Conecte-se conosco

Saúde

Bactéria da hanseníase infecta mais da metade dos tatus analisados por cientistas

Publicados

em

Um novo estudo feito no Brasil por um grupo internacional de cientistas revela que, no oeste do Pará, 62% dos tatus estão infectados com a bactéria causadora da hanseníase – uma doença contagiosa que pode provocar danos graves aos nervos e à pele.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil tem o segundo maior número de casos de hanseníase no mundo. Em 2016, 25.218 novos casos foram diagnosticados. Apenas a Índia teve um número maior de novos casos registrados naquele ano: 135.485. O Brasil concentra 92,2% dos casos de hanseníase na América do Sul.

De acordo com os autores da pesquisa, publicada nesta quarta-feira, na revista científica Plos Neglected Tropical Diseases, já se sabia que os tatus (Dasypus novemcinctus) podem transmitir a humanos o Mycobacterium leprae, bacilo causador da hanseníase, a partir de casos relatados no sul dos Estados Unidos.

Embora não existam provas de que o tatu é um reservatório natural para a transmissão de hanseníase no Brasil, de acordo com os autores do estudo, a presença do bacilo nos animais preocupa, já que parte da população da Amazônia brasileira tem o hábito de caçar o tatu, que faz parte da dieta local.

De acordo com um dos autores do estudo, John Spencer, da Universidade Estadual do Colorado (Estados Unidos), o grupo de cientistas realizou levantamentos sobre a ocorrência de tatus no oeste do Pará e fez testes genéticos com o DNA extraído de 16 tatus capturados por caçadores locais.

Os 16 tatus examinados foram caçados nas florestas em torno de duas comunidades de Belterra: São Jorge e Corpus Christi. Paralelamente, a equipe também estudou um grupo de habitantes região para saber qual é a extensão e frequência de suas interações com os tatus. Os cientistas coletaram amostras de sangue dos habitantes e mediram os níveis de anticorpos da bactéria da hanseníase.

Segundo Spencer, dos 16 tatus estudados, dez estavam infectados com o M. leprae. Das 146 pessoas submetidas à análise, sete pacientes foram diagnosticados com hanseníase. Mas 92 indivíduos – ou 63% da população examinada – apresentaram testes positivos para o anticorpo da bactéria. De acordo com o cientista, isso sugere que a maior parte da população já foi exposta à M. leprae.

O estudo também mostrou que os indivíduos que consumiram carne de tatu com mais frequência – pelo menos uma vez por mês – tinham níveis mais elevados do anticorpo, em comparação aos habitantes que comeram menos carne de tatu. O estudo mostrou que os caçadores de tatus são o grupo mais ameaçado: entre eles, o risco de contrair hanseníase é sete vezes maior que o normal.

De acordo com Spencer, a descoberta poderá estabelecer as bases para um debate público sobre a possível associação dos tatus com a disseminação da hanseníase no Brasil.

“Como os tatus ocorrem em número muito alto em várias áreas rurais do Brasil, e como a taxa de detecção de novos casos em humanos tem sido considerada hiperendêmica na região da Amazônia há muito tempo, é extremamente provável que a introdução da bactéria da hanseníase em tatus por meio das interações com humanos não seja um evento recente”, disse Spencer.

A doença, que pode ser tratada com antibióticos, provavelmente se espalha entre humanos, de acordo com Spencer. A bactéria da hanseníase pode viver no nariz das pessoas e ser espalhada em gotículas quando o indivíduo espirra, tosse, ou respira.

Cerca de 95% da população mundial é imune à hanseníase, segundo o pesquisador. No entanto, não há consenso sobre como a doença infecta as pessoas que são suscetíveis, já que muitas delas afirmam nunca terem entrado em contato com ninguém infectado. Por outro lado, segundo Spencer, a infecção pode levar vários anos até produzir sintomas.

Um estudo realizado por outro grupo de cientistas demonstrou, em 2011, que nove tatus encontrados no sudeste dos Estados Unidos estavam infectados com a mesma linhagem da bactéria da hanseníase encontrada em humanos, sugerindo que as pessoas foram infectadas após contato com o animal.

Depois da descoberta da ligação entre tatus e hanseníase nos Estados Unidos, os cientistas levantaram a hipótese de que os animais poderiam contribuir com o problema no Brasil. Vários estudos foram realizados, entretanto, os resultados foram contraditórios.

