Conecte-se conosco

Saúde

Bactéria da hanseníase infecta mais da metade dos tatus analisados por cientistas

Publicados

em

Um novo estudo feito no Brasil por um grupo internacional de cientistas revela que, no oeste do Pará, 62% dos tatus estão infectados com a bactéria causadora da hanseníase – uma doença contagiosa que pode provocar danos graves aos nervos e à pele.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil tem o segundo maior número de casos de hanseníase no mundo. Em 2016, 25.218 novos casos foram diagnosticados. Apenas a Índia teve um número maior de novos casos registrados naquele ano: 135.485. O Brasil concentra 92,2% dos casos de hanseníase na América do Sul.

De acordo com os autores da pesquisa, publicada nesta quarta-feira, na revista científica Plos Neglected Tropical Diseases, já se sabia que os tatus (Dasypus novemcinctus) podem transmitir a humanos o Mycobacterium leprae, bacilo causador da hanseníase, a partir de casos relatados no sul dos Estados Unidos.

Embora não existam provas de que o tatu é um reservatório natural para a transmissão de hanseníase no Brasil, de acordo com os autores do estudo, a presença do bacilo nos animais preocupa, já que parte da população da Amazônia brasileira tem o hábito de caçar o tatu, que faz parte da dieta local.

De acordo com um dos autores do estudo, John Spencer, da Universidade Estadual do Colorado (Estados Unidos), o grupo de cientistas realizou levantamentos sobre a ocorrência de tatus no oeste do Pará e fez testes genéticos com o DNA extraído de 16 tatus capturados por caçadores locais.

Os 16 tatus examinados foram caçados nas florestas em torno de duas comunidades de Belterra: São Jorge e Corpus Christi. Paralelamente, a equipe também estudou um grupo de habitantes região para saber qual é a extensão e frequência de suas interações com os tatus. Os cientistas coletaram amostras de sangue dos habitantes e mediram os níveis de anticorpos da bactéria da hanseníase.

Segundo Spencer, dos 16 tatus estudados, dez estavam infectados com o M. leprae. Das 146 pessoas submetidas à análise, sete pacientes foram diagnosticados com hanseníase. Mas 92 indivíduos – ou 63% da população examinada – apresentaram testes positivos para o anticorpo da bactéria. De acordo com o cientista, isso sugere que a maior parte da população já foi exposta à M. leprae.

O estudo também mostrou que os indivíduos que consumiram carne de tatu com mais frequência – pelo menos uma vez por mês – tinham níveis mais elevados do anticorpo, em comparação aos habitantes que comeram menos carne de tatu. O estudo mostrou que os caçadores de tatus são o grupo mais ameaçado: entre eles, o risco de contrair hanseníase é sete vezes maior que o normal.

De acordo com Spencer, a descoberta poderá estabelecer as bases para um debate público sobre a possível associação dos tatus com a disseminação da hanseníase no Brasil.

“Como os tatus ocorrem em número muito alto em várias áreas rurais do Brasil, e como a taxa de detecção de novos casos em humanos tem sido considerada hiperendêmica na região da Amazônia há muito tempo, é extremamente provável que a introdução da bactéria da hanseníase em tatus por meio das interações com humanos não seja um evento recente”, disse Spencer.

A doença, que pode ser tratada com antibióticos, provavelmente se espalha entre humanos, de acordo com Spencer. A bactéria da hanseníase pode viver no nariz das pessoas e ser espalhada em gotículas quando o indivíduo espirra, tosse, ou respira.

Cerca de 95% da população mundial é imune à hanseníase, segundo o pesquisador. No entanto, não há consenso sobre como a doença infecta as pessoas que são suscetíveis, já que muitas delas afirmam nunca terem entrado em contato com ninguém infectado. Por outro lado, segundo Spencer, a infecção pode levar vários anos até produzir sintomas.

Um estudo realizado por outro grupo de cientistas demonstrou, em 2011, que nove tatus encontrados no sudeste dos Estados Unidos estavam infectados com a mesma linhagem da bactéria da hanseníase encontrada em humanos, sugerindo que as pessoas foram infectadas após contato com o animal.

Depois da descoberta da ligação entre tatus e hanseníase nos Estados Unidos, os cientistas levantaram a hipótese de que os animais poderiam contribuir com o problema no Brasil. Vários estudos foram realizados, entretanto, os resultados foram contraditórios.

Os resultados do novo estudo sugerem que as pessoas que estão em contato frequente com tatus correm mesmo risco de serem infectadas com a bactéria da hanseníase. No entanto, para estabelecer a conexão cientificamente será preciso realizar novos estudos e descobrir se as linhagens da bactéria encontradas nos tatus são as mesmas encontradas nas pessoas infectadas na região.

