação. “Os pacientes são encaminhados de diversas partes do estado. Não é um ambulatório exclusivo para pacientes do Hospital Universitário Pedro Ernesto. Na verdade, esses pacientes vêm naturalmente, pelo Sistema de Regulação”.

Segundo o médico, é comum observar, nos pacientes que ficam muito tempo intubados quadros de desnutrição severa, de redução da massa e da força muscular, distúrbios neurológicos e cognitivos, distúrbios de memória e, eventualmente feridas crônicas na região do sacro e do cóccix e nos tornozelos. “São várias as demandas que podem ocorrer após a recuperação inicial do quadro infeccioso”, disse Figueiredo Filho.

Atividades de pesquisa

O fato de estar inserido em um complexo universitário permite também a realização de atividades científicas. O grupo que vai trabalhar no centro de reabilitação fará coleta de dados e produção de conhecimento. Por ser uma doença nova, ainda não se sabe quais são seus efeitos no longo prazo, destacou o médico. “Além da parte assistencial, esperamos poder responder a uma série de perguntas relacionadas à evolução da sindrome pós-covid”, disse Figueiredo Filho. Outra meta é dar os melhores tratamentos para esses doentes, acrescentou.

O novo centro tem como objetivo reintroduzir os pacientes nas suas atividades do dia a dia no menor tempo possível. Todos os pacientes passarão por uma triagem da enfermagem, seguida de consulta com clínico geral, avaliação de fisioterapia motora e respiratória e conversa com assistente social. Após esse primeiro atendimento, os pacientes serão encaminhados, se necessário, para consultas com especialistas.

O diretor do Hupe, Ronaldo Damião, disse que são considerados com síndrome pós-covid os pacientes que continuam com sintomas respiratórios ou problemas de ansiedade e depressão depois de três meses da fase aguda da doença. Ele informou que, no Brasil, os pacientes que ficaram com sequelas graves seriam mais de 1,6 milhão de pessoas, das quais cerca de 85 mil somente no território fluminense, sendo 35 mil na capital do estado.

Uma ex-paciente do Hupe, Jesica Santos, de 34 anos, grávida de 36 semanas, passou dez dias internada com covid-19 e agora voltou a buscar atendimento para vários desconfortos. O caso de Jesica, que perdeu tios e primos para a doença, está sendo investigado porque, segundo os pesquisadores, é preciso diferenciar as sequelas do ataque direto do coronavírus daquelas decorrentes da inflamação generalizada.

Para o secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, Dr. Serginho, a unidade poderá servir de referência no tratamento pós-covid-19 para outros locais.

Agência Brasil

Rate this post

Saúde

Opera Paraíba tem calendário de cirurgias eletivas em todas as regiões do estado

Confira as datas das regiões de Belém, Guarabira e demais cidades.

Publicados

em

Foto: Pixabay

O Opera Paraíba vai realizar, do dia 20 a 22 deste mês, no Hospital Regional de Patos, mais uma ação itinerante do programa, com a oferta de cirurgias gerais, de catarata e uma caravana de exames de imagem para diagnóstico de câncer mama, que será feita por meio da Rede Cuidar. A iniciativa do Governo do Estado vem interiorizando as ações de saúde e facilitando o acesso do usuário aos serviços.

“Nós já tiramos da fila de espera por uma cirurgia quase 20 mil paraibanos, e nossas ações continuam sendo expandidas com a inclusão de mais hospitais da rede ao programa, aquisição de equipamentos de ponta e ampliação das especialidades atendidas,” destacou o governador João Azevedo.

O calendário do Opera Paraíba também contempla o Hospital Regional de Itabaiana, de 23 a 25, com um mutirão de cirurgias de catarata. Já do dia 26 a 28, as cirurgias oftalmológicas acontecem no Hospital Regional de Belém, no Brejo paraibano.

Ainda na região do Brejo, o programa vai até a cidade de Guarabira, onde vai oferecer à população do município e cidades vizinhas cirurgias gerais, de catarata, e também uma caravana de exames de imagem para diagnóstico de câncer mama, assim como em Patos, através da Rede Cuidar. Os procedimentos vão acontecer de 27 a 29 de maio.

No mesmo período em que o programa acontecerá em Guarabira, também estará presente na cidade de Cajazeiras, no alto sertão. No Hospital Regional, o Opera Paraíba vai contemplar os usuários com cirurgias de hérnia e vesícula, oftalmológicas, e ainda a realização de exames de mamografia e ultrassom mamária, para o rastreio do câncer de mama.

A agricultora Marialba Mendes foi operada de  catarata no último fim de semana, em Taperoá. Ela saiu do centro cirúrgico emocionada. “Eu estou chorando, mas é de alegria, porque era muito difícil a gente conseguir uma cirurgia. Agora com o Opera Paraíba, a gente tem direito a ter saúde,” disse.

As cirurgias também ocorrem de forma permanente no Hospital de Clínicas, em Campina Grande, e nos finais de semana, no Hospital Edson Ramalho, em João Pessoa, no Hospital Geral de Queimadas, e no Hospital Geral de Mamanguape. 

Além das cirurgias gerais, agora o programa também conta com a realização de cirurgias ortopédicas, que acontecem no Hospital de Trauma de João Pessoa e também no Hospital de Clínicas.

Esse ano o programa já realizou mais de 5 mil procedimentos, sendo mais de 2 mil cirurgias só de catarata. 

“O Opera Paraíba está presente em todas as regiões do estado levando saúde e dignidade ao povo paraibano. Com a interiorização do programa, agora o paciente realiza a cirurgia que necessita de forma rápida e sem fazer grandes deslocamentos. Esse é o SUS que funciona,” pontuou o secretário executivo de saúde, Jhony Bezerra.

