Conecte-se conosco

Saúde

Raniery renova pedido de ações de combate ao Aedes Aegypti no estado da Paraíba

Deputado tem se preocupado com a saúde da população paraibana, sobre nesse período de pandemia

Publicados

em

O deputado estadual Raniery Paulino (MDB) publicou nas redes sociais a informação de que seu gabinete, através de requerimento endereçado à Secretaria de Estado da Saúde, renovou o pedido de ações de combate ao Aedes Aegypti.

Deputado, atual vice-líder do Governo na ALPB, disse que é obrigação de seu mandato se preocupar, agir e apontar soluções pela saúde da população, sobretudo nesse período de pandemia. 

– Acabar com o Aedes Aegypti é uma luta de todos! Por isso renovei através de requerimento o pedido pela criação de ações conjuntas em todas as esferas da administração pública, a fim de evitar o crescimento de casos de Dengue, Zika e Chikungunya em nosso estado, ainda mais agora, durante a pandemia”, escreveu Raniery em sua página no Facebook.

Adiante, o deputado Raniery também sublinhou: “A população também precisa fazer a sua parte eliminando os possíveis focos do mosquito em suas casas. A união e a prevenção são as melhores armas para aniquilar este mosquito”.

Do Fatoafato

Rate this post
Apoio

Saúde

Covid: SES recomenda ampliação da vacinação das doses de reforço antes de junho

Os municípios que mais apresentaram casos entre os dias 15 e 21 de maio, foram: João Pessoa, Campina Grande, Araçagi, Patos, Cabedelo e Cajazeiras.

Publicados

em

A Paraíba iniciou a vacinação contra covid-19 no dia 19 de janeiro de 2021 e, até o dia 23 de maio de 2022, já aplicou um total de 8.775.656 doses de vacinas. Mesmo com volume significativo, o crescimento percentual do número de vacinados tem sido pequeno. Em 18 de maio, por exemplo, 1.860.227 pessoas haviam recebido a 1ª dose de reforço. Cinco dias depois, esse total estava calculado em 1.864.246 pessoas, um crescimento de pouco mais de 4 mil doses.

A ocupação de leitos também apresentou crescimento entre as duas últimas semanas. De 08 a 14 de maio, a Paraíba tinha 06 pacientes em leitos de UTI covid-19. Na semana seguinte, compreendida de 15 a 21 do mesmo mês, 11 pacientes ocuparam os mesmos leitos. Para a secretária Estadual de Saúde, Renata Nóbrega, é importante ampliar a aplicação das doses de reforço, sobretudo durante os festejos previstos em todo estado para o mês de junho. “Estamos às vésperas de um período turístico muito esperado devido ao hiato de dois anos imposto pela pandemia e sabemos que a Paraíba receberá um número expressivo de turistas de todas as regiões do Brasil e do mundo. Assim, é importante que todos atualizem sua situação vacinal o mais rápido possível para estarem protegidos mesmo com a grande circulação de pessoas no estado”.

A secretária reforça que toda a população a partir de 18 anos está apta a receber uma dose de reforço e que as pessoas com mais de 60 anos que tomaram a primeira dose de reforço há mais de 4 meses precisam procurar um posto de saúde para regularizar a situação vacinal. “Há mais de um milhão de paraibanos sem a primeira dose de reforço e, até o momento, pouco mais de 44 mil pessoas tomaram a segunda dose de reforço. As vacinas estão nos postos de saúde e contamos com o apoio da população para que todos tenham segurança no período junino, que também é mais propenso a infecções respiratórias em geral”, recomendou.

Casos e óbitos – O relatório que traz dados epidemiológicos entre os dias 15 e 21 de maio registra 448 novos casos de covid-19 e três vidas perdidas no período. Agora, a Paraíba totaliza 603.883 casos da doença, dos quais 10.218, infelizmente, evoluíram para óbito. Também foi destacado um aumento de 21% nos casos confirmados na faixa etária de 30 a 39 anos (92 casos) e 19% na faixa etária de 40 a 49 anos (86 casos). João Pessoa foi o município que registrou o maior número de casos, com 254 ocorrências. Campina Grande registrou 42; Araçagi vem na sequência com 16 casos; Patos tem 11 e Cabedelo e Cajazeiras tiveram 10 casos confirmados, cada. Os municípios que mais apresentaram casos foram: João Pessoa (254), Campina Grande (42), Araçagi (16), Patos (11), Cabedelo (10) e Cajazeiras (10).