Os resultados do novo estudo sugerem que as pessoas que estão em contato frequente com tatus correm mesmo risco de serem infectadas com a bactéria da hanseníase. No entanto, para estabelecer a conexão cientificamente será preciso realizar novos estudos e descobrir se as linhagens da bactéria encontradas nos tatus são as mesmas encontradas nas pessoas infectadas na região.

Segundo Spencer, não é possível dizer se os resultados do novo estudo farão os caçadores deixarem de comer tatus. “Quando dizíamos aos moradores que eles podiam pegar hanseníase dos tatus, eles respondiam que não se importavam, porque adoravam a carne de tatu e que não iam mudar esse comportamento”, disse o cientista.

A culpa não é do tatu. De acordo com outro dos autores da pesquisa, Marco Andrey Frade, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, da Universidade de São Paulo (FMRP-USP), apesar dos resultados do estudo, a transmissão da hanseníase pelo tatu não é a principal preocupação dos especialistas na doença.

“O estudo é um relato que mostra o quanto estamos convivendo com o bacilo, que está presente tanto na natureza como no corpo humano. Mas os nossos resultados não permitem dizer de forma contundente que a transmissão advém do uso da carne do tatu, ou do convívio com ele”, disse Frade ao jornal O Estado de S. Paulo.

Segundo Frade, a maior parte da transmissão ocorre mesmo entre humanos. “Nosso grande problema não é o tatu, mas a falta de vigilância e a falta de diagnósticos. Os profissionais da saúde estão perdendo a capacidade para diagnosticar a hanseníase, especialmente em sua fase inicial”, explicou.

Quando o diagnóstico é precoce, a doença é facilmente tratável com antibióticos, segundo Frade. Mas a doença não diagnosticada pode levar anos para se manifestar e, quando chega a esse ponto, há grande chance de que ela gere deformações sérias e incapacitação.

“Não temos um exame laboratorial que possa ser aplicado em grande escala na população e precisamos confiar no olho clínico dos médicos. Mas cada vez menos há profissionais preparados para isso. Infelizmente, no Brasil o porcentual de incapacitados é de 15% a 20% das pessoas infectadas.”

“Nossa grande luta é ampliar o treinamento para os médicos da rede”, disse Frade, que é vice-presidente da Sociedade Brasileira de Hansenologia. Na FMRP-USP, ele é coordenador do Centro de Referência Nacional em Dermatologia Sanitária com Ênfase em Hanseníase.

Segundo Frade, a hanseníase é mais que uma doença negligenciada: é uma “doença invisível”. “É uma doença que não causa dor, inicialmente. A pessoa perde a sensibilidade ao tato, ao calor, ao frio e à dor. Tudo é silencioso e a doença incapacita lentamente. Ela também não mata, nem tem uma fase aguda – o que acaba contribuindo para que não sejam tomadas muitas providências”, disse.

Silenciosa, a hanseníase está mais presente do que a grande maioria das pessoas imaginam. Segundo Frade, praticamente todo mundo já entrou em contato com o bacilo em algum momento, embora 90% da população não desenvolva a doença.

“O sistema imunológico se encarrega de acabar com o bacilo na maioria esmagadora dos casos. Em 10% da população, o bacilo penetra no organismo, mas tudo vai depender da resposta do sistema imunológico, que manterá a bactéria controlada e imperceptível em algumas pessoas – que, no entanto, continuarão fazendo a transmissão.”

O médico conta que, no ano passado, seu grupo fez uma pesquisa na rodoviária de Brasília, atendendo pessoas que passavam pelo local aleatoriamente. “Embora na cidade a hanseníase não seja considerada endêmica desde 2008, nós diagnosticamos a doença em 10% das pessoas examinadas”, contou.

Além dos cientistas da FMRP-USP e da Universidade Estadual do Colorado, o estudo também teve participação de pesquisadores da Universidade Federal do Pará (UFPA), da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA), da Escola Politécnica Federal de Lausanne (Suíça) e da Universidade de Leiden (Holanda).

Folha Vitória

Saúde

Marcador biológico facilita diagnóstico da dengue hemorrágica

Publicados

em

Foto: Ilustração

Um estudo desenvolvido a partir da análise de milhares de moléculas levou pesquisadores à identificação de lipídios que podem indicar a evolução da dengue para sua forma mais grave, a hemorrágica. Segundo os cientistas, foi possível observar que o vírus ajuda a promover a adição de fosfato às proteínas do sangue, aumentando a quantidade de fosfotidilcolinas.

