Conecte-se conosco

Paraíba

Reeducandas doam cabelos para mulheres com câncer

Publicados

em

Fotos: João Francisco/Secom-PB

Maria José, Ruth, Clara (nomes fictícios) e outras dez mulheres têm em comum hoje a condição de cumprirem penas na Penitenciária de Reeducação Feminina Maria Júlia Maranhão, no bairro de Mangabeira, em João Pessoa.

Mas não só isto. As 13 reeducandas estão unidas numa causa humanitária. Por iniciativa de uma delas, todas doaram seus cabelos a mulheres e crianças com câncer. Um ato de amor a quem perdeu os cabelos na doença e uma lição de vida que serve de exemplo.

As 13 mechas dos cabelos de Ruth, Maria, Clara e suas colegas de cela, foram entregues na tarde da segunda-feira (14) a uma representante da Rede Feminina de Combate ao Câncer. Os cabelos seguirão para São Paulo e em 15 dias voltarão em perucas que elevarão a alta estima de quem as receber.

Na opinião da diretora da penitenciária, a agente Mirtes Daniele da Silva, a iniciativa das internas é algo muito positivo: “A gente vê com um olhar muito positivo porque consegue entender que, de alguma forma, elas são excluídas da sociedade, mas, demonstram também que são pessoas humanizadas, que podem fazer algo de bom e estão praticando um gesto de amor com brilho nos olhos. Na verdade a doação é vontade delas que sentiram o desejo de doar os cabelos a uma instituição séria que é a Rede Feminina de Combate ao Câncer”.

cabelos-doado-detentas-do-julia-maranhao_foto-joao-francisco-3

Mirtes acredita que o acompanhamento periódico de ressocialização “influencia sim, a gente tenta passar humanidade e os resultados têm sido positivos”, conclui.

A agente de segurança e chefe de disciplina, Suzane Tenório Barreto, acompanhou e deu apoio à iniciativa de uma apenada que em poucos dias convenceu outras 12 colegas a doar os cabelos. “Uma apenada é cabeleireira, a gente falou com ela e de imediato se dispôs a cortar os cabelos. Então fizemos contato com a Rede Feminina de Combate ao Câncer. A gente aqui incentiva iniciativas positivas como esta”, declarou Suzane.

Ângela, 35 anos, acredita que a atitude dela e de suas colegas também tem relação com o que lhes é transmitido na ressocialização implementada pela Secretaria de Administração Penitenciária (Seap), “Alguma lição fica, toca nossos corações. O apoio da direção ao abrir as portas para a excelente idéia de nossa colega, que nos sensibilizou, fez com que a gente decidisse cortar nossos cabelos. No banho de sol ela ficou nos incentivando, vai fazer uma pessoa feliz, nosso cabelo vai crescer de novo, então decidimos doar”.

Maria José, 28 anos, afirmou que é uma alegria fazer uma doação. “Fico feliz pela oportunidade de estar doando uma mecha de meu cabelo para as pessoas que estão com câncer e necessitadas. Convido mulheres em liberdade a visitar o Hospital Laureano e doarem seus cabelos porque com certeza é por uma boa causa e com certeza Deus vai abençoar”.

Fátima Vieira, secretária da Diretoria da Rede Feminina de Combate ao Câncer, afirma que o exemplo de solidariedade de pessoas que estão confinadas “é uma lição humanitária para pessoas que estão em liberdade até para conscientizá-las de que a solidariedade é o caminho”.

O Hospital Napoleão Laureano recebe permanentemente cabelos doados. Basta que as pessoas cortem, levem e coloquem em uma urna disponível no hospital. Para a doação os cabelos devem estar limpos, enxutos e o corte no mínimo de 20 centímetros, além de amarrados e embalados em saco plástico. Um cabeleireiro de João Pessoa é voluntário nesse projeto. É ele quem encaminha para São Paulo e quando recebe as perucas as entrega à Rede Feminina de Combate ao Câncer.

Site da Paraíba (Paraiba.pb.gov)

 

Reeducandas doam cabelos para mulheres com câncer
Avalie esta postagem
Apoio

Paraíba

Mil vagas: Inscrições de concurso para professor começam nesta quarta-feira

Publicados

em

As inscrições devem ser realizadas até o dia 6 de junho através do site da empresa organizadora. A taxa de inscrição é de R$ 39.

O Governo do Estado divulgou o edital do concurso com mil vagas para o ingresso no cargo de Professor de Educação Básica 3, da Carreira do Magistério Estadual, no âmbito da Secretaria de Estado da Educação e da Ciência e Tecnologia da Paraíba. O edital foi publicado no Diário Oficial do Estado do último sábado (20) e também está disponível em http://paraiba.pb.gov.br/educacao/editais. As inscrições começam nesta quarta-feira (24) e vão até dia 6 de junho. O concurso conta com prova objetiva, que será dia 21 de julho, e prova de títulos.

As inscrições podem ser realizadas via internet ou presencialmente. Pela internet estarão disponíveis das 9h do dia 24/04/2019 às 23h59 do dia 06/06/2019, no endereço eletrônico do Instituto AOCP www.institutoaocp.org.br. Para os candidatos que não têm acesso à internet será disponibilizado um Posto de Inscrição Presencial, na Escola Estadual Liceu Paraibano, situada na Avenida Presidente Getúlio Vargas, s/ nº Centro, João Pessoa/PB. O posto de inscrição funcionará das 10h às 14h, de segunda a sexta-feira (exceto feriados), do dia 24/04/2019 ao dia 06/06/2019. A taxa de inscrição é R$ 39,00. O período para solicitação de isenção da taxa é até 30 de abril.

