Conecte-se conosco

Política

Benjamin é contra aumento de idade e de tempo de contribuição para mulher se aposentar

Publicados

em

“Dar tratamento isonômico às partes significa tratar igualmente os iguais e desigualmente os desiguais, na exata medida de suas desigualdades”. Citando o jurista Nery Júnior, o deputado federal Benjamin Maranhão (SD) usou a tribuna na Câmara, na noite desta quarta-feira (8), para informar que é contrário à toda mudança da Reforma da Previdência que gere prejuízos às mulheres, como igualar a idade para aposentadoria ou aumentar o tempo de contribuição.

Benjamin afirmou que as mulheres trabalham cerca de 7,5 horas a mais que os homens por semana e ganham cerca de 30% a menos para desempenhar a mesma função. “Não podemos olhar todos como iguais nessa reforma, pois existem muitas desigualdades sociais”, observou.

A PEC 287, que estabelece as mudanças, define 65 anos como idade mínima para aposentadoria e elimina as distinções hoje existentes na legislação entre mulheres e homens e, também, entre trabalhadores urbanos e rurais. Além disso, o tempo mínimo de contribuição é hoje de 15 anos, mas a proposta é de que passe a ser de 25 anos.

Hoje a idade mínima para a aposentadoria é de 65 anos para os homens e 60 para as mulheres. Ela é diferenciada para o trabalho rural, em que a idade mínima é hoje de 60 anos para os homens e de 55 para as mulheres.

Em geral, o argumento usado pelos defensores da proposta do governo é de que, atualmente, não faz mais sentido fazer essa diferenciação entre homens e mulheres. “Esse é um grande erro. As mulheres trabalham fora e se dedicam a esse trabalho como os homens e ao chegar em casa, elas ainda precisam passar por um terceiro turno de trabalho, cuidando da casa e dos filhos”, destacou.

“Temos muito o que avançar no que se refere a políticas públicas para as mulheres, que resultarão na tão buscada e sonhada igualdade de gênero. Defendo a igualdade, mas enquanto ela não chega, vamos tratar de maneira desigual os desiguais!”, disse.

Dados

As mulheres trabalham em média 7,5 horas a mais que os homens por semana, de acordo com o estudo “Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça”

De acordo com os dados, em 2015 a jornada total média das mulheres era de 53,6 horas, enquanto a dos homens era de 46,1 horas.

Em relação às atividades não remuneradas, mais de 90% das mulheres declararam realizar atividades domésticas

Números oficiais do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) mostram que a cada 100 aposentadorias por tempo de contribuição concedidas, apenas 33 são para as mulheres.

Estudo do Fórum Econômico Mundial aponta que o Brasil está na posição 124, entre 142 países, no ranking de igualdade de salários por gênero.

Assessoria

Benjamin é contra aumento de idade e de tempo de contribuição para mulher se aposentar
Avalie esta postagem
Apoio

Paraíba

Mil vagas: Inscrições de concurso para professor começam nesta quarta-feira

Publicados

em

As inscrições devem ser realizadas até o dia 6 de junho através do site da empresa organizadora. A taxa de inscrição é de R$ 39.

O Governo do Estado divulgou o edital do concurso com mil vagas para o ingresso no cargo de Professor de Educação Básica 3, da Carreira do Magistério Estadual, no âmbito da Secretaria de Estado da Educação e da Ciência e Tecnologia da Paraíba. O edital foi publicado no Diário Oficial do Estado do último sábado (20) e também está disponível em http://paraiba.pb.gov.br/educacao/editais. As inscrições começam nesta quarta-feira (24) e vão até dia 6 de junho. O concurso conta com prova objetiva, que será dia 21 de julho, e prova de títulos.

As inscrições podem ser realizadas via internet ou presencialmente. Pela internet estarão disponíveis das 9h do dia 24/04/2019 às 23h59 do dia 06/06/2019, no endereço eletrônico do Instituto AOCP www.institutoaocp.org.br. Para os candidatos que não têm acesso à internet será disponibilizado um Posto de Inscrição Presencial, na Escola Estadual Liceu Paraibano, situada na Avenida Presidente Getúlio Vargas, s/ nº Centro, João Pessoa/PB. O posto de inscrição funcionará das 10h às 14h, de segunda a sexta-feira (exceto feriados), do dia 24/04/2019 ao dia 06/06/2019. A taxa de inscrição é R$ 39,00. O período para solicitação de isenção da taxa é até 30 de abril.

O concurso tem validade de seis meses, a contar da data da publicação da homologação de seu resultado final, podendo ser prorrogado, uma vez, por igual período, à critério da Administração. A carga horária é de 30 horas semanais e o vencimento é de R$ 2.110.12.

Confira as vagas – 72 vagas para Artes; 150 vagas para Biologia; 68 vagas para Educação Física; 6 vagas para Filosofia; 47 vagas para Física; 72 vagas para Geografia; 78 vagas para História; 18 vagas para Língua Espanhola; 61 vagas para Língua Inglesa; 195 vagas para Língua Portuguesa; 199 vagas para Matemática; 28 vagas para Química; seis vagas para Sociologia.

