Conecte-se conosco

Saúde

Cães e gatos podem ter vírus da covid-19, mas não transmitem a doença

Pesquisa é da Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

Publicados

em

Pixabay

Apenas 11% dos cães e gatos que habitam casas de pessoas que tiveram covid-19 apresentam o vírus nas vias aéreas. Esses animais, entretanto, não desenvolvem a doença, segundo pesquisa realizada pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR).

Isso significa que eles apresentam exames moleculares positivos para SARS-CoV-2, mas não têm sinais clínicos da doença.

Anúncio


Segundo o médico veterinário Marconi Rodrigues de Farias, professor da Escola de Ciências da Vida da PUC-PR e um dos responsáveis pelo estudo, até o momento, foram avaliados 55 animais, sendo 45 cães e dez gatos. Os animais foram divididos em dois grupos: aqueles que tiveram contato com pessoas com diagnóstico de covid-19 e os que não tiveram.

A pesquisa visa analisar se os animais que coabitam com pessoas com covid-19 têm sintomas respiratórios semelhantes aos dos tutores, se sentem dificuldade para respirar ou apresentam secreção nasal ou ocular.

Foram feitos testes PCR, isto é, testes moleculares, baseados na pesquisa do material genético do vírus (RNA) em amostras coletadas por swab (cotonete longo e estéril) da nasofaringe dos animais e também coletas de sangue, com o objetivo de ver se os cães e gatos domésticos tinham o vírus. “Eles pegam o vírus, mas este não replica nos cães e gatos. Eles não conseguem transmitir”, explicou Farias.

Segundo o pesquisador, a possibilidade de cães e gatos transmitirem a doença é muito pequena. O estudo conclui ainda que em torno de 90% dos animais, mesmo tendo contato com pessoas positivadas, não têm o vírus nas vias aéreas.

Mutação

Segundo Farias, até o momento, pode-se afirmar que animais domésticos têm baixo potencial no ciclo epidemiológico da doença.

No entanto, é importante ter em mente que o vírus pode sofrer mutação. Por enquanto, o cão e o gato doméstico não desenvolvem a doença. A continuidade do trabalho dos pesquisadores da PUC-PR vai revelar se esse vírus, em contato com os animais, pode sofrer mutação e, a partir daí, no futuro, passar a infectar também cães e gatos domésticos.

“Isso pode acontecer. Aí, o cão e o gato passariam a replicar o vírus. Pode acontecer no futuro. A gente não sabe”.

Por isso, segundo o especialista, é importante controlar a doença e vacinar em massa a população, para evitar que o cão e o gato tenham acesso a uma alta carga viral, porque isso pode favorecer a mutação.

A nova etapa da pesquisa vai avaliar se o cão e o gato têm anticorpos contra o vírus. Os dados deverão ser concluídos entre novembro e dezembro deste ano.

O trabalho conta com recursos da própria PUC-PR e do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE).

Agência Brasil

Rate this post
Anúncio


Saúde

Funad disponibiliza aulas de Biodança para famílias de usuários com Transtorno do Espectro Autista

Publicados

em

Foto: Divulgação

A Fundação Centro Integrado de Apoio à Pessoa com Deficiência (Funad) ampliou os serviços oferecidos na Sala Te Acolher, criada para atender às famílias de usuários com autismo. O espaço conta agora com uma nova ferramenta: aula de Biodança, método vivencial que visa promover os potenciais saudáveis da pessoa, através de encontros em grupos, mediados pela música e pela dança.

O objetivo do serviço, que é um anexo da Coordenadoria de Atendimento à Pessoa Autista, é servir de espaço de reforço ao atendimento dos pais e responsáveis das pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA), com acolhimento humanizado e terapêutico. A Biodança é uma parceria da Funad com a UFPB e é aplicada pela professora Sandra Barbosa.

Anúncio


A aceitação da nova modalidade oferecida às famílias na Sala Te Acolher tem sido muito proveitosa. Enquanto os filhos são atendidos nas terapias, as famílias praticam a Biodança.

Para Rosângela Bernardo, mãe de Arthur Bernardo, de 7 anos, usuário da Funad, diante dos desafios diários, esse é um momento importante, porque assim, ela também se sente cuidada.  “Aqui reponho as energias, aprendo a encontrar equilíbrio e me sinto cuidada, protegida”.

Para Maria das Dores Pereira, mãe de Gabriel Pereira, ao participar da aula ela sai renovada. “Saio leve, alegre, esqueço ao menos por uns minutos da vida e meu filho também participa. Fico solta, entro no clima e adoro esses momentos”, destacou.

Segundo a professora Sandra Barbosa, a Biodança é uma prática integrativa que ao utilizar os movimentos da dança promove o relaxamento, estimula a criatividade e o autoconhecimento. “Também promove o diálogo não verbal entre os participantes, o olhar e o toque e seus efeitos terapêuticos e benéficos, sobretudo para essas famílias que chegam aqui sobrecarregadas, cansadas, com emoções reprimidas e que, na Biodança, se entregam ao relaxamento e saem refeitas para enfrentar novos desafios”. As aulas ocorrem sempre na terça-feira e são voltadas apenas para famílias de autistas, nos horários das terapias deles.

PB Agora

Rate this post
Anúncio


Continue lendo

Saúde

Julho Amarelo: Saúde de Guarabira realiza ações de conscientização sobre as hepatites virais; veja programação

Publicados

em

Foto: Reprodução

A Prefeitura de Guarabira por meio da sua Secretaria de Saúde deu início as ações alusivas à Campanha Julho Amarelo, mês de conscientização sobre as hepatites virais. A abertura das atividades aconteceu na manhã desta quarta-feira (10/7), na UBS Cordeiro, com uma palestra sobre o tema, para usuários, efetivada pelo médico da unidade, Dr. Thalles Viegas. 