Esses lipídios agem contra a coagulação, e a presença excessiva deles acaba por desbalancear os processos que evitam as hemorragias.

O estudo foi desenvolvido pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e Escola de Medicina de São José do Rio Preto (Famerp), com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), revelou marcadores que facilitam o diagnóstico da dengue hemorrágica.

A investigação é resultado do doutorado do pesquisador Carlos Fernando Odir Rodrigues, sob orientação do professor Rodrigo Ramos Catharino, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Unicamp.

Reconhecimento internacional
Transformada em artigo publicado na revista Scientific Reports, a pesquisa descreve a evolução da dengue hemorrágica a partir da análise de 20 pacientes tratados no Hospital de Base da da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (Famerp).

De acordo com o estudo, o vírus assume o controle do metabolismo das células infectadas para atender às necessidades de replicação viral. Essa atuação gera aumento da fosfotidilcolina, que dificulta a coagulação do sangue e é um indicativo da febre hemorrágica.

Com essa constatação, os pesquisadores acreditam que, em breve, será possível identificar a ocorrência da forma mais grave da doença a partir de exames de sangue. A expectativa é que a descoberta também ajude no desenvolvimento de vacinas e no aperfeiçoamento dos tratamentos.

A partir do diagnóstico mais rápido e preciso, deve ainda aumentar a sobrevida dos pacientes, uma vez que o atendimento já poderá ser direcionado desde os estágios iniciais. A evolução para a variedade hemorrágica está ligada vários fatores, como a quantidade de vírus no organismo e a reação do sistema imunológico do doente.

Contaminação
A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que a dengue afete 390 milhões de pessoas por ano em todo o mundo. Em junho, o Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa), do Ministério da Saúde, apontou que 1,1 mil municípios brasileiros, 22% do total, tinham risco de surto de dengue, zika e chikungunya.

Nas capitais, apenas São Paulo, João Pessoa e Aracaju estavam em condições consideradas satisfatórias e tinham poucas chances de enfrentar esse tipo de problema.

Até julho, haviam sido confirmadas 77 mortes causadas pela dengue em todo o país. Ao todo, foram registrados 148 casos da doença considerados graves e 1,7 mil ocorrências com sinais de alarme.

Fonte: Agência Brasil

Continue lendo

Saúde

Centros de assistência de saúde mental ajudam na prevenção ao suicídio

Publicados

em

Foto: Ilustração

A existência de Centros de Atenção Psicossocial (Caps) – estruturas do Sistema Único de Saúde (SUS) compostas de equipes multidisciplinares que fazem o atendimento a pessoas com problemas de saúde mental – diminui em até 14% a incidência de suicídios nos municípios. De acordo com levantamento do Ministério da Saúde, no ano passado, 109 novos Caps foram inaugurados em 20 estados.

Em todo o país, foram registradas 106.374 mortes por suicídio, entre 2007 e 2016. No período analisado, constatou-se um aumento de 16,8% no número total de ocorrências – entre homens, o aumento chegou a 28%.

Somente em 2016, 11.433 mil pessoas interromperam a própria vida. Naquele ano, a taxa de mortalidade por suicídio foi de 5,8 pessoas a cada 100 mil habitantes.

Os dados foram divulgados hoje (20) pelo Ministério da Saúde como uma das ações da campanha Setembro Amarelo, de prevenção ao suicídio. O suicídio é a quarta maior causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos.

Segundo o relatório apresentado pelo governo, as tentativas de suicídio por intoxicação intencional, de 2007 a 2017, resultaram em 12 mil internações por ano, que tiveram um impacto de R$ 3 milhões anuais no orçamento público. O valor equivale a recursos que cobririam a implementação de oito Caps a cada ano.

A maior taxa de mortes por suicídios entre os anos de 2011 a 2015 é entre indígenas, com 15,2 casos a cada 100 mil habitantes.

Assistência

De acordo com o governo, R$ 1,4 milhão foi destinado a projetos desenvolvidos nas Redes de Atenção Psicossocial (RAPS) nos estados do Amazonas, Mato Grosso do Sul, Roraima, Piauí, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, considerados prioritários, por apresentar taxas elevadas de suicídio.

