Conecte-se conosco

Saúde

Vital Brazil alerta para aparecimento de animais peçonhentos no verão

Publicados

em

Foto: Divulgação

O Instituto Vital Brazil, vinculado à Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro, fez hoje (20) um alerta à população sobre a possibilidade de aparecimento de maior quantidade de animais peçonhentos, como cobras, aranhas e escorpiões durante o verão, especialmente em áreas de encosta e en zonas rurais. Estação mais quente do ano, o verão começa amanhã (21).

De acordo com Claudio Maurício Vieira, biólogo do instituto, é nesta época do ano, quando as temperaturas ficam mais altas, que nascem os filhotes das serpentes. Desde o início deste mês, o Vital Brazil recebeu 17 filhotes de jararaca, sendo nove da espécie Bothrops moojeni, encontrada em parte das regiões Sul, Centro-Oeste e central do Brasil, e oito Bothrops jararaca, comum no Rio de Janeiro.

Vieira disse que, dependendo da espécie, podem nascer até 50 filhotes em uma só ninhada. É o caso da jararacaçu, espécie que tem 16 vezes mais veneno que outras serpentes, destacou o biólogo. Ele informou que, mesmo recém-nascidos, os filhotes dessa cobra já têm veneno capaz de causar sérios danos à saúde dos seres picados. O fato de serem pequenos e em maior número que as cobras adultas faz com que os filhotes representem risco extra, porque são de difícil observação.

Vieira acrescentou que, por isso, é importante que o serpentário do instituto tenha bichos de um mesmo grupo e de várias espécies, com o objetivo de tornar o mais diversificado possível o conjunto de venenos usados na produção de soro antiofídico.

O biólogo destacou que os escorpiões, cujo aparecimento era mais frequente no inverno, têm sido encontrados durante todo o ano. Isso ocorre porque essa estação não é mais definida por frio intenso. Quanto a aranhas e lacraias, está havendo aumento de atividade no verão, por causa da alta umidade. Segundo Vieira, esses animais costumam descer as encostas e chegar até as áreas urbanas.

Para evitar acidentes, o Vital Brazil recomenda que as pessoas deixem a casa limpa, removendo entulho e material de construção. Devem ainda rebocar muros e paredes e limpar armários e guarda-roupas por dentro e por fora. Outra recomendação é manter a grama aparada e os arredores da casa, limpos, para evitar o surgimento de bichos que sirvam de comida para os animais peçonhentos, entre os quais ratos e baratas.

Números disponíveis do Ministério da Saúde revelam que mais de 160 mil acidentes com animais peçonhentos foram registrados em 2016, a maioria com escorpiões (91 mil). Houve 29 mil ocorrências com aranhas e 26 mil com cobras.

O Instituto Vital Brazil é um dos 21 laboratórios oficiais brasileiros e um dos quatro fornecedores de soro contra o veneno de animais peçonhentos, além de produzir medicamentos estratégicos para o Ministério da Saúde.

Fonte: Agência Brasil

Rate this post

Saúde

Meningite na Paraíba: mortes e casos notificados e confirmados quase dobram entre 2021 e 2022

Paraíba teve seis mortes por meningite, em 2021, e dez em 2022. Mortes são de moradores de Campina Grande, Brejo dos Santos, Igaraci, Pitimbu, Pombal, Quixabá, Rio Tinto e Sapé.

Publicados

em

Reprodução

A Paraíba já registrou dez mortes, 97 notificações e 38 casos confirmados de meningite, em 2022, quase o dobro dos registros obtidos em 2021, e o ano ainda nem terminou. A informação é da Secretaria de Estado da Saúde repassada ao ClickPB.

São Paulo e outros quatro estados já têm surto de meningite. Só na capital paulista, já são dez mortes no surto atual.

A coordenadora do Núcleo de Doenças e Agravos Transmissíveis, Fernanda Vieira, argumentou que “nos anos anteriores nós tivemos a pandemia. Então digamos que é normal neste ano de 2022, onde as coisas já estão começando a se acomodar e a pandemia começou a passar, que a vigilância tenha ficado mais sensível a casos de meningite.”

Ainda segundo a coordenadora, “tivemos, sim, um aumento de casos. Mas temos que lembrar que no ano passado nós estávamos com a pandemia em curso. Então isso também dificultou a notificação e identificação de casos de outras doenças, como a meningite, arboviroses e outras doenças.”

Ela lembrou que “a meningite pode ser causada por vários agentes como vírus, fungos e bactérias. A meningite que causa maior risco de surto é a meningite meningocócica decorrente da Neisseria meningitidis. Para a identificação são necessários serem realizados exames laboratoriais específicos. Por isso que alguns casos de meningite necessitam de profilaxia e outros não. Isso vai depender dos exames, da sintomatologia e da avaliação médica.”