Os óbitos registrados no boletim do dia 21 de maio aconteceram entre os residentes dos municípios de João Pessoa (1) e Santa Rita (2). As vítimas eram duas mulheres e um homem com faixa etária de acima de 60 anos. 

Cobertura Vacinal – Sobre a cobertura vacinal contra covid-19 na Paraíba, foi registrado até o dia 23 de maio no Sistema de Informação SI-PNI a aplicação de 8.775.656 doses. Deste total, 3.507.387 pessoas foram vacinadas com a primeira dose (93,5% do público alvo) e 3.310.856 completaram os esquemas vacinais, o que representa 88,26% da população com cinco anos ou mais. Das pessoas vacinadas com o esquema primário completo, 3.225.130 tomaram as duas doses e 85.726utilizaram imunizante de dose única. 

Sobre as doses adicionais, foram aplicadas 49.126 em pessoas com alto grau de imunossupressão. A população com 18 anos ou mais recebeu 1.864.246 primeiras doses de reforço (62,53% do público alvo) e os idosos a partir de 60 anos tomaram 44.034 segundas doses de reforço (7,85% da população da faixa etária contemplada). A Paraíba já distribuiu um total de 9.430.248 doses de vacina aos municípios.

Ocupação de leitos Covid-19 – A ocupação total de leitos de UTI (adulto, pediátrico e obstétrico) em todo estado é de 9%. Fazendo um recorte apenas dos leitos de UTI para adultos na Região Metropolitana de João Pessoa, a taxa de ocupação chega a 14%. Em Campina Grande, estão ocupados 7% dos leitos de UTI adulto e no sertão, 0% dos leitos de UTI para adultos. De acordo com o Centro Estadual de Regulação Hospitalar, 11 pacientes foram internados entre os dias 15 e 21 de maio. Ao todo, 49 pacientes estão internados em uma unidade pública de referência para a covid-19.

Secom-PB

Rate this post
Continue lendo

Saúde

Covid-19: chega ao fim estado de emergência em saúde pública no Brasil

Segundo o governo, nenhuma política pública de saúde será interrompida.

Publicados

em

Chegou ao fim, neste domingo (22), o estado de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (Espin), decretado em função da pandemia de covid-19 no Brasil.

portaria com a decisão foi assinada pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em 22 de abril, e previa prazo de 30 dias para que estados e municípios se adequassem à nova realidade.

A decisão do governo brasileiro foi tomada com base do cenário epidemiológico mais arrefecido e o avanço da Campanha de Vacinação no país. Segundo o Ministério da Saúde, apesar da medida, nenhuma política pública de saúde será interrompida.

“A pasta dará apoio a estados e municípios em relação à continuidade das ações que compõem o Plano de Contingência Nacional”, garantiu o governo.

Histórico

No último dia 12 de maio, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) prorrogou, a pedido do Ministério da Saúde, o prazo de validade das autorizações para uso emergencial de vacinas contra covid-19, que deixariam de ser usadas na campanha de vacinação contra a doença com o fim do Epin. A medida vale também para medicamentos que só deveriam ser usados durante a crise sanitária. Segundo a decisão da Diretoria Colegiada da Anvisa, as autorizações permanecerão válidas por mais um ano.

No mesmo dia, a Anvisa alterou a resolução que permite a flexibilização das medidas sanitárias adotadas em aeroportos e aeronaves, em virtude do encerramento do estado de emergência. Entre as mudanças, estão a retomada do serviço de alimentação a bordo e permissão para retirada de máscaras para se alimentar, durante o voo.

Assista na TV Brasil


Segundo o Ministério da Saúde, o governo federal empenhou quase R$ 34,3 bilhões para a compra de cerca de 650 milhões de imunizantes contra a covid-19.