Em um ano, foram capacitados 62 multiplicadores para qualificação das ações de prevenção de suicídio nos seis estados com maiores taxas de mortalidade por essa causa. A qualificação permitirá uma melhor notificação das tentativas e óbitos por suicídio, orientação sobre o cuidado a pessoas com ideação/tentativa de suicídio e seus parentes; e organizar os fluxos assistenciais.

Entre indígenas – grupo em que o suicídio prevaleceu, de 2011 a 2015, entre crianças e jovens de 10 a 19 anos (44,8%) – o trabalho de qualificação é feito, segundo o ministério, com jovens e lideranças das comunidades. Nos locais onde a ação de prevenção tem sido coordenada, as mortes por suicídio já foram reduzidas em 10,2%, em um ano.

Subnotificação

Para a diretora do Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos Não-transmissíveis e Promoção da Saúde, Fátima Marinho, os casos de suicídio ainda são subnotificados. Ela estima que o número apresentado seja 20% menor do que real. No mundo, a cada ano, cerca de 800 mil pessoas tiram a própria vida.

Considerada uma morte evitável, o suicídio é comumente associado a transtornos mentais, como depressão e transtorno bipolar.

Instituições como o Centro de Valorização da Vida (CVV) oferecem atendimento a pessoas que precisem de apoio emocional. A equipe do CVV recebe, 24 horas por dia, ligações gratuitas, pelo telefone 188. Como alternativa ao atendimento por telefone, há também postos distribuídos em todo o país e o chat online.

O governo federal disponibiliza também um site temático sobre o suicídio, que reúne informações estatísticas e orientações.

Fonte: Agência Brasil

Continue lendo

Cidades

Alimentação saudável e exercícios físicos podem reverter casos de infertilidade

Publicados

em

Foto: Shutterstock

Estudo com 5 mil mulheres que estão tentando engravidar mostra que metade delas não pratica nenhuma atividade física, dentre os homens, o percentual é de 39%.

As dificuldades para engravidar acometem aproximadamente 8 milhões de pessoas, esses são dados da Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida. Há muitos casos de casais que realizaram inúmeros exames para saber se há algum problema que impede uma gravidez e todos apresentaram resultado normal. O que fazer?

Após um ano de tentativas sem sucesso por uma gestação e todos os exames normais, o problema se enquadra no que é conhecido como Infertilidade Inexplicável ou Infertilidade Sem Causa Aparente (ISCA).

Geralmente, o problema pode ser resultado de alguma deficiência nutricional ou de um estilo de vida nada saudável. O sobrepeso e obesidade também podem desestabilizar vários sistemas no organismo, inclusive, afetar a fertilidade.

A avaliação nutricional deverá ser realizada por um especialista, em caso de sobrepeso, obesidade ou apenas de reavaliação de dieta, não se deve procurar por ‘soluções do momento’, cada caso demandará cuidados particulares.

Estudo recente revela sobre o estilo de vida de quem está tentando engravidar

O portal Trocando Fraldas, voltado principalmente para mulheres que estão na tentativa de uma gravidez ‘tentantes’, realizou uma pesquisa neste mês, para tentar compreender o comportamento alimentar e estilo de vida daquelas que desejam uma gestação.

Participaram do estudo 5 mil mulheres que tiveram ou têm algum problema para engravidar. Os principais resultados foram:

  • 50% das mulheres que estão tentando engravidar não realizam nenhuma atividade física;
  • 39% dos parceiros não praticam nenhuma atividade física;
  • Aquelas que informaram ter engravidado em menos de 3 meses de tentativas, se alimentam 29% mais saudável do que as demais;
  • 1 em cada 3 mulheres que estão tentando uma gestação considera o peso acima ou muito acima do ideal;
  • As mulheres na região Sul se alimentam melhor, e na região Centro-Oeste, pior.

O que mulheres e homens podem fazer em caso de sobrepeso e obesidade? Algumas dicas:

  • Substitua alimentos industrializados por alimentos frescos e naturais;
  • Evite o consumo de alimentos que são fonte de cafeína;
  • Passe a introduzir na dieta frutas, verduras e legumes;
  • Comece a praticar alguma atividade física, pelo menos 3 vezes por semana, com a orientação médica;
  • Evite o excesso de gorduras e consumo de frituras.

Assessoria/Trocando Fraldas

Continue lendo
Apoio

Mais Lidas