Mortes

Foram registradas seis mortes por meningite na Paraíba, em 2021. Já são dez óbitos, em 2022. Quase o dobro. As mortes ocorreram entre moradores de Campina Grande (3), Brejo dos Santos (1), Igaraci (1), Pitimbu (1), Pombal (1), Quixabá (1), Rio Tinto (1) e Sapé (1).

Notificações e casos confirmados

Houve 53 casos notificados, sendo 25 confirmados, no ano passado. Este ano já foram confirmados 38 casos dos 97 notificados, conforme atualização desta quinta-feira (6), repassada ao ClickPB pela Secretaria de Estado da Saúde. Também quase o dobro nas duas situações.

Controle da meningite

Fernanda Vieira lembra que as medidas de controle da doença precisam ser reforçadas continuamente, com o monitoramento de casos suspeitos, acompanhando os sintomas do paciente, fazendo análises de exames e mantendo cobertura vacinal alta.

Multivacinação

A campanha de multivacinação foi prorrogada na Paraíba até 31 de outubro e inclui imunização contra a meningite.

“Existe essa necessidade da gente estar fortalecendo essas coberturas vacinais, principalmente ems menores de 5 anos. Então, pai e mãe, que tem sua criança, leve ela ao posto de saúde para ter uma avaliação da sua carteira vacinal e ter acesso a essa vacina que é gratuita. Nós estamos num momento onde várias doenças que são imunopreveníveis correm o risco de acometer a população pelo simples fato que a população perdeu o hábito de frequentar o posto de saúde, principalmente durante a pandemia, com medo de se contaminar com a Covid-19. Nós estamos passando agora por um momento em que se tem controle da Covid-19 justamente por conta da vacinação. Portanto, pai e mãe, pega sua criança, leva ao posto de saúde e vê o que ela está precisando tomar naquele momento porque isso é um ato de amor, é um ato de cuidado”, reforçou a coordenadora.

ClickPB

Rate this post
Continue lendo

Saúde

Covid-19: primeiros testes de vacina brasileira terão 400 voluntários

SpiN-TEC é desenvolvida por pesquisadores da UFMG e Fiocruz.

Publicados

em

© Arquivo pessoal/UFMG

Os testes clínicos da vacina SpiN-TEC contra covid-19, desenvolvida por pesquisadores do CT Vacinas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), vão começar com um grupo de 432 voluntários, segundo detalhes divulgados hoje (3), após a aprovação dos experimentos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).  

Segundo a Fiocruz, os ensaios clínicos começam assim que a Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) revalidar a aprovação concedida anteriormente, o que é necessário para contemplar as recomendações apresentadas no parecer da Anvisa.

Os testes clínicos, ou seja, os testes de uma vacina em humanos, incluem três fases antes de os desenvolvedores solicitarem o registro dos resultados às agências reguladoras. Na fase 1, é avaliada a segurança da vacina em um grupo pequeno de voluntários. Na fase 2, os pesquisadores aumentam o número de voluntários e testam também a resposta imunológica da vacina proposta. Por último, na fase 3, o número de voluntários é ainda maior, para que seja testada a eficácia da vacina na comparação com um grupo controle. 

No caso dos testes da SpiN-TEC, os pesquisadores realizarão a fase 1 em 72 voluntários, para verificar possíveis efeitos colaterais da vacina, como dor de cabeça, dor local, febre, náusea, entre outros. Os voluntários serão observados durante um ano, mas a fase 2 poderá começar caso não haja problemas dentro de quatro a seis meses após o início da fase 1.  

Na fase 2, o estudo contará com 360 voluntários. Além da segurança, os pesquisadores vão observar nessa etapa o nível de anticorpos gerados e a resposta dos linfócitos, estruturas que, juntas, poderão garantir a proteção do organismo contra o vírus SARS-CoV-2.

Segundo a Fiocruz, nas duas etapas, os voluntários serão divididos em dois grupos: um com participantes com idade entre 18 e 54 anos, que passará pelos testes primeiro; e outro, com pessoas com idade entre 55 e 85 anos. Os cientistas querem entender se a faixa etária pode interferir na resposta imunológica e também na segurança da vacina.

O lote clínico de vacinas que serão aplicadas nos 432 voluntários durante as fases 1 e 2 já está pronto. Segundo o pesquisador Ricardo Gazzinelli, coordenador do projeto, depois do desenvolvimento do processo de produção do ingrediente farmacêutico ativo (IFA) no CT-Vacinas (Fiocruz/UFMG), o insumo foi transferido para a Universidade de Nebraska, nos Estados Unidos, onde ocorreu a fabricação do lote. O envase, por sua vez, foi realizado no Complexo Industrial Farmacêutico Cristália, em São Paulo.

