Conecte-se conosco

Mundo

Pastor é enforcado na própria igreja por extremistas hindus – O corpo tinha marcas de tortura

Publicados

em

A perseguição religiosa continua fazendo suas vítimas no mundo inteiro. Os cristãos sofrem as maiores perseguições, desde a segunda metade do primeiro século. Em uma época onde o conhecimento e a tolerância entre as pessoas deveriam ser suficientes para promover o respeito entre às diferentes religiões, alguns ainda parecem viver como escravos da ignorância e das doutrinas que não admitem a Verdade acerca de Deus.

O pastor Gideon Periyaswamy, 43 anos, que pastoreava a Igreja Maknayeem, em Adayachery, no sul da Índia, é mais uma vítima da perseguição aos cristãos promovida por extremistas hindus naquele país. Ele havia deixado o hinduísmo há 25 anos, tendo sido ordenado pastor há 12. Seu trabalho na comunidade era notável.

Periyaswamy passava boa parte do dia em oração, o que lhe rendeu o apelido de “Guerreiro de Oração”. Através de Deus em sua vida, várias pessoas estavam se convertendo do hinduísmo para o cristianismo, o que desagradou religiosos hindus locais.

O pastor Azariah Reuben, amigo de Periyaswamy, disse que várias vezes tentaram parar o ministério do amigo, atacando o templo com atos de vandalismo para intimidar o líder.

Periyaswamy, uma semana antes de ser assassinado, prestou queixa na política, mas, ao que parece, às autoridades locais não deram a devida atenção ao caso. O pastor foi encontrado enforcado no templo da sua igreja na manhã de sábado. No corpo havia diversas marcas de violência, indicando que o líder havia sido torturado antes de morrer.

Um dos membros da igreja que não quis ser identificado, confirmou os atos de violência contra a comunidade por extremistas hindus, mas se mostrou confiante:

“…nós continuaremos a frequentar a igreja e daremos todo apoio ao nosso futuro pastor, mas a lacuna deixada pelo pastor Gideon é enorme. Sua morte apenas nos torna mais comprometidos com a igreja, os assassinos não podem derrotar a Deus”, disse ele ao The Christian Post.

Fonte: Gospel+

Mundo

Paris revive a euforia de 98 e tem as ruas tomadas por torcedores

Publicados

em

Foto: Gonzalo Fuentes/Reuters/Direitos reservados/Agência Brasil

Uma multidão de franceses comemorou neste domingo, nas ruas de Paris, o título conquistado pela seleção liderada por Mbappé, Pogba e Griezmann na Rússia, e reviveu, 20 anos depois, a euforia que tomou conta do país em 1998, quando os ‘Bleus’ foram campeões pela primeira vez.

Um buzinaço já podia ser ouvido desde as primeiras horas do dia, e a música “I will survive”, de Gloria Gaynor, que embalou a equipe de 98 nos vestiários, tocava repetidamente por todos os lugares.

“Como em 98!”, diziam os torcedores pelas ruas.

A conquista daquela equipe que contava com Zinedine Zidane e foram contadas aos jovens de hoje por seus pais contagiavam aqueles que ainda não eram nascidos ou muito pequenos na conquista do primeiro título mundial.

Nos arredores da Torre Eiffel, a Câmara Municipal de Paris instalou quatro telões para transmitir a final, e cerca de 100 mil pessoas já estavam posicionadas diante deles antes da partida.

Não havia mais espaço nas áreas para torcedores e também nas ruas. Motoristas encontravam dificuldades para trafegar e, com poucos controladores de trânsito, havia enormes engarrafamentos nas principais avenidas.

Os bares e restaurantes que transmitiram o jogo também já estavam lotados antes da partida, e alguns torcedores começaram a improvisar para assistir à decisão.

Em Cubyn, uma empresa de logística colocou um projetor para que seus funcionários pudessem acompanhar os lances.

“Decidimos abrir o escritório para que pudessem vir com os seus amigos, porque, enfim, é um momento de família, e queríamos que todos participassem. Amanhã de manhã não precisarão vir trabalhar”, contou Pierre Canard, um dos donos da empresa.

