Conecte-se conosco

Saúde

Aumento da miopia nas crianças preocupam oftalmologistas

Publicados

em

Foto: Ilustração

A saúde visual da criança e o aumento “alarmante” dos casos de miopia estão entre as principais preocupações dos oftalmologistas no Brasil.

Segundo o médico César Lipener, membro do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO), o desenvolvimento visual ocorre nos primeiros anos de vida, e a visão atinge a maturidade entre 5 e 6 anos de idade.

“Quando não existe um exame mais precoce, muitas vezes, a criança pode ter algum problema. A criança não se queixa, os pais não percebem, e essa avaliação, quando não é feita a tempo, pode acarretar sequelas ou dificuldades que a criança vai acabar levando para o resto da sua vida”, disse Lipener, em entrevista à Agência Brasil.

Consulte seu oftalmologista e visite uma das lojas da Ótica Visão. Em Guarabira-PB na Avenida Dom Pedro II, 372, Centro, fone: (83) 3271-5793. E em Pilões-PB na Rua Cônego Teodomiro, S/N, Centro, Fone: (83) 3276-1000.

De acordo com Lipener, as crianças devem fazer uma avaliação oftalmológica de preferência na idade pré-escolar porque, muitas vezes, os pais não percebem suas dificuldades ou têm a falsa impressão de que elas enxergam bem. “Se houver alguma coisa que chame a atenção, uma hereditariedade muito importante, pais com estrabismo ou com alto grau, a consulta deve ser mais precoce ainda, até no primeiro ano de vida”, afirmou o médico.

Ele destacou que, “felizmente”, os pediatras e as escolas estão ajudando os oftalmologistas, e as crianças estão começando a ter avaliações um pouco mais precoces. O principal, entretanto, é a conscientização dos pais sobre a necessidade da consulta oftalmológica precoce.

Miopia

Segundo Lipener, o número de pessoas míopes vem aumentando em todo o mundo. Ele citou estudos que relacionam a atividade visual de perto com o aumento dos casos da doença, vinculado ao uso de telas de computadores, tablets e smartphones e lamentou que hoje as crianças comecem a manipular esses aparelhos cada vez mais cedo. “Essa é outra preocupação desestimular o uso intenso e precoce de tais aparelhos, trocando-os por atividades ao ar livre. É um fator que, no mundo inteiro, mostrou-se eficaz para diminuir a evolução da miopia. A gente até brinca que, hoje, a chupeta é o celular”.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) prevê que, em 2020, a miopia atingirá cerca de 35% da população mundial. As projeções indicam que, em 2050, o percentual chegue a 52%.

No Brasil, o Instituto Data Popular estima que mais de 20 milhões de pessoas tenham problemas de visão, o que corresponderia a cerca de 10% da população. Em muitos casos, isso ocorre porque as pessoas não têm acesso a óculos de grau.

Atualmente, a miopia acomete uma em cada três pessoas no mundo, tornando-se o erro de refração com mais necessidade de prescrição, segundo a OMS. Na Ásia, 90% dos jovens de 20 anos de idade já são míopes, informou Lipener. “A ideia é retardar a evolução [da miopia] e evitar complicações como problemas degenerativos e de retina. Se conseguirmos atrasar a evolução um pouquinho, já teremos um ganho considerável.”

No Brasil, estima-se que 80% das crianças em idade escolar nunca fizeram exames oftalmológicos. De acordo com Lipener, a miopia é um problema que tende a progredir com o passar dos anos e pode ter como consequência prejuízos no aprendizado ou falta de socialização da criança. “O diagnóstico é simples, e atualmente existem opções de tratamento que podem ajudar a retardar a progressão da miopia.”

Outro problema é a visão subcorrigida, quando a pessoa usa óculos incorretos, ou não os usa quando necessário. O hábito de fazer exames oftalmológicos deve ser estendido da infância até a vida adulta, incorporando-se à rotina de cuidados com a saúde. O site Put Vision First (Ponha a Visão em Primeiro Lugar), lançado mundialmente, traz informações para o público leigo e destaca a necessidade de uma rotina de cuidados e de visitas regulares ao médico oftalmologista.

Fonte: Agência Brasil

Saúde

Brasil tem 19,6 milhões de casos e 549,4 mil mortes de Covid-19

Segundo Ministério da Saúde, mais de 18 milhões de pessoas já se recuperaram

Publicados

em

O Brasil registrou em 24 horas 38.091 novos casos de covid-19. O acumulado de casos registrados no país desde o início da pandemia é de 19.670.534. Segundo balanço divulgado neste sábado (24) pelo Ministério da Saúde, com base em informações repassadas pelas secretarias estaduais de saúde e do Distrito Federal, no momento, há 780.326 casos em acompanhamento. Nessa situação, casos suspeitos, que ainda podem evoluir para diferentes quadros, inclusive graves, são observados por equipes de saúde.

