Conecte-se conosco

Saúde

Anvisa decide simplificar acesso a medicamentos de canabidiol

Publicados

em

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) simplificou a importação de medicamentos à base canabidiol. Em decisão tomada hoje (22) por sua diretoria, a agência reguladora reduziu a documentação necessária para requerer a importação do medicamento. Agora, basta a apresentação da prescrição médica do produto.

A reunião desta quarta-feira fez a revisão de uma norma de 2015, que define os critérios e procedimentos para a importação, em caráter excepcional, de produto à base de canabidiol. A norma define critérios de importação desse tipo de medicamento apenas para pessoa física. Os pedidos continuarão sendo feitos pelo portal de serviços do governo federal.

Outra mudança é a validade da prescrição junto com o cadastro, que passará a ser de dois anos. Com isso, a Anvisa espera uma redução no tempo de análise e liberação dos pedidos. A revisão definiu que a importação pode ser feita pelo responsável legal do paciente ou por seu procurador legalmente constituído.

O prazo que a Anvisa leva para analisar os pedidos é de 75 dias. A agência, no entanto, pretende reduzir esse prazo, mas não especifica de quanto seria essa redução. A Anvisa reconhece que 75 dias de espera por uma análise é prejudicial ao paciente, dificulta o acesso a terapias prescritas e pode gerar danos irreparáveis à saúde.

Desde a Resolução de 2015, a Anvisa registrou aumento de 700% no número de pedidos para importação desses medicamentos. A média mensal saltou de 328 pedidos por mês em 2018 para mais de 900 em 2019. Medicamentos com base em canabidiol são usados para tratamento de doenças raras, graves ou que podem levar à morte.

Agência Brasil

Rate this post

Cidades

Equipe técnica da SES comprova erros em aplicação de vacina no município de Lucena

Temporariamente, a vacinação contra covid-19 está suspensa no município e a SES está buscando estratégias que venham garantir a segurança da imunização para os residentes da localidade.

Publicados

em

Na manhã desta segunda-feira (17), as equipes técnicas de vigilância e imunização da Secretaria de Estado da Saúde (SES) estiveram no município de Lucena, onde comprovaram a suspeita de erros vacinais na localidade. Na ocasião, foram identificadas 49 crianças menores de 12 anos que receberam uma dose da vacina contra covid-19 destinada a adolescentes e adultos.

Dentro deste grupo, 13 crianças receberam doses que estavam dentro do prazo de validade e 36 que não estavam, pois foram armazenadas em temperatura positiva há mais de 30 dias. Não foram identificados, até o momento, eventos adversos graves. As crianças seguirão, conforme preconiza o Programa Nacional de Imunizações (PNI), em monitoramento por 30 dias contados a partir da data de aplicação.

O levantamento das doses constatou também que cerca de 200 indivíduos (entre adolescentes e adultos) receberam imunizantes fora do prazo de validade. Serão contabilizadas e catalogadas todas as doses de Pfizer/Comirnaty enviadas ao município, para que sejam identificadas todas as pessoas que receberam doses vencidas, e recebam as orientações adequadas.

O secretário estadual de Saúde, Geraldo Medeiros, afirmou que “o trabalho de campo da equipe técnica do Governo do Estado continuará durante toda a semana em Lucena e, na quinta-feira (20), será realizada uma capacitação com todas as equipes de imunização do município”.

Temporariamente, a vacinação contra covid-19 está suspensa no município e a SES está buscando estratégias que venham garantir a segurança da imunização para os residentes da localidade.

F5Online

Rate this post
Continue lendo

Cidades

Crianças de Lucena receberam vacina irregular contra Covid-19

Após aplicação de doses de adulto e vencidas, SES quer assumir vacinação de crianças.

Publicados

em

Secretário Geraldo Medeiros lamentou ‘infeliz ato’ e disse que Município se ausentou em treinamento de vacinação de crianças.

Cerca de 50 crianças foram vacinadas contra Covid-19 com imunizantes de adultos e vencidos no município de Lucena, Região Metropolitana de João Pessoa. O erro aconteceu em um assentamento na Zona Rural. A orientação para a vacinação teria partido de uma agente comunitária de saúde que atua na localidade. O caso é acompanhado pelo Ministério Público Federal (MPF).