Segundo Spencer, não é possível dizer se os resultados do novo estudo farão os caçadores deixarem de comer tatus. “Quando dizíamos aos moradores que eles podiam pegar hanseníase dos tatus, eles respondiam que não se importavam, porque adoravam a carne de tatu e que não iam mudar esse comportamento”, disse o cientista.

A culpa não é do tatu. De acordo com outro dos autores da pesquisa, Marco Andrey Frade, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, da Universidade de São Paulo (FMRP-USP), apesar dos resultados do estudo, a transmissão da hanseníase pelo tatu não é a principal preocupação dos especialistas na doença.

“O estudo é um relato que mostra o quanto estamos convivendo com o bacilo, que está presente tanto na natureza como no corpo humano. Mas os nossos resultados não permitem dizer de forma contundente que a transmissão advém do uso da carne do tatu, ou do convívio com ele”, disse Frade ao jornal O Estado de S. Paulo.

Segundo Frade, a maior parte da transmissão ocorre mesmo entre humanos. “Nosso grande problema não é o tatu, mas a falta de vigilância e a falta de diagnósticos. Os profissionais da saúde estão perdendo a capacidade para diagnosticar a hanseníase, especialmente em sua fase inicial”, explicou.

Quando o diagnóstico é precoce, a doença é facilmente tratável com antibióticos, segundo Frade. Mas a doença não diagnosticada pode levar anos para se manifestar e, quando chega a esse ponto, há grande chance de que ela gere deformações sérias e incapacitação.

“Não temos um exame laboratorial que possa ser aplicado em grande escala na população e precisamos confiar no olho clínico dos médicos. Mas cada vez menos há profissionais preparados para isso. Infelizmente, no Brasil o porcentual de incapacitados é de 15% a 20% das pessoas infectadas.”

“Nossa grande luta é ampliar o treinamento para os médicos da rede”, disse Frade, que é vice-presidente da Sociedade Brasileira de Hansenologia. Na FMRP-USP, ele é coordenador do Centro de Referência Nacional em Dermatologia Sanitária com Ênfase em Hanseníase.

Segundo Frade, a hanseníase é mais que uma doença negligenciada: é uma “doença invisível”. “É uma doença que não causa dor, inicialmente. A pessoa perde a sensibilidade ao tato, ao calor, ao frio e à dor. Tudo é silencioso e a doença incapacita lentamente. Ela também não mata, nem tem uma fase aguda – o que acaba contribuindo para que não sejam tomadas muitas providências”, disse.

Silenciosa, a hanseníase está mais presente do que a grande maioria das pessoas imaginam. Segundo Frade, praticamente todo mundo já entrou em contato com o bacilo em algum momento, embora 90% da população não desenvolva a doença.

“O sistema imunológico se encarrega de acabar com o bacilo na maioria esmagadora dos casos. Em 10% da população, o bacilo penetra no organismo, mas tudo vai depender da resposta do sistema imunológico, que manterá a bactéria controlada e imperceptível em algumas pessoas – que, no entanto, continuarão fazendo a transmissão.”

O médico conta que, no ano passado, seu grupo fez uma pesquisa na rodoviária de Brasília, atendendo pessoas que passavam pelo local aleatoriamente. “Embora na cidade a hanseníase não seja considerada endêmica desde 2008, nós diagnosticamos a doença em 10% das pessoas examinadas”, contou.

Além dos cientistas da FMRP-USP e da Universidade Estadual do Colorado, o estudo também teve participação de pesquisadores da Universidade Federal do Pará (UFPA), da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA), da Escola Politécnica Federal de Lausanne (Suíça) e da Universidade de Leiden (Holanda).

Folha Vitória

Rate this post

Alerta

Saúde eleva para nível máximo risco da varíola dos macacos

Publicados

em

Pixabay

O Ministério da Saúde elevou para o nível máximo de emergência, o alerta para o risco da varíola dos macacos, também conhecida como monkeypox.

A classificação é para todo o território nacional e significa que a doença é considerada grave.

De acordo com o ministério da saúde, a decisão veio após o aumento da capacidade de transmissão da doença, do agravamento dos casos confirmados, da vulnerabilidade da população e da indisponibilidade de medidas preventivas como vacinas e possíveis tratamentos.

Os níveis de emergência variam de 1 ao 3 e estão detalhados no Plano de Contingência Nacional para MONKEYPOX publicado pelo Ministério da Saúde. O documento traz orientações para prevenção e tratamento tanto para a população quanto para as secretarias de saúde dos estados. Também padroniza os procedimentos a serem adotados diante da doença, como um protocolo de classificação para definir casos suspeitos, prováveis confirmados e descartados.

