Conecte-se conosco

Policial

Polícia Civil faz maior apreensão de dinamites do ano em CG e prende ex-segurança de carro-forte

Publicados

em

A maior apreensão de dinamites registrada em Campina Grande no ano de 2021 foi realizada pela Polícia Civil da Paraíba, durante operação da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF), nessa segunda-feira, 27 de dezembro. São 152 artefatos explosivos prontos para serem usados em ataques a instituições financeiras. Quatro armas, munições e um colete balístico também foram apreendidos, além de bicicletas de alto valor comercial.

Todo o material estava em uma casa no bairro Itararé. Os policiais já estavam investigando os ocupantes do imóvel há alguns meses e conseguiram um mandado judicial de busca e apreensão para o local. Quando chegaram à residência, um dos investigados tentou fugir, mas foi preso em flagrante.

“Trata-se de um sujeito que já trabalhou por mais de quatro anos em empresas de segurança, inclusive em carros-fortes. As investigações indicam que ele repassava informações privilegiadas para as organizações criminosas agirem contra instituições financeiras”, disse o superintendente de Polícia Civil, Glauber Fontes. 

O investigado preso tem 45 anos de idade e compunha um grupo de assaltantes de banco que agiu na Paraíba e em outros estados, nos anos de 2010 e 2011. 

“Ao que tudo indica, é uma quadrilha que está tentando se reestruturar na Paraíba, uma vez que a maioria de seus membros ou já foi presa ou ainda permanece encarcerada. Esse volume de explosivos é uma prova cabal de que essa organização criminosa estava pronta para agir a qualquer momento”, afirmou o delegado Demétrius Patrício, da DRF.

Bicicletas entregues

Algumas pessoas já compareceram à Central de Polícia Civil com notas fiscais de bicicletas apreendidas nessa operação. Elas apresentaram o documento de compra, e a Polícia Civil devolveu os bens roubados. 

As armas, explosivos e demais objetos apreendidos estão à disposição da justiça. 

Assessoria

Rate this post

Policial

Em Bananeiras: Polícia prende dois por posse ilegal de armas

Publicados

em

Por volta das 8h15min, durante o patrulhamento na rodovia PB-105 próximo a cidade de Bananeiras/PB, foi visualizado pela guarnição três indivíduos caminhando as margens da referida rodovia, portando uma arma de fogo longa estando a referida arma coberta com uma meia de cor preta.

Diante do fato, foi procedida a abordagem dos indivíduos para verificar a procedência do referido armamento, sendo constatado que se tratava de uma carabina de pressão, estando o portador sem nenhum documento que comprovasse a origem da mesma. Além disso, ao ser realizada a busca pessoal, foi encontrado com o mesmo 01 revólver calibre 22 de marca não informada, número de serie 328499, municiado com 07 munições de calibre 22, intactas.

A guarnição conduziu os indivíduos e o material apreendidos até a delegacia de policia da cidade de Bananeiras/PB, apresentados a autoridade policial para as providencias cabíveis.

Ascom

Rate this post
Continue lendo

Policial

Preso professor da UFPB em Areia acusado de estupro

Prisão faz parte de operação realizada em conjunto pela PM e Gaeco, para prender servidores públicos procurados pela Justiça.

Publicados

em

Foto: Divulgação

Um professor da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) em Areia, acusado de estupro, foi preso no fim da manhã desta quarta-feira (10) em uma operação conjunta da Polícia Militar e do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público da Paraíba (MPPB).

Segundo a PM, o homem, de 50 anos, tinha mandado de prisão em aberto pelo crime, expedido pela 7ª Vara Criminal de João Pessoa. Após a prisão, efetuada no campus da universidade, ele foi apresentado na delegacia de Areia.

A prisão fez parte da “Operação Sagres”, que vem sendo realizada desde segunda-feira (8) pela Polícia Militar e Gaeco para prender servidores públicos que estão sendo procurados pela Justiça.

Portal Correio

Rate this post
Continue lendo

Justiça

Instituição de ensino deve indenizar aluna por demora na entrega de diploma

Publicados

em

“A demora injustificada na emissão de diploma de curso superior, regularmente registrado, necessário ao exercício profissional da autora, configura falha na prestação de serviços educacionais e gera o dever de indenizar”. Assim entendeu a Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba ao negar provimento à Apelação Cível nº 0803399-19.2020.8.15.0031, interposta pela SESJT – Sociedade de Ensino Superior São Judas Tadeu Ltda. O caso é oriundo do Juízo da Vara Única de Alagoa Grande.

A autora da ação alega que concluiu o curso de licenciatura em pedagogia, contudo, desde 2016, não recebeu seu diploma devidamente registrado, fato que lhe ocasionou uma série de transtornos.

“Cumpre registrar que, do acervo probatório trazido aos autos, o apelante não comprovou que a demora/atraso na emissão e entrega do diploma foi causada pela discente”, afirmou o relator do processo, Desembargador Marcos William de Oliveira.

Ele destacou, ainda, que “tratando-se de relação de consumo, aplica-se a responsabilidade civil objetiva, pela qual se prescinde da demonstração da culpa para que se estabeleça o dever de indenizar, bastando, desse modo, que restem caracterizados o defeito no serviço, o dano e o nexo de causalidade para que se imponha ao fornecedor a obrigação de reparar o prejuízo provocado”.

Segundo o desembargador, o valor da indenização, a título de danos morais, no montante de R$ 6 mil, atende ao princípio da razoabilidade, sendo apto a reparar o prejuízo causado à ofendida e, ao mesmo tempo, servir de exemplo para inibição de futuras condutas nocivas.

Da decisão cabe recurso.

Por Lenilson Guedes/TJPB

Rate this post
Continue lendo
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio

Mais Lidas