“Esta Copa é para nós! É a vitória da nossa geração!”, afirmou Guillaume, de 26 anos.

Apesar dos franceses terem se mostrado confiantes na conquista durante a semana, na capital os torcedores estavam apreensivos com a vontade da Croácia dentro de campo no início do jogo.

“Os croatas não têm nada a perder, e isso é o mais perigoso, estão jogando a 200%”, opinou Kevin, ao final do primeiro tempo.

A euforia pelo gol contra de Mandzukic, aos 18 minutos da partida, terminou rápido quando Perisic deixou tudo igual no placar, dez minutos depois. Aos 35, Griezmann colocou os franceses na frente mais uma vez, ao converter um pênalti e mudar o placar para 2 a 1, mas os torcedores se mostravam ainda apreensivos.

No segundo tempo, os gols de Pogba e Mbappé soltaram o grito da garganta dos franceses por toda Paris. Algumas das principais avenidas da cidade já estavam tomadas, mesmo com o gol marcado por Mandzukic aos 23 da segunda etapa.

Para dar conta da festa que deve seguir madrugada adentro, a prefeitura da capital francesa anunciou a interrupção do tráfego em diversos pontos do centro e da região oeste até o início da manhã desta segunda-feira. O objetivo é evitar acidentes como os que aconteceram durante a comemoração em 1998, que causaram uma morte e deixaram vários feridos.

A seleção da França é aguardada em Paris na tarde desta segunda-feira, quando serão recebidos pelo presidente Emmanuel Macron no Palácio do Eliseu.

 

Fonte: Agência Brasil

Continue lendo

Mundo

Bélgica vence Inglaterra e é a terceira colocada da Copa do Mundo 2018

Publicados

em

A Bélgica venceu a Inglaterra por 2 x 0 e ficou com o terceiro lugar da Copa do Mundo 2018. Em uma partida movimentada, os belgas mostraram superioridade sobre o adversário durante toda a partida. Fizeram um gol logo no início e não tiveram problemas para segurar o ataque inglês. O terceiro lugar em 2018 foi a melhor colocação já alcançada pelo país em uma Copa. Antes, o melhor resultado havia sido um quarto lugar em 1986.

O Jogo

O primeiro tempo já começou com um gol da Bélgica, aos 3 minutos, com Meunier aproveitando cruzamento à meia altura de Chadli. A Inglaterra tentava responder e empatar, mas criou poucas oportunidades e, quando chegava à pequena área, finalizava no meio do gol de Courtois. O centroavante Harry Kane teve uma chance clara de gol, mas chutou torto da entrada da área. A Bélgica teve as melhores chances do primeiro tempo, mas desperdiçou a oportunidade de ampliar com Lukaku, Hazard e De Bruyne.

O segundo tempo começou com a Inglaterra indo para cima e tentando o empate, mas a defesa belga fechava os espaços com eficiência. Em um dos poucos erros de marcação da Bélgica, o volante Dier tabelou e invadiu a área. Cara a cara com o goleiro Courtois, o inglês deu um toque com categoria por cima do goleiro. Quando a bola já entrava em um gol certo, Alderweireld apareceu e afastou. Foi a melhor chance da Inglaterra no jogo.

Enquanto isso, a Bélgica tinha os contra-ataques. E desperdiçou muitos. Em um deles, Lukaku adiantou demais a bola e perdeu a chance, em outro a defesa bloqueou o chute de Hazard. Em uma das melhores jogadas da partida, a Bélgica puxou contra-ataque rápido com De Bruyne, Mertens e Meunier. Entrando na área inglesa, Mertens inverteu para Meunier, do outro lado da área. O autor do primeiro gol emendou um lindo chute, mas Pickford fez a melhor defesa da partida.

Após tanto ter oportunidades, a Bélgica fez mais um gol. Hazard recebeu de De Bruyne e tocou no canto do goleiro inglês, que nada pode fazer. Foi a página final da história de Bélgica e Inglaterra nesta Copa do Mundo.