O concurso tem validade de seis meses, a contar da data da publicação da homologação de seu resultado final, podendo ser prorrogado, uma vez, por igual período, à critério da Administração. A carga horária é de 30 horas semanais e o vencimento é de R$ 2.110.12.

Confira as vagas – 72 vagas para Artes; 150 vagas para Biologia; 68 vagas para Educação Física; 6 vagas para Filosofia; 47 vagas para Física; 72 vagas para Geografia; 78 vagas para História; 18 vagas para Língua Espanhola; 61 vagas para Língua Inglesa; 195 vagas para Língua Portuguesa; 199 vagas para Matemática; 28 vagas para Química; seis vagas para Sociologia.

Secom-PB

Mil vagas: Inscrições de concurso para professor começam nesta quarta-feira
Avalie esta postagem
Continue lendo

Paraíba

Na Paraíba: Confira quais são as entidades credenciadas para emissão de carteiras de estudante

Publicados

em

Foto: Divulgação

Dez entidades estão habilitadas. Carteira de estudante permite a meia-entrada em cinemas, shows, eventos esportivos e também promove a meia-passagem em transportes públicos.

Após a decisão judicial liminar que obriga as empresas a não mais aceitarem declaração estudantil como documento que garante a meia-entrada ou meia-passagem, muitos estudantes estão em busca de locais para emissão da carteira estudantil. De acordo com o Procon da Paraíba, dez entidades estão habilitadas para realizar a emissão do documento.

Veja quais entidades podem emitir carteira de estudante na Paraíba

  1. Associação dos Estudantes Secundaristas da Paraíba (Aesp)
  2. União dos Estudantes Secundaristas da Paraíba (Uesp)
  3. União Estadual dos Estudantes da Paraíba (Ueep)
  4. União Liberal dos Estudantes Secundaristas da Paraíba (Ulesp)
  5. Conselho Universitário de Carteiras (CUC)
  6. Diretório Central dos Estudantes (DCE Livre Maurício de Nassau)
  7. Diretório Central dos Estudantes (DCE Unipê)
  8. Diretório Central dos Estudantes (DCE Fip/Fadip)
  9. Diretório Central dos Estudantes (DCE IFPB)
  10. Diretório Central dos Estudantes (DCE UFPB)

Segundo Késsia Liliana, superintendente do Procon-PB, as carteiras de estudante de 2018 perderam a validade no dia 31 de março. A carteira de estudante permite a meia-entrada em cinemas, shows, eventos esportivos e também promove a meia-passagem em transportes públicos.

O Procon-PB já notificou as empresas para pararem de receber a declaração estudantil como documento que valida a meia-entrada ou meia-passagem. O uso do comprovante de matrícula, juntamente com um documento oficial com foto, para garantir a meia-entrada foi determinado pela lei estadual nº 9.877, de 2012.

No entanto, a União Estadual dos Estudantes (UEE), entrou com uma ação na justiça, contra a Assembleia Legislativa da Paraíba, afirmando que parte de um artigo dessa legislação contraria diretamente um dos incisos de uma Lei Federal. A organização pediu a suspensão desse trecho.

Na decisão liminar, deferida no dia 12 de setembro de 2018, a juíza Silvanna Gouveia Cavalcanti seguiu o entendimento da UEE e determinou que seja suprimido o trecho que define o uso do comprovante de matrícula como documento para ter acesso ao benefício.

Fonte: G1 PB

Na Paraíba: Confira quais são as entidades credenciadas para emissão de carteiras de estudante
Avalie esta postagem
Continue lendo

Paraíba

Projeto garante gratuidade e atendimento prioritário na emissão de documentos de mulheres vítimas de violência

Publicados

em

Assegurar gratuidade e garantir prioridade na emissão de documentos para mulheres em situação de violência. Esse é o objetivo do projeto de Lei (88/2019), de autoria da deputada Camila Toscano (PSDB), aprovado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), que se encontra em tramitação na Assembleia Legislativa da Paraíba.

De acordo com Camila, a prioridade é a garantia do atendimento para emissão de documentos, sejam os de entidades públicas ou privadas, independentemente de senhas ou marcações prévias. A garantia é para as mulheres em situação de risco, de violência doméstica, de violência familiar e em situações correlatas, que ponham em risco sua integridade física, moral, psicológica e social.

O projeto diz que para ter a prioridade no atendimento é necessário a apresentação de um dos seguintes documentos: termo de encaminhamento de unidade da rede estadual de proteção e atendimento às mulheres em situação de violência doméstica e familiar; cópia do Boletim de Ocorrência emitido por órgão competente, preferencialmente, pela Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher, que conste a vítima ter perdido em razão da violência; e o termo de Medida Protetiva expedida pelo Juiz da Comarca.

A deputada explicou ainda que o atendimento deverá ser realizado com presteza e celeridade, de modo que venha minimizar os constrangimentos e a violência física e moral que a vítima sofrera.“É direito da mulher vítima de violência ter o seu atendimento de forma reservada, caso assim necessite. Esse projeto dá a garantia de atendimento desburocratizado na emissão dos documentos porventura destruídos pelo agressor. Com a aprovação do projeto e sua sanção, e de posse de alguns requisitos já estabelecidos, a mulher vítima de violência pode se dirigir as agências de emissão de documentos e ter a prioridade na solução do problema”, destacou Camila.

Assessoria

Projeto garante gratuidade e atendimento prioritário na emissão de documentos de mulheres vítimas de violência
Avalie esta postagem
Continue lendo
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio

Mais Lidas