Em entrevista à TV Correio, o secretário de Estado da Saúde, Geraldo Medeiros, contou que algumas crianças tomaram a vacina em dezembro. Ele falou ainda que quando a SES realizou o treinamento para a vacinação de crianças o Município de Lucena não participou.

“Optamos por não enviar doses pediátricas à Lucena. Estamos pensando em assumir a vacinação de crianças temporariamente, ainda que essa não seja nossa atribuição, pois há uma fragilidade evidente em relação à imunização desse público. Aguardamos a apuração dos fatos para chegarmos aos nomes de todas as pessoas que contribuíram para esse infeliz ato”, adiantou.

Conforme o secretário, nenhuma criança apresentou eventos adversos graves. A recomendação é de que elas sejam revacinadas 30 dias após a primeira aplicação. Geraldo Medeiros tranquilizou a população quanto à segurança da vacina pediátrica contra a Covid-19.

“Mais de 10 milhões de crianças já foram vacinadas no mundo inteiro com o imunizante da Pfizer apropriado para o público infantil. Não há motivo para apreensão. As vacinas são seguras. Pais, mães e responsáveis podem ficar tranquilos”, ressaltou.

Veja o vídeo abaixo

Entenda o caso

A Prefeitura de Lucena anunciou, no sábado (15), o afastamento de uma profissional de saúde do Município responsável por aplicar em crianças com menos de 11 anos vacinas contra Covid destinadas a adultos.

Os pais das crianças que receberam o imunizante errado só se deram conta do problema quando viram pela TV a notícia da chegada dos imunizantes para o público infantil, na última quinta-feira (13). “Fiquei desnorteada. Procurei o posto de saúde, mas estava fechado. Fiquei indignada, com raiva e também com muito medo”, disse uma das mães, em entrevista à TV Correio.

A diferença entre as vacinas indicadas para o público de 5 a 11 anos está na dosagem, composição e concentração de RNA mensageira. A dose infantil equivale a ⅓ da que é utilizada em adolescentes e adultos. Além disso, a cor dos frascos da vacina infantil é diferente. 

Em nota, o prefeito de Lucena, Léo Bandeira, lamentou a falha e disse que a profissional responsável pela aplicação das vacinas agiu sem autorização.

Portal Correio

Rate this post
Continue lendo

Cidades

Paraíba registra uma morte e 66 novos casos de Covid-19 neste domingo (16)

A SES informou que, devido à instabilidade no sistema SI-PNI, não há dados referentes às doses de vacinas aplicadas neste domingo (16).

Publicados

em

A Secretaria de Estado da Saúde (SES), registrou, neste domingo (16), 66 novos casos de Covid-19. Entre os casos confirmados hoje, 55 (83,33%), são leves e 11 (16,66%) são moderados ou graves. Agora, a Paraíba totaliza 468.244 casos confirmados da doença, que estão distribuídos por todos os 223 municípios. Até o momento, 1.264.660 testes para diagnóstico da Covid-19 já foram realizados.

Ocorreu um óbito, desde a última atualização, ocorrida nas últimas 24h. Com isso, o estado contabiliza o total de 9.615 mortes. O boletim registra ainda um total de 363.491 pacientes recuperados da doença.

Óbitos

Até este domingo, 222 cidades paraibanas registraram óbitos por Covid-19. O óbito confirmado neste boletim ocorreu no último dia 15 de janeiro. A vítima é um homem, de 80 anos, residente do município de Cacimba de Areia, que morreu em hospital público. Não foi informado comorbidades.

Ocupação de leitos Covid-19

A ocupação total de leitos de UTI (adulto, pediátrico e obstétrico), em todo estado, é de 26%. Fazendo um recorte apenas dos leitos de UTI para adultos na Região Metropolitana de João Pessoa, a taxa de ocupação chega a 34%. Em Campina Grande, estão ocupados 15% dos leitos de UTI adulto e no sertão, 46% dos leitos de UTI para adultos. De acordo com o Centro Estadual de Regulação Hospitalar, 17 pacientes foram internados nas últimas 24h.

Os dados epidemiológicos com informações sobre todos os municípios e ocupação de leitos estão disponíveis em: www.paraiba.pb.gov.br/coronavirus/

F5Online

Rate this post
Continue lendo
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio
Apoio

Mais Lidas