Além de se provar eficaz, a SpiN-TEC precisará igualar ou superar a eficácia das vacinas já existentes no mercado, para que sua aprovação seja concedida, uma vez que a maioria da população já está imunizada e a vacina será usada como dose de reforço. 

Caso seja aprovada nas primeiras duas fases, o imunizante ainda passará pela fase 3 de testes que deve envolver cerca de 4 mil voluntários, e a produção das vacinas que serão utilizadas contará com uma parceria que já foi firmada com a Fundação Ezequiel Dias (Funed), laboratório central do estado de Minas Gerais, para a fabricação do IFA. O envase deve ser feito por uma empresa brasileira do setor privado que já manifestou interesse na comercialização da SpiN-TEC em caso de confirmação de sua segurança e eficácia, segundo a Fiocruz.  

Os testes laboratoriais realizados, até o momento, mostram que a vacina confere proteção contra o agravamento de casos de covid-19 sem causar efeitos colaterais relevantes em camundongos e primatas não humanos. 

Nova tecnologia

A vacina SpiN-TEC tem tecnologia diferente das quatro vacinas contra covid-19 usadas até agora no Brasil: CoronaVac, AstraZeneca/Fiocruz, Pfizer e Janssen. Ela usa a fusão de duas proteínas do SARS-CoV-2, S e N, para formar uma proteína “quimera”. Segundo os desenvolvedores, essa associação confere à SpiN-TEC um diferencial em relação aos demais imunizantes, que miram apenas a proteína S, por ser aquela que o vírus utiliza para invadir as células humanas.

O problema de atacar apenas a proteína S é que ela também é a que mais acumulou mutações ao longo da evolução do novo coronavírus, o que deu às novas variantes mais eficiência contra os anticorpos neutralizantes. A proteína N, por outro lado, é menos sujeita às mutações que geraram novas variantes.

Além da segurança da vacina, o estudo em humanos quer provar que, por conter a quimera com as duas proteínas, a SpiN-TEC poderá oferecer proteção contra o coronavírus e suas variantes, sem dar a elas maior chance de escape.

Agência Brasil

Rate this post
Continue lendo

Saúde

Campanhas de vacinação contra pólio, influenza e multivacinação são prorrogadas por mais 30 dias

Publicados

em

A Campanha de Vacinação contra a Poliomielite e Multivacinação que foi prorrogada até a sexta-feira, 30/9, teve novamente uma prorrogação por mais 30 dias – e vai até o dia 31 de outubro, juntamente com a vacinação contra influenza. De acordo com o Ministério da Saúde, todas as vacinas que compõem o Calendário Nacional de Vacinação, incluindo o imunizante que protege contra a pólio, segue disponível nas salas de vacinas das Unidades Básicas de Saúde.

Poliomielite – Quanto a cobertura da poliomielite, até o momento o Brasil tem 54,21% das crianças entre um e menores de cinco anos imunizadas contra a doença; a meta é 95%. A Paraíba ocupa 89,77% de cobertura vacinal. Já o município de Guarabira tem, até então, uma cobertura de 90,98% de vacinação contra a pólio.

Toda a população com menos de cinco anos precisa ser vacinada para evitar a reintrodução do vírus que causa a paralisia infantil. As crianças menores de 1 ano deverão ser imunizadas conforme a situação vacinal para o esquema primário. As crianças de 1 a 4 anos deverão tomar uma dose da Vacina Oral Poliomielite (VOP), desde que já tenham recebido as três doses de Vacina Inativada Poliomielite (VIP) do esquema básico.

Influenza – A vacina contra a influenza está disponível nas unidades básicas para todos os públicos a partir dos 6 meses de vida. A meta de 90% de cobertura vacinal estipulada pelo MS ainda não foi alcançada. Guarabira tem 80,70% do público-alvo vacinado, conforme o LocalizaSus.

Multivacinação – Para a campanha de multivacinação (atualização das cadernetas) as vacinas disponíveis são: Hepatite A e B, Penta (DTP/Hib/Hep B), Pneumocócica 10 valente, VIP (Vacina Inativada Poliomielite), VRH (Vacina Rotavírus Humano), Meningocócica C (conjugada), VOP (Vacina Oral Poliomielite), Febre amarela, Tríplice viral (Sarampo, Rubéola, Caxumba), Tetraviral (Sarampo, Rubéola, Caxumba, Varicela), DTP (tríplice bacteriana), Varicela e HPV quadrivalente (Papilomavírus Humano).

Estarão disponíveis para os adolescentes, as vacinas HPV, dT (dupla adulto), Febre amarela, Tríplice viral, Hepatite B, dTpa e Meningocócica ACWY (conjugada). Todos os imunizantes que integram o Programa Nacional de Imunizações (PNI) são seguros e estão aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Codecom

Rate this post
Continue lendo
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio

Mais Lidas