A transmissão da doença entre humanos ocorre principalmente por meio de contato pessoal com lesões de pele ou fluidos corporais de uma pessoa infectada ou objetos recentemente contaminados, tais como toalhas e roupas de cama.

De acordo com o Plano de contingência do governo, o tratamento dos casos é por meio de suporte clínico como medicamentos para dor e cuidados de higiene na área afetada. A maioria dos casos apresenta sintomas leves e moderados. Em casos graves, com comprometimento pulmonar, a pessoa pode precisar de oxigênio.

No Brasil, até 5 de agosto já haviam sido confirmados mais de dois mil casos, 1.962 suspeitos e um óbito. São Paulo lidera o número de casos no país, com mais de 1,5 mil registros confirmados.

Rádio Agência Nacional

Rate this post
Continue lendo

Saúde

Mais de 1 milhão de paraibanos estão com dose de reforço contra a Covid-19 em atraso

Conforme dados da SES, são 1.190.640 pessoas, com idade maior ou igual a 12 anos, que não tomaram o primeiro reforço (3ª dose).

Publicados

em

Foto: Secom/JP

Conforme dados divulgados pela Secretaria de Estado da Saúde (SES) nesta segunda-feira (1º), 1.190.640 pessoas, com idade maior ou igual a 12 anos, não tomaram o primeiro reforço (3ª dose) contra a Covid-19 na Paraíba.

O órgão reforça a importância da imunização e aponta que no mês de julho foram regulados 217 pacientes para as unidades de referência, além do registro de 92 óbitos e 12.657 casos confirmados.  

Conforme o sistema de notificação, houve um acréscimo no número de óbitos, mas o estado já apresenta uma queda. Dos mais de 12.600 casos confirmados no mês de julho, 12.390 (97,89%) foram leves ou moderados e 267 (2,11%) foram graves. As internações também estão em queda, com 24 pacientes regulados na semana entre 24 e 30 de julho. 

Reforço na vacinação

De acordo com a secretária de Saúde da Paraíba, Renata Nóbrega, a SES programou, de julho a setembro deste ano, três ocasiões para fortalecimento das coberturas vacinais no estado. O primeiro momento aconteceu no sábado (30 de julho), quando 40.139 pessoas tomaram a vacina contra a Covid-19. Ela disse que o número de doses de reforço em atraso ainda é alto e pede que a população atualize o esquema vacinal

“Precisamos que toda a população se conscientize para tomar as doses de reforço necessárias para evitar a hospitalização e os óbitos pelo agravo, especialmente crianças e adolescentes por conta da volta às aulas. Nós teremos mais dois dias de mobilização para a vacinação, sendo o próximo em 20 de agosto. Mas reforçamos que os municípios estão abastecidos com os imunizantes e que a população busque o posto de saúde para atualizar o cartão de vacina com todas as doses disponíveis para a faixa etária”, pontua. 

Portal Correio

 

Rate this post
Continue lendo

Saúde

Secretaria de Saúde investiga caso suspeito de varíola dos macacos em JP

Publicados

em

A Secretaria de Estado da Saúde da Paraíba (SES-PB) revelou, nesta sexta-feira (29), que investiga um caso suspeito de varíola dos macacos (monkeypox) na capital do estado. Um jovem de 25 anos foi atendido na Unidade de Pronto Atendimento (UPA), apresentando os sintomas característicos da doença, em especial as lesões na pele.

Agora, o homem tem o acompanhamento da Vigilância Epidemiológica de João Pessoa, que o mantém em isolamento, visto que as lesões na pele ajudam na transmissão da doença. Apesar de tudo, o jovem mantém sintomas leves, de acordo com a SES-PB.

A Vigilância Epidemiológica também recolheu testes do paciente, que serão enviados para análises na Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro. Essa é a terceira suspeita de varíola dos macacos no estado paraibano. Anteriormente, segundo a SES-PB, outros dois casos suspeitos foram investigados, mas descartados após os testes.

Nesta última quinta-feira (28), foi confirmado, pelo Ministério da Saúde, que o país possui 978 casos confirmados do vírus no Brasil. Em Minas Gerais, nesta sexta-feira (29), ocorreu uma morte, de um paciente de 41 anos do sexo masculino, infectado pela varíola. A Organização Mundial da Saúde (OMS) já declarou a doença como emergência de preocupação.

MaisPB

Rate this post
Continue lendo
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio

Mais Lidas