Secom-PB

Rate this post
Continue lendo

Saúde

Paraíba investe em equipamentos e reduz mais de 60% dos óbitos maternos no 1º quadrimestre

Publicados

em

De janeiro a abril de 2022, a Paraíba registrou 61,9% menos óbitos maternos do que no mesmo período do ano anterior. Os dados são do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) e informam que, nos quatro primeiros meses de 2021, ocorreram 21 mortes maternas contra oito do primeiro quadrimestre de 2022. A redução ocorre no momento em que a Paraíba ampliou o Centro Estadual de Regulação Hospitalar para atuar também nos cuidados maternos.

Desde março de 2022, o complexo regulador estadual monitora e direciona os leitos na linha materno-infantil, com objetivo de centralizar as solicitações para disponibilizar o leito para as usuárias em tempo oportuno, reduzindo os índices de mortalidade materna. Desde a implantação, o serviço de regulação obstétrica já atendeu 3.033 pacientes, sendo 1.040 da 1ª Macrorregião de Saúde, 1.339 da 2ª macro e 627 da 3ª.

Há ainda 27 pacientes oriundos de outros estados. Os municípios que mais atenderam pacientes foram João Pessoa, localizada na 1ª macro, com 474 regulações; Campina Grande, na 2ª macro, com 303 regulações e Patos, na 3ª macrorregião de saúde, com 81 pacientes regulados.

Segundo a secretária estadual de Saúde, Renata Nóbrega, essa ação representa garantia de atendimento para as gestantes em todas as regiões do estado. “A partir de 1º de março, as nossas gestantes são acompanhadas pela regulação estadual, garantindo o monitoramento do cuidado humanizado e qualificado para as mães e os bebês que necessitam de cuidados de alto risco, independente do município onde elas estejam”, explica.

Ao mesmo tempo, a Paraíba investiu mais de R$ 7 milhões em equipamentos para a rede materno-infantil, que contemplam 13 hospitais. O investimento foi direcionado para as salas de parto de todo o estado e também tem proporcionado melhorias nos leitos das Unidades Intensivas Neonatais e no acompanhamento do pré-natal ao puerpério, levando a garantia da saúde à população paraibana. Somente em Cajazeiras, o estado dobrou o número UTIs Neonatais,  saindo de três para seis, contemplando os 15 municípios da região. Essas intervenções reduziram o número de transferências de pacientes do Sertão (3 ª Macrorregião de Saúde) para Campina Grande (2ª macro).

Renata Nóbrega explica a importância desse investimento para o cuidado materno-infantil. “Essa redução na mortalidade materna é resultado conjunto da implantação da regulação estadual do fluxo da obstetrícia e do amplo investimento do Governo nas maternidades de toda Paraíba, com equipamentos de última geração. É importante equipar as unidades obstétricas de todo estado e garantir que as pacientes possam ser encaminhadas para outros centro de referência, caso precisem desse suporte”, finaliza.

Secom-PB

Rate this post
Continue lendo

Saúde

Hospital Arlinda Marques realiza primeira cirurgia por vídeo em menina de 13 anos

Publicados

em

O Complexo Pediátrico Arlinda Marques, em João Pessoa, realizou a primeira cirurgia por videolaparoscopia. A inovação em tecnologia de ponta realizada pelo Governo do Estado representa um investimento na ordem de R$ 345 mil na aquisição do equipamento. O procedimento, além de menos invasivo aos pacientes, garante uma redução de tempo no pós-operatório e na ocupação de leitos da unidade de saúde.

A primeira cirurgia realizada ocorreu para a retirada de colecistite (retirada de vesícula) de uma criança de 13 anos do sexo feminino. A paciente já teve alta, no entanto, se fosse no método tradicional, ela ficaria em média uma semana internada e teria um pós-operatório com mais dor. Com a introdução da tecnologia, o Arlinda Marques terá condições de realizar procedimentos diariamente, de acordo com os agendamentos ambulatoriais e demandas de urgência do pronto-socorro referência no estado para doenças cirúrgicas da criança. 

O diretor administrativo do Complexo Pediátrico Arlinda Marques, José Honório da Silva Melo, explicou que o procedimento, além de ter sido realizado com sucesso, garante o acesso da população à tecnologia de ponta num hospital público. “A avaliação é de uma grandiosidade. O investimento é alto e muito salutar para o Arlinda, porque esse tipo de cirurgia se encontra em hospitais particulares, então hoje o Sistema Único de Saúde (SUS) proporciona a massa pediátrica contemplando com esse tipo de cirurgia”, ressaltou.   

A videolaparoscopia é uma cirurgia padrão no tratamento de afecções cirúrgicas do tórax e abdômen, em especial, em cirurgia digestiva, urológica, oncológica e torácica, conforme explicou José Honório da Silva Melo. O procedimento poderá ser adotado no Complexo Pediátrico Arlinda Marques tanto em cirurgias eletivas quanto nas de urgência. À frente da inovação estão os cirurgiões do Complexo Pediátrico Arlinda Marques: Daniel Rangel, Tayane Cruz, Vinícius Marinho e Henrique Silveira. 

Menos invasiva  – A tecnologia adotada no Arlinda Marques chega trazendo alta capacidade de resolutividade em menor tempo e com um processo menos invasivo. Na prática, para os pacientes isso resultará, além do tempo e redução das dores no pós-operatório, esteticamente as marcas do procedimento serão mínimas. “A cirurgia por vídeo é menos invasiva, pois são três pontinhos e a estética para o paciente é outra. A facilidade de recuperação é melhor. A cirurgia de vídeo veio para inovar”, enfatizou José Honório.

Secom-PB

Rate this post
Continue lendo
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio

Mais Lidas