Já o número de pessoas que não resistiram à covid-19 no Brasil subiu para 549.448. Em 24 horas, foram registradas 1.108 mortes. Há ainda 3.428 óbitos em investigação no país. 

Há, ao todo, 780.326 pessoas com casos ativos da doença em acompanhamento por profissionais de saúde e 18.340.760 pacientes já se recuperaram.

Estados

No topo do ranking de mortes por estado estão São Paulo (137.211), seguido do Rio de Janeiro (58.361), Minas Gerais (49.675), Paraná (34.264) e Rio Grande do Sul (33.039). Entre os estados com menos registros de óbitos estão Acre (1.796), Roraima (1.828), Amapá (1.891), Tocantins (3.459) e Alagoas (5.724).

Boletim epidemiológico mostra a evolução dos números da pandemia de covid-19 n Brasil.

Boletim epidemiológico mostra a evolução dos números da pandemia de covid-19 n Brasil. – Ministério da Saúde

Vacinação

Até hoje, foram aplicadas mais de 131 milhões de doses de vacinas contra a covid-19. Desse total, 94,6 milhões de pessoas receberam a 1ª dose e 37,1 milhões, a 2ª dose ou dose única.

Até o início da noite deste sábado, começaram a ser distribuídas 164,4 milhões de doses, tendo sido entregues 154,7 milhões de doses. Um total de 9,7 milhões de doses estão em processo de distribuição.

Agência Brasil

Continue lendo

Saúde

Hospital Geral de Mamanguape já realizou mais de mil partos em 2021

Publicados

em

Foto: Camila Pessoa

O Hospital Geral de Mamanguape (HGM) realizou 1.077 partos nos primeiros seis meses de 2021. O número é superior aos registrados no ano anterior, quando 865 partos foram realizados no mesmo período. A unidade preconiza o parto normal e 78% dos nascimentos de 2021 aconteceram de forma natural. O HGM foi credenciado como Hospital Amigo da Criança e da Mulher em 2019 e tem investido em estratégias para ampliar a humanização no parto e puerpério, incentivando o aleitamento materno, priorizando o parto normal e investindo em capacitações para garantir a melhoria dos serviços.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a porcentagem ideal de cesáreas deve ficar entre 10% e 15%, mas o Brasil ocupa o segundo lugar no mundo em número de partos cirúrgicos, com uma taxa acima de 55% do total. A Paraíba prevê que 25% dos partos do estado sejam cesarianas e o Hospital Geral de Mamanguape tem se mantido estável nessa porcentagem através de estratégias que facilitam o parto normal e dão tranquilidade para as puérperas no momento do nascimento.

A maternidade conta com uma sala de parto com 10 leitos e presença de equipe preparada para humanizar o momento e proporcionar segurança; três salas de cirurgia e uma sala de assistência ao recém-nascido. O diretor da unidade, Daniel José Gonçalves, destaca algumas estratégias de humanização adotadas no HGM: “O acolhimento é o principal, pois se trata de um momento muito importante para as mães e toda a família; mas, além disso, temos musicoterapia em sala de parto; spa gestacional, que oferece alívio da dor de maneira não farmacológica; massagem; incentivo ao autocuidado e consultoria em amamentação de leito a leito”.

O HGM ainda garante ao recém-nascido a realização do teste do pezinho; a aplicação das vacinas obrigatórias após o nascimento; teste do coraçãozinho, da orelhinha e da linguinha. Alguns procedimentos necessitam de agendamento prévio que pode ser realizado durante o processo de alta hospitalar.

Secom-PB

Continue lendo

Saúde

Hospital de Clínicas está há três dias seguidos sem mortes por Covid-19

Publicados

em

Foto: Ilustração

Já são 72 horas sem registro de mortes por Covid-19 no Hospital de Clínicas, em Campina Grande. A última vez que a unidade ficou três dias consecutivos sem registrar vítimas da doença foi em 4, 5 e 6 de julho. Atualmente, o HC tem 49 pacientes internados, sendo 32 na UTI e 17 na enfermaria. 

Nesta quinta-feira (22), a unidade também contabilizou uma alta da Unidade de Terapia Intensiva e duas altas para casa.  “A redução no número de mortes e ocupação dos leitos do hospital é claramente uma consequência da ampliação da vacinação na Paraíba. Nossa meta é reduzir cada vez mais”, disse o médico Jhony Bezerra, diretor-geral do Hospital de Clínicas. 

Em Campina Grande mais de 186 mil pessoas já receberam a 1ª dose da vacina e mais 59 mil receberam a 2ª dose. O total de doses únicas já supera 6 mil.

“Passamos tempos difíceis, com ocupação máxima do hospital, e agora ver esses números regredir é uma alegria enorme. Mas vale lembrar que não podemos descuidar”, alertou o médico Thyago Morais, diretor técnico do HC.

Fonte:

Continue lendo
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio

Mais Lidas