Conecte-se conosco

Saúde

Onze mil tiram a própria vida por ano e Camila propõe Política de Diagnóstico e Tratamento da Depressão

Publicados

em

Pixabay

Por ano, 11 mil pessoas tiram a própria vida no país, de acordo com o primeiro boletim epidemiológico sobre suicídio, elaborado pelo Ministério da Saúde. Deste total, 79% são entre homens e 21% mulheres. Na Paraíba, a cada 34 horas um caso de suicídio é registrado conforme dados do Sistema de Informação sobre Mortalidade da Secretaria Estadual de Saúde (SIM/SES).

“Os dados são alarmantes e precisam ser debatidos, por isso, aqui na Paraíba estamos debatendo na Assembleia Legislativa o projeto de Lei Ordinária 87/2019 que cria nas redes públicas de saúde da Paraíba a Política de Diagnóstico e Tratamento da Síndrome da Depressão. A iniciativa, de nossa autoria, tem o objetivo de detectar a doença ou evidências de que ela possa vir a ocorrer, visando prevenir seu aparecimento”, explicou a deputada estadual Camila Toscano.

A parlamentar vem tratando essa temática desde o seu primeiro mandado e afirma que não se pode jogar para “baixo do tapete” esse grave problema que tira a vida de muitas pessoas. É de autoria de Camila a Lei 11.152/18, que cria o Dia Estadual de Prevenção e Combate à Depressão, alertando a população para necessidade do debate sobre a doença.

“Nesse mês marcado para reforçarmos a importância de se construir entendimentos no combate ao suicídio, precisamos nos unir em torno dessa causa e a depressão é um dos principais fatores que levam a morte. É necessário que haja um processo educacional para abordagem desse tema na sociedade para que deixe de ser um tabu”, afirmou a deputada.

Para Camila, o assunto merece mais atenção. “Precisamos entender o que é a depressão, como ela afeta a vida de uma pessoa e identificar sinais da doença para podermos ajudar quem sofre desse grave problema que atinge cada vez mais os paraibanos. Isso só é possível por meio de campanhas de conscientização que mostrem a nossa sociedade que falar da depressão mais do que importante é necessário”, destacou.

Sobre o combate ao suicídio, a deputada participou no mês de agosto, em Florianópolis no estado de Santa Catarina, do 3º Seminário Regional de Promoção e Defesa da Cidadania promovido pela União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais (Unale) em parceria com a Assembleia Legislativa (ALESC) e o apoio do Governo Federal. “Foi uma troca de experiências importante para a nossa atuação parlamentar na garantia de promovermos discussões sobre temas importantes como o suicídio”, disse.

Assessoria

Saúde

Importação de 6 milhões de doses da CoronaVac é autorizada pela Anvisa

Publicados

em

A importação de 6 milhões de doses da CoronaVac foi autorizada nesta sexta-feira (23), pela Anvisa – Agência Nacional de Vigilância Sanitária. A vacina é produzida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan.

A licença, por enquanto, é apenas para importação do imunizante. A distribuição das doses, ainda sem registro, depende de autorização da própria Anvisa. O pedido de importação em caráter excepcional foi feito pelo Instituto Butantan.

Testes clínicos

A CoronaVac está na terceira fase de testes clínicos. Atualmente, 9.039 voluntários participam dos estudos clínicos da vacina, feitos com profissionais da área da saúde de sete estados. 

Como a Anvisa já havia aprovado a ampliação do estudo para 13 mil voluntários, o governo paulista decidiu ampliar o número de centros de pesquisa. Na fase atual, metade dos participantes recebe a vacina e a outra metade, placebo.

Caso a última etapa de testes comprove a eficácia da vacina, o acordo entre a Sinovac e o Butantan prevê a transferência de tecnologia para produção do imunizante no Brasil.

Eficácia

Para comprovar a eficácia da vacina, é preciso que pelo menos 61 participantes do estudo, que tomaram placebo, sejam contaminados pelo vírus. A partir dessa amostragem, é feita então uma comparação com o total dos que receberam a vacina e, eventualmente, também tiveram diagnóstico positivo da covid-19.

Se o imunizante atingir os índices necessários de eficácia e segurança, será submetido a uma avaliação da Anvisa para registro e só então a vacina estaria liberada para aplicação na população.

Fonte: Agência Brasil

Continue lendo

Saúde

A “síndrome da cabana” pode ser provocada pelo fim do distanciamento social

Publicados

em

Foto: Ilustração

Com o fim do retorno à rotina antes da pandemia de covid-19, a flexibilização das medidas protetivas, o fim do isolamento ou do distanciamento social podem causar em algumas pessoas um fenômeno que os psicólogos chamam de “síndrome da cabana”.

Apesar do nome, não é uma doença e nem é considerado transtorno mental, mas um acometimento, um estresse adaptativo entre pessoas que possam passar por dificuldades emocionais ao ter que sair do estado de retiro em sua casa e voltar às atividades presenciais no trabalho, às compras no comércio ou tenham que comparecer a uma repartição pública, como uma agência do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

“Eu tenho pacientes que ainda estão muito angustiados por não ter vacina contra a covid e a vida estar voltando à rotina de trabalho”, relata a psicóloga Célia Fernandes, de Brasília, acostumada a lidar com demandas provocadas por medo e angústia.