“Por conta da vacinação, o Brasil registra queda de mais de 80% na média móvel de casos e óbitos pela covid-19, em comparação com o pico de casos originados pela variante Ômicron, no começo deste ano. Os critérios epidemiológicos, com parecer das áreas técnicas da pasta, indicam que o país não está mais em situação de emergência de saúde pública nacional”, ressaltou o Ministério em nota.

Agência Brasil

Rate this post
Continue lendo

Saúde

ALERTA: Vacinação infantil despenca no país e epidemias graves ameaçam voltar

Publicados

em

Embora as vacinas sejam aplicadas gratuitamente nos postos de saúde da rede pública, a imunização infantil vem caindo de forma vertiginosa no Brasil e hoje se encontra nos níveis mais baixos dos últimos 30 anos.

Em 2021, em torno de 60% das crianças foram vacinadas contra a hepatite B, o tétano, a difteria e a coqueluche. Contra a tuberculose e a paralisia infantil, perto de 70%. Contra o sarampo, a caxumba e a rubéola, o índice não chegou a 75%. A baixa adesão se repetiu em diversas outras vacinas.

Para que exista a proteção coletiva e o Brasil fique blindado contra as doenças, o recomendável é que entre 90% e 95% das crianças, no mínimo, estejam imunizadas.

A queda generalizada começou em 2015 e atingiu a pior marca em 2021. Até 2014, não havia resistência. Os pais prontamente atendiam às chamadas do Ministério da Saúde e levavam seus filhos aos postos. A cobertura vacinal costumava ficar acima dos 90%, por vezes alcançando os 100%.

Médicos das áreas de pediatria, infectologia, epidemiologia e saúde coletiva temem que, se esse quadro de baixa vacinação for mantido, o país poderá assistir a novas catástrofes sanitárias, com o ressurgimento de epidemias que eram comuns no passado. O infectologista José Cassio de Moraes, professor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, alerta:

— Estamos brincando com fogo. Ao contrário do que muita gente acredita, essas doenças não são benignas. Elas são graves e, dependendo da situação, deixam sequelas e levam à morte.

A meningite e a caxumba, por exemplo, podem causar surdez. O sarampo pode retardar o crescimento e reduzir a capacidade mental. A difteria pode levar os rins à falência. A coqueluche pode provocar lesões cerebrais. Quando a mulher contrai a rubéola na gravidez, o bebê pode nascer com glaucoma, catarata e deformação cardíaca, entre outros problemas, além do risco de aborto.

Médico desde 1971, Moraes lembra que o Hospital das Clínicas de São Paulo teve antigamente um andar inteiro destinado à internação de pacientes com paralisia infantil que, para respirar e viver, dependiam dos chamados pulmões de aço. O Hospital Emílio Ribas, também em São Paulo, reservava dois ou três andares para o isolamento dos doentes de difteria.

— O que estamos vendo é a crônica de uma tragédia anunciada — ele acrescenta. — Precisamos agir rápido para que não andemos para trás e voltemos a ser aquele Brasil dos séculos 19 e 20, que era tomado pelas epidemias e mortes.

Os primeiros sinais dessa tragédia são concretos. Em 2016, o Brasil ganhou da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) o certificado de território livre do sarampo. Naquele momento, o país vinha registrando um ou outro caso importado da doença. Logo em seguida, no entanto, o sarampo voltou com força total. Entre 2018 e 2021, o Brasil contabilizou mais de 40 mil doentes, dos quais 40 morreram. A Opas acabou retirando o certificado em 2019.

Outra face do problema é o prejuízo dos cofres públicos e a perturbação da logística vacinal: diante da baixa procura, muitas vacinas são descartadas porque alcançam o prazo de validade sem terem sido aplicadas. 

No início deste mês, a Secretaria de Saúde do Distrito Federal viu-se obrigada a momentaneamente ampliar a faixa etária da vacina contra o HPV (vírus que causa o câncer de colo de útero) para que os frascos não fossem para o lixo. Pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI), devem vacinar-se apenas meninas de 9 a 14 anos e meninos de 9 a 11 anos. O Distrito Federal ampliou a faixa feminina para 45 anos e a masculina, para 26. Só assim, às vésperas de vencer, o estoque desencalhou.

Leia a matéria completa: Clique aqui.

Fonte: Agência Senado

Rate this post
Continue lendo
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio

Mais Lidas