Após o apito final, não houve aquela tradicional cena de um lado comemorando e o outro chorando em profunda decepção. Ingleses e belgas se cumprimentaram no campo, como se tivessem jogado um amistoso. As comemorações eram discretas entre os belgas. Os atletas da Inglaterra não demonstraram tristeza pelo quarto lugar e aplaudiram sua torcida no estádio, antes de deixarem o gramado. Ao final, os jogadores e comissão técnica belga receberam medalhas de bronze pelo terceiro lugar conquistado.

Fonte: Agência Brasil

Continue lendo

Mundo

Meninos resgatados de caverna estão ‘bem de saúde’ e em quarentena

Publicados

em

Chiang Rai, Tailândia, 10 Jul 2018 (AFP) – As oito primeiras crianças resgatadas de uma caverna inundada na Tailândia estão “bem de saúde”, asseguram as autoridades, mas permanecerão hospitalizadas em quarentena, com óculos de sol para proteger os olhos e sob monitoramento psicológico.

Nesta terça-feira, os quatro garotos restantes e seu treinador de futebol foram retirados da caverna, mas seu estado de saúde ainda é desconhecido.

– Pneumonia -Dois dos resgatados estão tomando antibióticos porque apresentam sintomas de pneumonia depois de dias nas umidade da gruta.

Mas, mesmo esses, apresentam “um estado normal”, garantiu o hospital de Chiang Rai, no norte de Tailândia. As pessoas que passam muito tempo sob a terra podem sofrer problemas pulmonares.

– Exames de sangue e vacinas -“Os oito estão com boa saúde, sem febre”, declarou Jesada Chokedamrongsuk, chefe do Ministério da Saúde Pública em um primeiro balanço detalhado do estado de saúde dos adolescentes que têm entre 12 e 16 anos.

Todos foram submetidos a exames radiológicos e sanguíneos. Os exames de sangue foram enviados para Bangkok e os resultados serão conhecidos em poucos dias.

Eles foram vacinados contra o tétano e contra a raiva. Embora o risco de os morcegos, vetores da doença, os terem mordido enquanto dormiam, seja muito baixo.

Todos podem andar, falar e comer e alguns até consumiram chocolate. No momento eles não podem comer comida picante, típica na Tailândia, porque estão com o estômago fragilizado.

– Boa saúde mental -“Todos apresentam boa saúde mental”, assegurou o hospital. Vários especialistas alertaram para as possíveis consequências a longo prazo do trauma vivido e por isso o grupo conta com acompanhamento psicológico.

– Óculos de sol -Os meninos estão usando óculos de sol para que seus olhos, privados de luz durante suas semanas, possam se acostumar progressivamente à do dia. Os problemas oculares são os mais comuns, assim como os pulmões, nos casos de sobreviventes resgatados depois de um longo período sob a terra.

Um oftalmologista examinou o primeiro grupo resgatado e descartou complicações oculares.

– Risco de infecção -Eles vão permanecer hospitalizados uma semana para vigiar a eventual aparição de infecções.

Se os exames não revelarem nada perigoso, os pais “serão autorizados a se aproximar de suas camas com roupas de proteção, mantendo-se a uma distância de dois metros”, indicou o médico Tosthep Bunthong em coletiva de imprensa.

As crianças estão em quarentena, mas os pais do primeiro grupo evacuado puderam vê-los pelo vidro e conversar a distância.

– Sem Copa -No entanto, os meninos não poderão viajar para final da Copa do Mundo na Rússia em 15 de julho, depois de terem recebido um convite da Fifa.

“Não podem viajar, devem permanecer no hospital durante um tempo”, declarou Thongchai Lertwilairatanapong, funcionário do ministério da Saúde da Tailândia.

“É provável que assistam pela televisão”, completou durante a entrevista no hospital de Chiang Rai.

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, convidou os meninos para assistir a final da Copa em uma carta divulgada no dia 6 de julho.

“Se, como todos desejamos, se reencontrarem com suas famílias nos próximos dias e sua saúde permitir que façam a viagem, a Fifa ficaria feliz de convidá-los para assistir a final do Mundial-2018”, escreveu Infantino em uma carta enviada ao presidente da Federação Tailandesa de Futebol.

Fonte: UOL

Continue lendo

Mais Lidas