Secom-PB

Mil vagas: Inscrições de concurso para professor começam nesta quarta-feira
Avalie esta postagem
Continue lendo

Cidades

Comissão da Mulher da ALPB vai realizar audiência pública para debater casos de feminicídio

Publicados

em

A semana de 14 a 20 de abril terminou com quatro casos de feminicídio na Paraíba. Desde o início do ano, 1.016 inquéritos foram instaurados nas delegacias da mulher para apurar casos de violência, o que representa 11 mulheres vítimas desse tipo de crime por dia no Estado. Devido ao aumento de casos, a Comissão da Mulher da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), presidida pela deputada Camila Toscano (PSDB), vai realizar uma audiência pública para discutir ações que possam ser desenvolvidas para reduzir os casos de violência.

“Em uma semana tivemos quatro mortes de mulheres na Paraíba. O Estado precisa desenvolver ações urgentes de proteção à mulher em parceria com a sociedade, pois esse é um problema de todos nós. Esses casos também mostram que, infelizmente, estamos falhando na educação dos nossos filhos. A violência passou a ser corriqueira e precisamos dar um basta nisso. A audiência pública servirá para discutirmos medidas para evitarmos mais mortes de mulheres”, destacou a deputada Camila.

A parlamentar lamentou os assassinatos das mulheres e defendeu punições mais rígidas para os agressores. “Não podemos mais admitir que mulheres sejam mortas por serem mulheres. Precisamos combater essa prática e podemos iniciar esse combate dentro das nossas casas com a educação dos nossos filhos, mostrando que violência não é tolerada”, disse.

Os casos – No sábado (20) a agricultora Fabiana Ferreira da Silva (30 anos) saiu para beber com o companheiro e outras pessoas em um bar. Os dois brigaram e ele teria atirado na vítima após essa discussão.

Ana Priscila do Rêgo (31 anos) foi morta a facadas na sexta-feira (19) e o seu corpo foi deixado em uma construção abandonada no bairro de Mangabeira. O seu companheiro confessou o crime e disse que só queria assustá-la. Na quinta-feira (18), Tâmara de Oliveira (37 anos) foi morta com três tiros pelo seu companheiro, que cometeu suicídio em seguida.

Na segunda-feira (15), a secretária da Educação de Boa Vista, Dayse Alves (40 anos), foi morta a tiros pelo marido, Aderlon Bezerra de Souza, em um motel de Campina Grande. Após o crime, ele se matou.

Dados – Em janeiro, as 14 delegacias especializadas da mulher na Paraíba registraram, juntas, 403 inquéritos, 313 em fevereiro e 300 em março. Além disso, foram concedidas 385 medidas protetivas, uma diferença de 18 com relação ao número de inquéritos instaurados no mesmo mês. Em fevereiro, foram 337 medidas, nesse caso, 24 a mais em relação aos casos investigados. No mês de março, a Polícia Civil concedeu 411 medidas protetivas, mais de cem, além dos inquéritos instaurados.

Segundo dados do Anuário da Segurança Pública da Paraíba, de 2009 a 2018, um total de 1.083 mulheres foram assassinadas. Em 2018, o número chegou a 84 mortes. Os dados oscilam bastante, mas a maior alta foi no ano de 2011, com 146 mulheres vítimas de crimes violentos e letais. Embora, segundo o Governo da Paraíba, tenha havido uma redução de 29% nos casos desde 2010, os números mostram que não há um controle dos casos. Além disso, o mês de janeiro de 2019 também foi marcado pela violência contra a mulher.

Assessoria

Comissão da Mulher da ALPB vai realizar audiência pública para debater casos de feminicídio
Avalie esta postagem
Continue lendo

Paraíba

Projeto garante gratuidade e atendimento prioritário na emissão de documentos de mulheres vítimas de violência

Publicados

em

Assegurar gratuidade e garantir prioridade na emissão de documentos para mulheres em situação de violência. Esse é o objetivo do projeto de Lei (88/2019), de autoria da deputada Camila Toscano (PSDB), aprovado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), que se encontra em tramitação na Assembleia Legislativa da Paraíba.

De acordo com Camila, a prioridade é a garantia do atendimento para emissão de documentos, sejam os de entidades públicas ou privadas, independentemente de senhas ou marcações prévias. A garantia é para as mulheres em situação de risco, de violência doméstica, de violência familiar e em situações correlatas, que ponham em risco sua integridade física, moral, psicológica e social.

O projeto diz que para ter a prioridade no atendimento é necessário a apresentação de um dos seguintes documentos: termo de encaminhamento de unidade da rede estadual de proteção e atendimento às mulheres em situação de violência doméstica e familiar; cópia do Boletim de Ocorrência emitido por órgão competente, preferencialmente, pela Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher, que conste a vítima ter perdido em razão da violência; e o termo de Medida Protetiva expedida pelo Juiz da Comarca.

A deputada explicou ainda que o atendimento deverá ser realizado com presteza e celeridade, de modo que venha minimizar os constrangimentos e a violência física e moral que a vítima sofrera.“É direito da mulher vítima de violência ter o seu atendimento de forma reservada, caso assim necessite. Esse projeto dá a garantia de atendimento desburocratizado na emissão dos documentos porventura destruídos pelo agressor. Com a aprovação do projeto e sua sanção, e de posse de alguns requisitos já estabelecidos, a mulher vítima de violência pode se dirigir as agências de emissão de documentos e ter a prioridade na solução do problema”, destacou Camila.

Assessoria

Projeto garante gratuidade e atendimento prioritário na emissão de documentos de mulheres vítimas de violência
Avalie esta postagem
Continue lendo
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio

Mais Lidas