Uma vasta programação elaborada em parceria pelas coordenações de ISTs (Infecções Sexualmente Transmissíveis) e Atenção Primária à Saúde, respectivamente, traz diversas atividades, como palestras sobre o tema, Dia D de testes rápidos nas UBS e Seminário de Prevenção às Hepatites. 

Anúncio


Veja a programação detalhada

  • Quarta, 10/7, às 8h – UBS Cordeiro – Palestra com Dr. Thalles 
  • Quinta, 11/7, às 14h – UBS São José – Palestra com a Dra. Rayana
  • Terça, 16/7, às 8h – UBS Mutirão – Palestra com a Dra. Dayse.
  • Quarta, 17/7, às 8h – UBS Juá e Nações – Palestra com o Dr. Alisson
  • Quinta. 18/7, das 8h às 11h – Em todas as UBS – Dia D de testes rápidos para hepatites virais.
  • Segunda, 29/7, às 8h – Auditório do Complexo Municipal de Saúde – Seminário de Prevenção às Hepatites Virais – Palestrantes: Dra. Elizany e Dr, Thalles.

Julho Amarelo – O Julho Amarelo é uma campanha de conscientização sobre as hepatites virais promovida pelo Ministério da Saúde do Brasil

Hepatites virais – São infecções que atingem o fígado, causando alterações leves, moderadas ou graves. Na maioria das vezes são infecções silenciosas, ou seja, não apresentam sintomas. Entretanto, quando presentes, podem se manifestar como: cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.

No Brasil, as hepatites virais mais comuns são causadas pelos vírus A, B e C. Existem ainda, com menor frequência, o vírus da hepatite D (mais comum na região Norte do país) e o vírus da hepatite E, que é menos frequente no Brasil, sendo encontrado com maior facilidade na África e na Ásia. 

As infecções causadas pelos vírus das hepatites B ou C frequentemente se tornam crônicas. Contudo, por nem sempre apresentarem sintomas, grande parte das pessoas desconhecem ter a infecção. Isso faz com que a doença possa evoluir por décadas sem o devido diagnóstico. O avanço da infecção compromete o fígado sendo causa de fibrose avançada ou de cirrose, que podem levar ao desenvolvimento de câncer e necessidade de transplante do órgão.

Plugados

Rate this post
Anúncio


Continue lendo

Cinema

Cuidando das emoções: o que ‘Divertida Mente 2’ nos ensina sobre saúde mental

Publicados

em

Foto: Disney/Pixar / Reprodução.

Raiva, inveja, alegria, tristeza, ansiedade, nojo, vergonha, tédio e medo. Esses sentimentos podem estar presentes no dia a dia das pessoas e mostram que gerir as emoções é uma habilidade vital para manter a saúde mental e o bem-estar. O assunto está em evidência, pois é o tema central do filme ‘Divertida Mente 2’, que ilustra de forma lúdica e educativa a complexidade das sensações humanas, reforçando a mensagem de que todas têm um papel importante em nossas vidas. 

A neuropsicóloga Jessyca Gabriella César Silva, da Hapvida NotreDame Intermédica, destaca a importância de reconhecer e lidar com as emoções e alerta que negá-las ou reprimi-las pode levar a problemas, como ansiedade, depressão e transtornos de humor. 

Anúncio


“Compreender nossas emoções é essencial para promover uma saúde emocional positiva. Quando reconhecemos e avaliamos nossos sentimentos, somos capazes de lidar com eles de maneira saudável e construtiva”, frisou. 

A especialista chama atenção para a necessidade de não reagir no calor da emoção, seja ela positiva ou negativa. Ela recomenda que é importante parar e respirar; e ensina um exercício: você pode contar até 10, tomar um gole d’água ou apenas respirar profundamente, utilizando técnicas como a respiração diafragmática. 

“O processo de parar, respirar, observar e então responder permite que você possa agir de uma outra forma que não seja por impulso. Isso traz inteligência às suas emoções: seja raiva, tristeza, frustração ou tantas outras, você passa por esse processo para assim reagir de uma maneira consciente, evitando arrependimentos”, explica. 

Sobre a tristeza, Jessyca afirma que esse é um sentimento comum, mas, quando se torna persistente, afetando o bem-estar mental, surge a necessidade de compreender e abordar suas raízes. 

A inveja, que também aparece em ‘Divertida Mente 2’, pode estar associada à baixa autoestima e à dificuldade de reconhecer o próprio valor. “Saber como lidar com a inveja significa entender que as emoções negativas se manifestam em qualquer pessoa, mas que elas não determinam sua maneira de agir diante das situações. Desse modo, é possível se policiar, dar mais atenção aos seus sentimentos e traçar alternativas para se livrar do que gera incômodos”, orienta a profissional. 

Outro fato interessante é que no filme a raiva e a ansiedade não têm nariz, e a teoria é que são emoções que mexem com a respiração. Conforme a neuropsicóloga, a raiva surge ao enfrentarmos obstáculos percebidos como hostis, enquanto a ansiedade se manifesta em situações de incerteza. Técnicas de controle respiratório são eficazes para gerir essas emoções, ajudando a tomar decisões mais ponderadas e evitando reações impulsivas.

Ascom/Hapvida

Rate this post
Anúncio


Continue lendo
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio

Mais Lidas