Conecte-se conosco

Saúde

Brasil é um dos países em que a esquistossomose permanece endêmica

Publicados

em

Foto: Ilustração

Com 1,5 milhão de pessoas vivendo em áreas com risco de contrair esquistossomose, de acordo com dados do Ministério da Saúde, o Brasil está em situação intermediária entre os 78 países em que a doença permanece endêmica e mostra mais de 60% da população sem acesso a esgotamento sanitário.

“Isso é inaceitável para um país do porte do Brasil e com o nível de desenvolvimento que tem”, disse à Agência Brasil o relator Especial do Direito Humano à Água e ao Esgotamento Sanitário das Nações Unidas (ONU), Léo Heller, também pesquisador do Instituto René Rachou (Fiocruz Minas). Heller participa, no Rio de Janeiro, da 15ª edição do Simpósio Internacional sobre Esquistossomose, que começa hoje (1º) e vai até sexta-feira (3).

A esquistossomose é causada pela infecção por vermes parasitas de água doce e está relacionada ao tratamento de água e esgoto. É considerada a segunda doença parasitária mais devastadora socioeconomicamente do mundo, atrás apenas da malária. No Brasil, há maior incidência na região Nordeste e no estado de Minas Gerais.

Controle ambiental
Segundo Heller, o chamado controle ambiental da doença pode evitar que as pessoas, em especial as camadas mais pobres da população, contraiam a esquistossomose. “Intervenções no ambiente, impedindo a ocorrência dos criadouros e também dando condição às pessoas para que não tenham necessidade de acesso a cursos d’água, eu defendo como soluções permanentes de largo alcance e com grande efetividade”, manifestou o pesquisador.

De acordo com o pesquisador, estudos mostram que quando há intervenção em esgotos, impedindo que esses tenham acesso a cursos d’água, ocorre uma interrupção de parte do ciclo de transmissão das doenças, esquistossomose principalmente. Quando existe também uma provisão de água adequada nas casas, as pessoas deixam de ter necessidade de ir aos cursos d’água, evitando um dos motivos da contaminação. “Há estudos que mostram que ambas as intervenções em água e esgoto têm efeito positivo no controle da esquistossomose”.

Planejamento
Para Heller, é importante que haja planejamento de longo prazo, além de investimento público nesse setor. “Não há registro na maioria dos países de situações em que se universalizou o acesso sem forte investimento público”.

Ele ressalta que os serviços devem ser prestados com base nos princípios dos direitos humanos, ou seja, em igualdade de condições, sem discriminação. Heller disse ter visto muita discriminação pelos países que visitou. “As populações que não têm serviço são em geral as mais pobres, estão na zona rural, vivem nas favelas, famílias em que a mulher é o chefe da família. São justamente populações mais vulneráveis, que não têm acesso a esse serviço e vão ter risco de desenvolver não apenas esquistossomose, mas um conjunto de outras doenças, porque já são excluídos de outros serviços”, lamentou.

Situação intermediária
O Brasil está em uma situação intermediária, mas para entrar no grupo dos 20 países mais desenvolvidos (G20), terá que resolver o problema do saneamento básico.

Na Índia, disse que a situação é muito preocupante, “certamente, pior que a do Brasil”. Em muitos lugares, a população defeca a céu aberto, uma vez que as casas não têm banheiro. “Isso, para a esquistossomose é um risco muito grande”.

Os 48 países de mais baixo desenvolvimento econômico mostram a situação pior; a maioria está na África Subsaariana e, na América Latina, o destaque negativo é o Haiti. Mesmo nas áreas urbanas, o acesso à água e esgoto é muito baixo. Em países mais desenvolvidos, a situação está mais bem resolvida, mas ainda há carência. Um exemplo é Portugal, apontou Heller.

Universalização
Léo Heller disse que a universalização do saneamento básico deveria ser prioridade dos governos. No último relatório que monitora o cumprimento dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU e estabelece uma linha de base para o monitoramento nos próximos 15 anos, o Brasil aparece com mais de 60% da população sem acesso adequado a esgotamento sanitário. Na avaliação do relator da ONU, isso comprova que essa agenda é negligenciada pelos governos brasileiros.

Em relação ao abastecimento de água, a situação é melhor. O Plano Nacional de Saneamento Básico, que foi publicado em 2013, mostrou 40% da população do Brasil sem acesso adequado ao abastecimento de água.

Para Heller, se ações não forem adotadas urgentemente, o Brasil não vai cumprir a meta de universalização do acesso à água e esgoto. “Universal significa não apenas nas casas, mas também nas escolas, nos hospitais, nas prisões, nos espaços públicos, em todas as instituições em que as pessoas estão fora da casa e com nível de qualidade do serviço bastante exigente”, indicou o pesquisador.