A expressão  “síndrome da cabana” tem origem no início do século 20 e serviu para relatar vivências de pessoas que ficavam isoladas em períodos de nevasca no Hemisfério Norte e que depois tinham que retomar o convívio. Também acometia caçadores profissionais que se embrenhavam nas matas no passado e, no presente, pode afetar trabalhadores que estão sempre afastados em razão do ofício, como por exemplo os empregados em plataformas de petróleo.

Fora de controle

“Todo tipo de isolamento pode desencadear a síndrome, principalmente se é um período extenso e que está ligado ao medo. Não é só o fato de estar em casa por longos períodos, mas a sensação de que lá fora tem algo desconhecido que pode infectar, matar ou adoecer”, contextualiza Débora Noal, também psicóloga em Brasília.

A psicóloga Ana Carolina de Araujo Cunto, do Rio de Janeiro, explica que o momento de suspensão do distanciamento pode ser desafiador para algumas pessoas. “Essa transição de sair do ambiente confortável, e controlado, para o mundo lá fora pode soar como uma coisa ameaçadora, assustadora. A pessoa pode sim ter dificuldade em retomar essas atividades e sofrer.”

“Sair não é mais natural como antes. As pessoas saiam de casa, estavam na rua e pronto. Agora não, têm que se preocupar com a máscara, têm que se preocupar em ter o distanciamento físico das pessoas. Não podem tocar nas coisas. Devem lavar as mãos ou passar álcool em gel. Verificar se estão sentadas em um lugar perto de ventilação. Ficamos em um estado de alerta constante”, descreve Cunto.

Para as pessoas com síndrome da cabana, a casa é o melhor lugar para estar, explica a psicóloga: “quando o mundo lá fora passa a ser ameaçador, seja por quais razões forem, a casa representa um lugar de proteção. Onde me sinto bem, onde estou protegido e onde consigo ter o controle das coisas.”

“Para ela, a casa representa o refúgio, o conforto, a sensação de proteção, cuidado e acolhimento. “É como se houvesse lá fora esse desconhecido que não posso ver, que no caso é o vírus, aquilo que não posso ter certeza, se tem alguém contaminado”, acrescenta Débora Noal.

Atenção na retomada

A retomada das atividades pode ser pouco produtiva no momento inicial. As psicólogas orientam para que as pessoas fiquem atentas aos sinais de ansiedade, medo e até pânico. Pode haver desconfortos como taquicardia, sudorese e dificuldade de dormir. O apetite pode mudar, desde a perda da fome até a ingestão de maior número de alimentos.

As psicólogas orientam que cada pessoa mensure o seu estresse adaptativo. Se for muito difícil a retomada, tente se lembrar das estratégias que usou para outros desafios, busque apoio em sair de casa em sua “rede socioafetiva”, formada por familiares, amigos e vizinhos, e se tiver fé, acione a espiritualidade.

Uma sugestão é sair de casa junto com alguém em que confie e que também se previna contra a covid-19. Outra dica é ensaiar a saída, iniciando com uma descida até a portaria do prédio ou ao portão da casa. Depois, em outro momento, alguns passos na rua, e mais adiante, passeios maiores para restabelecer a confiança.

Caso isso não seja suficiente, as psicólogas sugerem que as pessoas busquem atendimento especializado em consultório. “Para compreender as reações, como elas se dão e quais são as ferramentas que ela pode utilizar para enfrentar”, diz Débora Noal.

“Se a pessoa perceber que não está conseguindo ultrapassar suas dificuldades, e que isso se tornou uma coisa maior e paralisante, a ponto de não conseguir cumprir com as atividades fora de casa, então acende uma luzinha de que precisa olhar para isso com mais cautela. Se não consegue fazer isso sozinha, é recomendado que busque uma terapia para conseguir entender se tem alguma raiz mais profunda”, acrescenta Ana Carolina Cunto.

Fonte: Agência Brasil

Continue lendo

Saúde

Terminam neste sábado as Inscrições de seleção para compor equipe da rede de saúde do SUS na Paraíba

Publicados

em

Foto: Ilustração

Terminam neste sábado, 17, as inscrições para o processo seletivo com 24 vagas com objetivo de compor uma equipe técnica para o projeto de aprimoramento das ações de gestão, planejamento e regionalização da saúde, na Paraíba, terminam neste sábado (17). O objetivo é fortalecer a rede de saúde do SUS na Paraíba.

Para se inscrever no processo seletivo, é preciso preencher um formulário na internet. As vagas para compor a equipe do SUS/PB são para nível superior, para os cargos de coordenação executiva, orientação técnico/pedagógico macrorregional e orientação regional de planejamento. Os salários estão entre R$ 1,3 mil a R$ 4,5 mil.

O processo seletivo acontece por análise curricular e fase de entrevistas, esta última nos dias 22 e 23 de outubro. O resultado final deve ser divulgado no dia 29 de outubro.

Fonte: G1 PB

Continue lendo
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio

Mais Lidas