Interação
A pesquisadora do Laboratório de Educação em Ambiente e Saúde do Instituto Oswaldo Cruz (IOC), Tereza Favre, assegurou que a eliminação da esquistossomose no Brasil exige a colaboração estreita de grupos de pesquisa de diferentes áreas.

Também presidente do 15º Simpósio Internacional sobre Esquistossomose, Tereza disse que nenhuma medida isolada pode interromper a transmissão da doença. O combate à esquistossomose envolve o desenvolvimento de vacinas, de medicamentos mais eficazes, de métodos diagnósticos mais sensíveis, entre outros elementos.

Fonte: Agência Brasil

Rate this post

Saúde

Opera Paraíba tem calendário de cirurgias eletivas em todas as regiões do estado

Confira as datas das regiões de Belém, Guarabira e demais cidades.

Publicados

em

Foto: Pixabay

O Opera Paraíba vai realizar, do dia 20 a 22 deste mês, no Hospital Regional de Patos, mais uma ação itinerante do programa, com a oferta de cirurgias gerais, de catarata e uma caravana de exames de imagem para diagnóstico de câncer mama, que será feita por meio da Rede Cuidar. A iniciativa do Governo do Estado vem interiorizando as ações de saúde e facilitando o acesso do usuário aos serviços.

“Nós já tiramos da fila de espera por uma cirurgia quase 20 mil paraibanos, e nossas ações continuam sendo expandidas com a inclusão de mais hospitais da rede ao programa, aquisição de equipamentos de ponta e ampliação das especialidades atendidas,” destacou o governador João Azevedo.

O calendário do Opera Paraíba também contempla o Hospital Regional de Itabaiana, de 23 a 25, com um mutirão de cirurgias de catarata. Já do dia 26 a 28, as cirurgias oftalmológicas acontecem no Hospital Regional de Belém, no Brejo paraibano.

Ainda na região do Brejo, o programa vai até a cidade de Guarabira, onde vai oferecer à população do município e cidades vizinhas cirurgias gerais, de catarata, e também uma caravana de exames de imagem para diagnóstico de câncer mama, assim como em Patos, através da Rede Cuidar. Os procedimentos vão acontecer de 27 a 29 de maio.

No mesmo período em que o programa acontecerá em Guarabira, também estará presente na cidade de Cajazeiras, no alto sertão. No Hospital Regional, o Opera Paraíba vai contemplar os usuários com cirurgias de hérnia e vesícula, oftalmológicas, e ainda a realização de exames de mamografia e ultrassom mamária, para o rastreio do câncer de mama.

A agricultora Marialba Mendes foi operada de  catarata no último fim de semana, em Taperoá. Ela saiu do centro cirúrgico emocionada. “Eu estou chorando, mas é de alegria, porque era muito difícil a gente conseguir uma cirurgia. Agora com o Opera Paraíba, a gente tem direito a ter saúde,” disse.

As cirurgias também ocorrem de forma permanente no Hospital de Clínicas, em Campina Grande, e nos finais de semana, no Hospital Edson Ramalho, em João Pessoa, no Hospital Geral de Queimadas, e no Hospital Geral de Mamanguape. 

Além das cirurgias gerais, agora o programa também conta com a realização de cirurgias ortopédicas, que acontecem no Hospital de Trauma de João Pessoa e também no Hospital de Clínicas.

Esse ano o programa já realizou mais de 5 mil procedimentos, sendo mais de 2 mil cirurgias só de catarata. 

“O Opera Paraíba está presente em todas as regiões do estado levando saúde e dignidade ao povo paraibano. Com a interiorização do programa, agora o paciente realiza a cirurgia que necessita de forma rápida e sem fazer grandes deslocamentos. Esse é o SUS que funciona,” pontuou o secretário executivo de saúde, Jhony Bezerra.

Secom-PB

Rate this post
Continue lendo

Saúde

Paraíba investe em equipamentos e reduz mais de 60% dos óbitos maternos no 1º quadrimestre

Publicados

em

De janeiro a abril de 2022, a Paraíba registrou 61,9% menos óbitos maternos do que no mesmo período do ano anterior. Os dados são do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) e informam que, nos quatro primeiros meses de 2021, ocorreram 21 mortes maternas contra oito do primeiro quadrimestre de 2022. A redução ocorre no momento em que a Paraíba ampliou o Centro Estadual de Regulação Hospitalar para atuar também nos cuidados maternos.

Desde março de 2022, o complexo regulador estadual monitora e direciona os leitos na linha materno-infantil, com objetivo de centralizar as solicitações para disponibilizar o leito para as usuárias em tempo oportuno, reduzindo os índices de mortalidade materna. Desde a implantação, o serviço de regulação obstétrica já atendeu 3.033 pacientes, sendo 1.040 da 1ª Macrorregião de Saúde, 1.339 da 2ª macro e 627 da 3ª.

Há ainda 27 pacientes oriundos de outros estados. Os municípios que mais atenderam pacientes foram João Pessoa, localizada na 1ª macro, com 474 regulações; Campina Grande, na 2ª macro, com 303 regulações e Patos, na 3ª macrorregião de saúde, com 81 pacientes regulados.

Segundo a secretária estadual de Saúde, Renata Nóbrega, essa ação representa garantia de atendimento para as gestantes em todas as regiões do estado. “A partir de 1º de março, as nossas gestantes são acompanhadas pela regulação estadual, garantindo o monitoramento do cuidado humanizado e qualificado para as mães e os bebês que necessitam de cuidados de alto risco, independente do município onde elas estejam”, explica.

Ao mesmo tempo, a Paraíba investiu mais de R$ 7 milhões em equipamentos para a rede materno-infantil, que contemplam 13 hospitais. O investimento foi direcionado para as salas de parto de todo o estado e também tem proporcionado melhorias nos leitos das Unidades Intensivas Neonatais e no acompanhamento do pré-natal ao puerpério, levando a garantia da saúde à população paraibana. Somente em Cajazeiras, o estado dobrou o número UTIs Neonatais,  saindo de três para seis, contemplando os 15 municípios da região. Essas intervenções reduziram o número de transferências de pacientes do Sertão (3 ª Macrorregião de Saúde) para Campina Grande (2ª macro).

Renata Nóbrega explica a importância desse investimento para o cuidado materno-infantil. “Essa redução na mortalidade materna é resultado conjunto da implantação da regulação estadual do fluxo da obstetrícia e do amplo investimento do Governo nas maternidades de toda Paraíba, com equipamentos de última geração. É importante equipar as unidades obstétricas de todo estado e garantir que as pacientes possam ser encaminhadas para outros centro de referência, caso precisem desse suporte”, finaliza.

Secom-PB

Rate this post
Continue lendo

Saúde

Hospital Arlinda Marques realiza primeira cirurgia por vídeo em menina de 13 anos

Publicados

em

O Complexo Pediátrico Arlinda Marques, em João Pessoa, realizou a primeira cirurgia por videolaparoscopia. A inovação em tecnologia de ponta realizada pelo Governo do Estado representa um investimento na ordem de R$ 345 mil na aquisição do equipamento. O procedimento, além de menos invasivo aos pacientes, garante uma redução de tempo no pós-operatório e na ocupação de leitos da unidade de saúde.

A primeira cirurgia realizada ocorreu para a retirada de colecistite (retirada de vesícula) de uma criança de 13 anos do sexo feminino. A paciente já teve alta, no entanto, se fosse no método tradicional, ela ficaria em média uma semana internada e teria um pós-operatório com mais dor. Com a introdução da tecnologia, o Arlinda Marques terá condições de realizar procedimentos diariamente, de acordo com os agendamentos ambulatoriais e demandas de urgência do pronto-socorro referência no estado para doenças cirúrgicas da criança. 

O diretor administrativo do Complexo Pediátrico Arlinda Marques, José Honório da Silva Melo, explicou que o procedimento, além de ter sido realizado com sucesso, garante o acesso da população à tecnologia de ponta num hospital público. “A avaliação é de uma grandiosidade. O investimento é alto e muito salutar para o Arlinda, porque esse tipo de cirurgia se encontra em hospitais particulares, então hoje o Sistema Único de Saúde (SUS) proporciona a massa pediátrica contemplando com esse tipo de cirurgia”, ressaltou.   

A videolaparoscopia é uma cirurgia padrão no tratamento de afecções cirúrgicas do tórax e abdômen, em especial, em cirurgia digestiva, urológica, oncológica e torácica, conforme explicou José Honório da Silva Melo. O procedimento poderá ser adotado no Complexo Pediátrico Arlinda Marques tanto em cirurgias eletivas quanto nas de urgência. À frente da inovação estão os cirurgiões do Complexo Pediátrico Arlinda Marques: Daniel Rangel, Tayane Cruz, Vinícius Marinho e Henrique Silveira. 

Menos invasiva  – A tecnologia adotada no Arlinda Marques chega trazendo alta capacidade de resolutividade em menor tempo e com um processo menos invasivo. Na prática, para os pacientes isso resultará, além do tempo e redução das dores no pós-operatório, esteticamente as marcas do procedimento serão mínimas. “A cirurgia por vídeo é menos invasiva, pois são três pontinhos e a estética para o paciente é outra. A facilidade de recuperação é melhor. A cirurgia de vídeo veio para inovar”, enfatizou José Honório.

Secom-PB

Rate this post
Continue lendo
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio

Mais Lidas